segunda-feira, 4 de maio de 2009

Estudo bíblico sobre o Jardim do ÉdenJARDIM DO ÉDEN (עדן, ‛ēdhen, “delight”; Εδεμ, Édem [Prazer; Deleite]), foi a região em que o Criador plantou um parque semelhante a um jardim como lar original do primeiro casal humano. A declaração de que o jardim achava-se no “Éden, do lado do oriente”, indica aparentemente que o jardim ocupava apenas uma parte da região chamada Éden. (Gên 2:8) No entanto, depois disso, o jardim é chamado de “jardim do Éden” (Gên 2:15), e, em textos posteriores, é mencionado como “Éden, jardim de Deus” (Ez 28:13), e como “jardim de Yehowah”. — Is 51:3.

A Septuaginta traduz a palavra hebraica para “jardim” (gan) pela palavra grega parádeisos. A isto devemos nossa associação da palavra portuguesa “paraíso” com o jardim do Éden.

Gênesis 2:15 declara que “Deus passou a tomar o homem e a estabelecê-lo no jardim do Éden”. Embora isso talvez pareça indicar que a criação do homem se deu fora do jardim, pode referir-se simplesmente a que Deus ‘tomou’ o homem no sentido de formá-lo e criá-lo dos elementos terrestres, e daí designá-lo para morar inicialmente no jardim no qual obteve vida. O cultivo e o cuidado do jardim era a tarefa designada ao homem. As árvores e as plantas do Éden incluíam todas as que supriam beleza cênica, bem como as que o proviam de alimento em ampla variedade. (Gên 2:9, 15) Bastaria este fato para indicar que o jardim abrangia uma área de considerável tamanho.

Havia grande variedade de vida animal no jardim. Deus trouxe perante Adão “todos os animais domésticos e . . . criaturas voadoras dos céus, e . . . todo animal selvático do campo”, aos quais Adão devia dar nomes, como uma de suas primeiras tarefas. (Gên 2:19, 20) O solo do Éden era regado pelas águas do rio que ‘saía do Éden’. (Gên 2:10) Em vista da nudez do homem, pode-se presumir que o clima era muito ameno e agradável. — Gên 2:25.

Qual era o fruto proibido no Éden?

Todas as árvores frutíferas do Éden estavam ali para que o homem comesse delas “à vontade”. (Gên 2:16) Mas certa árvore, a do “conhecimento do que é bom e do que é mau”, foi interditada para o casal humano. Eva citou a proibição de Yehowah, dada ao marido dela, como incluindo até mesmo ‘tocar’ nessa árvore, o que acarretaria a pena de morte, caso houvesse desrespeito e violação da lei divina. (Gên 2:17; 3:3) Ensinos tradicionais têm tentado explicar o fruto proibido de diversas maneiras: como símbolo de relações sexuais, representadas por uma “maçã”; como significando o mero reconhecimento do certo e do errado; e como conhecimento obtido ao se alcançar a madureza e também por experiência, conhecimento que pode ter bom ou mau uso.

Todavia, em vista da ordem do Criador, de ‘serem fecundos e tornarem-se muitos, e de encherem a terra’ (Gên 1:28), as relações sexuais têm de ser rejeitadas como representadas pelo fruto da árvore, porque de que outra maneira poderia haver procriação e multiplicação? Certamente não podia significar a mera faculdade de reconhecer o certo e o errado, porque a obediência à ordem de Deus exigia do homem, sem pecado, que exercesse tal discriminação moral. Tampouco pode referir-se ao conhecimento obtido ao atingir a madureza, porque não seria pecado por parte do homem atingir este estágio, nem seria lógico que seu Criador o obrigasse a continuar imaturo.

Quanto ao gênero de árvore, o registro bíblico nada revela. Mas, torna-se evidente que a árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau simbolizava o direito ou prerrogativa divina, que o Criador do homem retém, de especificar para as suas criaturas o que é “bom” e o que é “mau”, exigindo depois corretamente a prática daquilo que é declarado ser bom e a abstenção daquilo que é condenado como mau, a fim de continuarem aprovadas por Deus, o Governante Soberano. Tanto a proibição como a subsequente sentença proferida sobre o casal desobediente salientam o fato de que foi o ato de desobediência em comer do fruto proibido que constituiu o pecado original. — Gên 3:3.

Embora alguns críticos modernos talvez empaquem na própria simplicidade do relato edênico, devia ser óbvio que as circunstâncias existentes tornavam bem próprio um teste simples. A vida do homem e da mulher recém-criados era simples, não complicada nem estorvada por todos os complexos problemas, apuros e perplexidades que a desobediência a Deus, desde então, tem causado à raça humana. Sem embargo, apesar de toda a sua simplicidade, o teste expressava, de modo sucinto e admirável, a verdade universal da soberania de Deus, bem como a dependência do homem de Deus e seu dever para com Deus. E deve-se dizer que, embora simples, o relato dos eventos no Éden apresenta os assuntos num nível infinitamente superior ao daquelas teorias que não colocariam a origem do homem num jardim, mas sim numa caverna, apresentando-o não só como crassamente ignorante, mas também como desprovido de senso moral. A simplicidade do teste no Éden ilustra o princípio declarado milênios mais tarde pelo Filho de Deus, de que “quem é fiel no mínimo, é também fiel no muito, e quem é injusto no mínimo, é também injusto no muito”. — Lu 16:10.

