segunda-feira, 20 de abril de 2009

João 1:1-18
1. Jesus Cristo, o Deus eterno
1:1-2


João usa uma categoria especial: Jesus Cristo é a Palavra de Deus. O termo grego é logos.[1] Esta palavra tinha uma ampla utilização no mundo do primeiro século, tocando uma variedade de contextos culturais e filosóficos. Ao João utilizá-la, isso teria um efeito ressoante na mente de uma ampla variedade de leitores. Estudiosos têm encontrado uma ampla variedade de tema particularmente fértil para a investigação dessa palavra, a fim de se estabelecer as fontes possíveis para o conceito logos, e para decidir quais eram especialmente as determinantes para este evangelho.

O principal ponto de referência é quase certamente o Antigo Testamento e a religião judaica. Isso vamos reconhecer de uma vez por todas; João assume um trabalho conhecimento do Antigo Testamento por parte dos seus leitores. A frase de abertura, “No princípio...” nos conecta diretamente para Gênesis 1:1: "No princípio Deus criou ...". Esta alusão é a mais provável, tendo em conta que os leitores judaicos denominavam os nomes dos livros da Bíblia por suas palavras iniciais. Assim, “no princípio” é sinônimo de Gênesis. "A Palavra de Deus" aparece em Gênesis capítulo 1, como os meios pelos quais Deus realiza seus atos de criação, “Deus disse: "Que venha a haver luz" (portanto também 6, 9, 11, 14, 20, 24, 26) . A Palavra de Deus é o próprio Deus, na sua ação criadora.

Mais genericamente, no Antigo Testamento, a Palavra de Deus é Deus na sua poderosa ação eficaz na criação (Sl. 33:6), no livramento (Sl. 107:20), no julgamento (f. Sl. 29:3; Is 55:11). É a "Palavra de Deus" que dá a compreensão dos profetas relativos à mente e vontade de Deus (cf. Is. 38:4; Jer. 1:4; Ez. 1:3). Este pensamento de Deus é desenvolvido e personificado no conceito de "sabedoria", particularmente no livro de Provérbios; cf. "O Senhor me produziu como a primeira de suas obras, ... fui nomeado a partir da eternidade, desde o início, antes de o mundo começar... Eu estava lá quando ele colocou os céus no lugar, ... eu era o artesão, ao seu lado... minha alegria e deleite estavam com a humanidade" (Pr. 8:22-23, 27, 30, 31).

"A Palavra de Deus", também serviu como um substituto comum para o nome divino, quando o Antigo Testamento grego foi lido na sinagoga, e as colunas alternativamente necessárias para expressar o impronunciável Nome do Senhor. Geralmente, no Antigo Testamento "Palavra de Deus”, logos, refere-se a uma ação em vez de uma idéia.

Apesar de inicialmente ser enraizado em Hebraico, este pano de fundo com o logos, também fala aos leitores gregos de João. Logos tinha uma longa história na filosofia grega, pelo menos, desde a Heráclito (cerca de 500 aC), por quem o logos foi o princípio da modelagem, ordem e orientação do universo. No primeiro século, Filo, o renomado professor judeu no Norte da África, que tinham muito incorporado das perspectivas filosófica grega, se refere regularmente ao logos no âmbito de uma vasta variedade de imagens, muitas das quais da ação personalizada do logos (cf. "o Logos é o capitão e piloto do universo”, “o Pai do filho mais velho", e coisas do gênero). Embora alguns pontos de acordo com o uso grego possa ser estabelecido, a compreensão de João se afasta deste em um ponto crucial. No pensamento grego, em geral, o logo, como um participante na ordem divina, era muito distinta da realidade material e histórica mundo. Em contrapartida, para João, a Palavra é revelada precisamente no seu “tornar-se carne”, cf. “Aquilo que Jesus falou uma vez é mais fundamental para a compreensão do que é a história da filosofia grega ou a história do progresso místico oriental; ainda mais fundamental do que o primeiro capítulo do Gênesis ou o oitavo capítulo de Provérbios.”
[2]

João afirma três coisas sobre Jesus como a Palavra de Deus na abertura dos dois versículos do evangelho:

1. Jesus Cristo compartilha da eternidade de Deus. Ele estava no início... Por definição, Deus não tem começo. Podemos pensar em voltar apenas para o momento da criação, no início e, talvez, registar uma vaga noção de Deus da vida em si mesmo "antes" do tempo (cf. 17:5, 24: "a glória que tive junto de Ti antes do mundo começar ... antes da criação do mundo"). A concepção de João é que, no ponto em que chegamos à fronteira da conceituação de todos os humanos, temos de começar a falar de nosso Senhor Jesus Cristo; ele partilha da eternidade de Deus, “ele estava com Deus no começo”.
“Se perguntarmos a questão fundamental do filósofo: “Porque não havia nada?"A resposta é que no "princípio existia o Verbo". [3] Embora ele vivesse em um tempo como um ser humano, ele não é limitado pelo tempo. Ele antecede toda a existência; "ele existia quando não havia nada" (Atanásio). No entanto, estamos longe de volta para fixar o início das coisas, e qualquer modelo que se emprega a descrever a origem, de acordo com João, Jesus havia de estar presente como o Senhor presidente desse momento e do evento (cf. 3).

Esse fato tem grandes implicações para o nosso modo de conceber a pessoa de Deus. Uma vez que Jesus é a eterna Palavra de Deus (14), e uma vez que ‘ele e o Pai são um’ (10:30) e 'Quem viu [Jesus] tinha visto o Pai' (14:9), Deus é Jesus, sempre! “Deus é como Cristo e sem ele não há qualquer semelhança de Cristo” (AM Ramsey). Isto é importante para a nossa forma de ler o Antigo Testamento. O significado desta frase de abertura João é que o Deus que fala no Antigo Testamento, que entrou em comunhão com o seu povo de Israel, e inspirava e movia os profetas, era nada menos que o Deus conhecido em Jesus Cristo. Deus não mudou ou evoluiu. Jesus Cristo estava sempre no coração de Deus.

Também tem implicações para o nosso modo de entender quem elegeu o povo de Deus para a salvação (uma verdade que iremos nos deparar várias vezes neste evangelho). O Deus que elege não é 'antes de' Jesus Cristo. Assim, não existe Deus “antes de Cristo”, por assim dizer, que pode ainda dizer “não” a nós no dia do julgamento, apesar de ter ouvido o “sim” de Jesus quando o abraçamos como único salvador. O Filho, assim como Pai, é o Deus da eleição.


____________

Notas:
[1] Para uma discussão mais plena da importância da categoria, veja D. A. Carson, John, pp. 114–116; L. Morris, John, pp. 115–126; G. R. Beasley-Murray, pp. 6–10; também L. Morris, Reflexões, 1, pp. 1–9.
[2] E. C. Hoskyns, p. 137
[3] L. Newbigin, p. 2.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos