Comentário de Habacuque Cap. 2 (Part. 1)



“Vou ficar de pé no meu posto de vigilância.” Esta foi a determinação de Habacuque, profeta de Deus. (Habacuque 2:1) O povo de Deus, do século 21, tem mostrado a mesma determinação. Assim como Habacuque, os que tomam a liderança do povo de Deus podem declarar: “Vou ficar postado sobre o baluarte e estarei vigiando para ver o que ele há de falar por mim.” As palavras hebraicas para “vigiar” e “posto de vigilância” são repetidas em muitas profecias.

“Não tardará” Ao passo que o povo de Deus proclama hoje o Seu aviso, eles precisam estar sempre atentos ao acatar as palavras concludentes da grande profecia de Jesus: “Mantende-vos vigilantes, pois não sabeis quando vem o senhor da casa, quer tarde no dia, quer à meia-noite, quer ao canto do galo, quer cedo de manhã; a fim de que, ao chegar ele repentinamente, não vos ache dormindo. Mas, o que eu vos digo, digo a todos: Mantende-vos vigilantes.” (Marcos 13:35-37) Assim como Habacuque, e em harmonia com as palavras de Jesus, temos de manter-nos vigilantes!

Habacuque talvez completasse a escrita do livro por volta de 628 AEC, antes mesmo de Babilônia se tornar a potência mundial dominante. Os julgamentos de Yehowah contra a Jerusalém apóstata haviam sido proclamados por muitos anos. No entanto, não havia nenhum indício claro referente à quando este julgamento seria executado. Quem acreditaria que faltavam apenas uns 21 anos, e que Babilônia seria o executor da parte de Deus? Hoje, de modo similar, não sabemos ‘o dia e a hora’ do fim deste mundo, mas Jesus nos avisou de antemão: “Mostrai-vos prontos, porque o Filho do homem vem numa hora em que não pensais.” —Mateus 24:36, 44.

Yehowah, por bons motivos, deu a Habacuque esta emocionante comissão: “Escreve a visão e assenta-a de modo claro em tábuas, para que aquele que a lê alto possa fazê-lo fluentemente. Porque a visão ainda é para o tempo designado e prossegue arfando até o fim, e não mentirá. Ainda que se demore, continua na expectativa dela; pois cumprir-se-á sem falta. Não tardará.” (Habacuque 2:2, 3) Atualmente, prevalecem iniquidade e violência em toda a Terra, o que indica que estamos bem próximos do “grande e atemorizante dia de Yehowah”. (Joel 2:31) As palavras de garantia do próprio Deus são deveras animadoras: “Não tardará”!

Então, como podemos sobreviver ao vindouro dia da execução do julgamento? Yehowah responde por fazer este contraste entre os justos e os injustos: “Eis que a sua alma ficou inchada; não tem sido reta no seu íntimo. Mas, quanto ao justo, continuará a viver pela sua fidelidade.” (Habacuque 2:4) Governantes e povos orgulhosos e gananciosos mancharam as páginas da História moderna com o sangue de milhões de vítimas inocentes, notavelmente nas duas guerras mundiais e nos banhos de sangue étnicos. Em contraste, os servos de Deus, que amam a paz, têm perseverado em fidelidade. Eles são “a nação justa que mantém uma conduta fiel”. Esta nação acata a admoestação: “Confiai em Yehowah para todo o sempre, pois em Yah [Jah] Yehowah está a Rocha dos tempos indefinidos.” — Isaías 26:2-4; João 10:16.

O apóstolo Paulo, escrevendo a cristãos hebreus, citou Habacuque 2:4, dizendo ao povo de Deus: “Tendes necessidade de perseverança, a fim de que, depois de terdes feito a vontade de Deus, recebais o cumprimento da promessa. Pois, ainda ‘por um pouquinho’, e ‘aquele que vem chegará e não demorará’. ‘Mas o meu justo viverá em razão da fé’, e, ‘se ele retroceder, minha alma não terá prazer nele’.” (Hebreus 10:36-38) Agora não é a época para afrouxarmos as mãos ou para sermos enlaçados pelos modos materialistas e hedonistas do mundo de Satanás. O que temos de fazer até que se esgote o “pouquinho” de tempo? Assim como Paulo, nós, os que somos da nação santa de Yehowah, cristãos verdadeiros, escravos de nosso Senhor Jesus Cristo, temos de ‘esticar-nos para alcançar as coisas à frente, empenhando-nos para alcançar o alvo’ da vida eterna. (Filipenses 3:13, 14) E assim como Jesus, temos de perseverar ‘pela alegria que se nos apresenta’. — Hebreus 12:2.

Habacuque 2:5 descreve um “varão vigoroso” que, em contraste com os servos de Yehowah, deixa de atingir seu alvo, embora ‘ampliasse a sua alma como o Seol’. Quem é este homem que “não pode ser saciado”? Com uma voracidade igual à de Babilônia dos tempos de Habacuque, este “varão”, composto de poderes políticos — fascistas, nazistas, comunistas ou mesmo os chamados democráticos — trava guerras para expandir suas terras. Ele enche também o Seol, a sepultura, com almas inocentes. Mas, este traiçoeiro “varão” composto do mundo de Satanás, embriagado pelo convencimento da sua própria importância, não terá êxito em ‘ajuntar a si todas as nações e reunir a si todos os povos’. Somente Yehowah pode unir toda a humanidade, e ele fará isso por meio do Reino Messiânico. — Mateus 6:9, 10.

Comentário de Habacuque Cap. 2 (Part. 1) Comentário de Habacuque Cap. 2 (Part. 1) Reviewed by Eduardo Galvão on quarta-feira, abril 29, 2009 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.