É claro que não se tencionava que, por ter o Éden esta árvore proscrita em seu interior, isto servisse como espinho na carne para o casal humano, nem se destinava a suscitar uma questão ou a servir como assunto de debate. Se Adão e Eva tivessem acatado a vontade de Deus no assunto e respeitado as instruções dele, seu lar-jardim teria continuado imaculado como local de prazer e de deleite. O registro mostra que a questão e o debate sobre a árvore, junto com a tentação de violar a ordem de Deus, foram impostos à humanidade pelo Adversário de Deus. (Gên 3:1-6; compare isso com Ap 12:9.) Exercerem Adão e Eva sua vontade como pessoas de livre-arbítrio, rebelando-se contra a soberania legítima de Deus, levou a perderem o Paraíso e as condições abençoadas de seus confins. De consequências ainda mais graves foi perderem a oportunidade de comer de outra das árvores do Éden, esta representando o direito à vida eterna. Neste respeito, o relato diz que Yehowah “expulsou assim o homem, e colocou ao oriente do jardim do Éden os querubins e a lâmina chamejante duma espada que se revolvia continuamente para guardar o caminho para a árvore da vida”. — Gên 3:22-24.

Localização do Éden. A localização original do jardim do Éden é conjectural. O principal meio de se identificar sua localização geográfica é a descrição bíblica do rio ‘que saía do Éden’, e que depois se dividia em quatro “cabeceiras”, resultando nos rios chamados Eufrates, Hídequel, Píson e Giom. (Gên 2:10-14) O Eufrates (hebr.: Peráth) é bem conhecido, e “Hídequel” é o nome usado para o Tigre em inscrições antigas. (Veja também Da 10:4.) Os outros dois rios, o Píson e o Giom, porém, continuam sem ser identificados.

Alguns, tais como Calvino e Delitzsch, têm argumentado em favor da localização do Éden em alguma parte perto da cabeceira do golfo Pérsico, na Mesopotâmia inferior, aproximadamente no lugar em que o Tigre e o Eufrates se aproximam um do outro. Eles têm associado o Píson e o Giom com canais entre estes rios. Todavia, isso tornaria esses rios tributários, em vez de braços que se ramificavam duma fonte original. O texto hebraico, em vez disso, aponta para um lugar na região montanhosa ao N das planícies mesopotâmicas, para uma área em que o Eufrates e o Tigre têm suas nascentes atuais. Neste respeito, The Anchor Bible (A Bíblia Âncora; 1964), nas suas notas sobre Gênesis 2:10, declara: “No hebr[aico], a desembocadura do rio é chamada de ‘fim’ (Jos xv 5, xviii 19); portanto, o plural de ro’s, ‘cabeceira’, tem de referir-se aqui ao curso superior. . . . Este último uso é bem atestado referente ao cognato ac[adiano] resu.” O fato de que os rios Eufrates e Tigre não procedem agora duma única nascente, bem como a impossibilidade de se determinar definitivamente a identificação dos rios Píson e Giom, é possivelmente explicado pelos efeitos do Dilúvio dos dias de Noé, que, sem dúvida, alterou em muito os aspectos topográficos da terra, enchendo os leitos de alguns rios e criando outros.

A localização tradicional do jardim do Éden há muito é sugerida como tendo sido na região montanhosa a uns 225 km ao SO do monte Ararate e a poucos quilômetros ao S do lago Van, na parte oriental da moderna Turquia. Que o Éden talvez tivesse estado cercado por alguma barreira natural, tal como montanhas, talvez seja sugerido pelo fato de que se diz que querubins foram postos apenas ao L do jardim, ponto do qual Adão e Eva saíram dele. — Gên 3:24.

Depois de Adão ter sido banido do jardim paradísico, não havendo ninguém para ‘o cultivar e tomar conta dele’, seria de presumir que simplesmente cresceu em exuberância natural, tendo apenas os animais para povoar seus confins, até ser obliterado pelas águas avolumantes do Dilúvio, desconhecendo o homem a sua localização exata, exceto pelo registro divino sobre a sua existência. — Gên 2:15.

8 comentários:

  1. Muito edificante e informativo muito obrigado pr.
    Que Deus possa continuar sempre abençoando e capacitando a sua obra mais uma vez obrigado deus o abençoe soberanamente...

    ResponderExcluir
  2. Fico profundamente feliz em ver que o meu objetivo foi cumprido! Seja sempre bem-vinda e fica na paz!

    ResponderExcluir
  3. eu tbm nw posso deixar de dizer, pessoas como vc, tornam a internet útil ....glórias a Deus, paz

    ResponderExcluir
  4. Gostei muito dessa postagem que DEUS te abençoe.

    Acesse o meu blog > conselhos-sabios.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Estou seguindo o seu blog também!
    Siga-me também

    ResponderExcluir
  6. Que Deus te abençoe! Te guie e te guarde e que proteja toda a sua parentela! paz.

    ResponderExcluir
  7. Segundo o apóstolo Paulo, o "paraíso", que é o jardim do Éden, fica no "terceiro céu" (II Coríntios 12:2 a 4). O Éden fica no céu. Foi para lá que Deus levou Adão depois que o criou. Os animais do Éden não são os mesmos da Terra aqui embaixo. A prova disso é que não existe entre os animais do nosso planeta uma serpente falante. Os "animais do campo" (Gênesis 3: 1)entre os quais se encontrava a serpente que falou com Eva, são as criaturas que existem somente no Éden, como os querubins que se parecem metade com homem, metade com animal (Ezequiel 1: 10). Esses animais do Éden que são "a criação" que "aguarda", com "ardente expectativa", a "revelação dos filhos de Deus" (Romanos 8:19),são todos herbívoros. Entre os da Terra, mesmo antes da queda do homem, já existiam os carnívoros. Júnia.

    ResponderExcluir
  8. Forte este mistério amei muito,que Deus possa te abençoar rica mente em nome de jesus...

    ResponderExcluir

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos