quarta-feira, 20 de maio de 2009

Postado por Eduardo G. Junior Em | No comments

resumo da biblia, livro de levitico, teologia, estudos biblicos
Livro de Levítico
Tema: O povo de Deus precisa ser santo assim como Ele é santo.

“Deveis mostrar-vos santos, porque eu, Yehowah, vosso Deus, sou santo.” Esta ordem do Criador, repetidas vezes dada ao seu povo de Israel, no ermo, estabelece claramente o tema do livro bíblico de Levítico. (Lev. 19:2) De fato, os termos “santo” ou “sagrado” aparecem mais de cem vezes neste livro, mais vezes do que em qualquer outro livro da Bíblia.

O nome “Levítico” é bem apropriado, porque o livro trata na maior parte da adoração formal de Yehowah, conforme era realizada pelos sacerdotes da tribo de Levi e de seu papel em manter Israel como nação santa.

Quem escreveu Levítico? Em algumas línguas, tais como o alemão, o livro simplesmente é chamado de “terceiro livro de Moisés”. Este nome se ajusta aos fatos, porque, vez após vez, no Novo Testamento, as referências tiradas de Levítico são atribuídas a Moisés.[1] Além disso, faz parte do Pentateuco, que significa “cinco rolos” ou “volume quíntuplo”. Assim, todas as referências no Novo Testamento, que atribuem as outras partes do Pentateuco a Moisés, servem para corroborar que ele foi também o escritor de Levítico. O mero fato de que Levítico começa com a conjunção “E” já o relaciona de perto com o livro precedente de Êxodo.

Quando foi escrito Levítico? Em vista do precedente, a conclusão lógica é que Moisés escreveu Levítico enquanto estava no ermo, durante o próprio tempo em que ocorreram os eventos relatados nele. Isto é apoiado pelo fato de que certas de suas ordens têm aplicação apenas às condições no ermo. E, na realidade, o livro exala a própria atmosfera prevalecente na vida campestre no ermo.

Qual é o período abrangido pelo livro? Êxodo, o livro precedente, fala de eventos que aconteceram no primeiro dia do primeiro mês, do segundo ano. (Êxo. 40:17) E o versículo inicial do livro que segue a Levítico, Números, fala de acontecimentos ocorridos no primeiro dia do segundo mês daquele mesmo ano. Segue-se, daí, que o período abrangido por Levítico não pode ter sido mais de um mês lunar. E não pode ter sido menos de oito dias, porque este é o tempo que levou a investidura do sacerdócio, descrita ali. — Lev. 9:1.

Por que se escreveu Levítico? De que valor era para os israelitas da antiguidade? Em primeiro lugar, o livro fornece regulamentos fixos, abrangendo aspectos que já faziam parte da verdadeira adoração. Como exemplo, regulava os sacrifícios de animais, antes disso oferecidos a Yehowah por Abel, Noé, Abraão e Jacó. (Gên. 4:4; 8:20, 21; 22:13; 31:54) Levítico fala também sobre a investidura de Arão e de seus filhos (e seus descendentes masculinos) como sacerdócio especial, para supervisionarem a adoração formal e a vida cotidiana dos israelitas. Antes disso, os chefes de família haviam servido quais sacerdotes na oferta de sacrifícios. — Gên. 46:1; Jó 1:5.

Por meio das ordens, que se encontram no livro de Levítico, Yehowah incutiu na mente dos israelitas a necessidade de serem um povo santo, e também a maneira em que podiam sê-lo em sentido religioso e moral. Pelo conteúdo dele, Deus avisou também os israelitas sobre a sua vontade a respeito das festividades anuais deles, seus sábados semanais e anuais, as relações sexuais corretas e as impróprias, alimentação e outros assuntos. Entre as suas mais destacadas proibições encontrava-se a de comer sangue. E Deus resumiu a maneira em que deviam tratar-se mutuamente com a ordem: “Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.” (Lev. 17:10-14; 19:18) Deveras, Levítico especificava para os israelitas como podiam ser um povo santo para Yehowah Elohim (Jeová Deus).

Quanto aos cristãos de hoje, o valor do conteúdo de Levítico se torna especialmente evidente no livro de Hebreus. Aprendemos dele que o sacerdócio levítico e seus sacrifícios representavam coisas muito mais grandiosas — o sacerdócio e o sacrifício de Jesus Cristo, bem como outras coisas boas resultantes dos mesmos. Fortalece a fé dos cristãos notarem a sabedoria divina revelada nas leis relacionadas com a saúde física, leis que revelam conhecimento de fatos só reconhecidos pelos homens mundanos da medicina milhares de anos mais tarde. Fortalece também a fé notarem o cumprimento de certas profecias encontradas em Levítico, tais como as que tratam da apostasia de Israel e seu retorno ao favor de Deus. — Lev. 26:29, 41-44; Lam. 4:10; Nee. 9:31.

Sacrifícios — voluntário e obrigatórios: Os capítulos um a sete, e o dezesseis, de Levítico tratam de diversas espécies de sacrifícios que os israelitas podiam oferecer, ou tinham de oferecer, nos interesses da santidade. As ofertas queimadas e as ofertas de participação em comum eram sacrifícios voluntários. Na oferta queimada, todo o animal ou ave, exceto o couro ou as penas, era consumido no altar. No sacrifício de participação em comum, certa parte era oferecida no altar, representando a participação de Deus no sacrifício, outra parte era comida pelo sacerdote e uma terceira parte era consumida pelo próprio ofertante. — Lev. 1:1-17; 3:1-17; 5:8; 7:11-36.

As ofertas pelo pecado e as ofertas pela culpa eram sacrifícios compulsórios. A primeira era para expiar os pecados cometidos desintencionalmente ou por engano. Neste caso, a espécie de animal ofertado dependia do pecado de quem se devia expiar, quer o dum sumo sacerdote ou dum maioral, quer do povo como um todo ou de alguém dentre o povo comum. — Lev. 4:1-35; 6:24-30.

Os pecados que exigiam uma oferta pela culpa eram mais sérios. Deviam cobrir a culpa pessoal por causa de infidelidade, fraude ou roubo, revelando certa medida de deliberação. Três coisas eram exigidas do ladrão: o sacrifício dum animal, a devolução da coisa roubada, e, em certos casos, uma multa de 20 por cento. Os regulamentos a respeito desses sacrifícios mostram o bom senso de justiça de Deus. A posição da pessoa, seus meios e o grau de sua culpa recebiam todos a devida consideração. (Lev. 5:1 a 6:7; 7:1-7) Em conexão com tais sacrifícios, os israelitas foram lembrados duas vezes a não comerem sangue. — Lev. 3:17; 7:26, 27.

O capítulo 16 registra a mais importante série de sacrifícios da Lei, os ofertados no dia da expiação. Naquele dia, ofereciam-se sacrifícios pelo pecado do povo e faziam-se ofertas queimadas. Nisso estava incluída a declaração dos pecados do povo, sobre um bode vivo, o qual era então enviado ao ermo. A importância deste dia era salientada pelo fato de que os israelitas não deviam fazer nenhum trabalho neste dia e deviam ‘atribular a sua alma’, o que evidentemente significava que deviam jejuar. — Sal. 35:13.

Além dos sacrifícios de animais, havia também certas ofertas sem sangue, que podiam ser oferecidas. Consistiam quer em grãos integrais torrados, quer em farelo ou então em flor de farinha, tostada na assadeira ou frita em azeite. — Lev. 2:1-16.

Regulamentos sacerdotais: A fim de que Arão pudesse servir como Sumo Sacerdote e seus quatro filhos como subsacerdotes, Deus ordenou que Moisés realizasse uma cerimônia de investidura. Esta envolveu a oferta de certos animais, partes dos quais eram “movidas” perante Yehowah por Arão e seus filhos. Toda a cerimônia durou oito dias. Em prova de que tudo isso foi feito às ordens de Deus e com a sua aprovação, “a glória de Yehowah apareceu então a todo o povo, e desceu fogo de diante de Yehowah e começou a consumir a oferta queimada. . . . Quando todo o povo chegou a ver isso, irromperam em gritos e prostraram-se sobre as suas faces”. — Levítico, capítulos 8 e 9.

Deus considerava o papel desempenhado pelos sacerdotes como sendo assunto muito sério. Vez após vez os advertiu que, deixarem de cumprir com todos os requisitos, traria consigo a pena de morte. Quando dois dos filhos de Arão, Nadabe e Abiú, tomaram liberdades indevidas com a adoração no tabernáculo, “saiu então fogo de diante de Yehowah e os consumiu”. É bem possível que os dois tenham agido sob a influência de álcool, pois, logo a seguir, Yehowah proibiu aos sacerdotes beber vinho ou bebida alcoólica enquanto servissem no tabernáculo. Eles simplesmente não poderiam fazer seu serviço direito se estivessem sob a influência de álcool, do mesmo modo como não o podem fazer hoje os servos responsáveis de Deus. — Lev. 10:1-10.

Para que um dos descendentes masculinos de Arão servisse como sacerdote, ele tinha de ser santo no sentido de estar livre de defeitos físicos. Não podia ser coxo, cego, corcunda ou ter doença de pele. O sacerdote estava também restrito no seu luto pelos falecidos e quanto a com quem se podia casar. Para o sumo sacerdote, as restrições eram ainda mais rígidas. Havia também restrições quanto a quem da família do sacerdote podia comer das coisas sagradas ofertadas no tabernáculo. — Levítico, capítulos 21 e 22.

Leis que governanvam o que era puro e impuro: Para que os israelitas pudessem ser um povo santo, Yehowah lhes deu leis a respeito do que considerava ser puro e impuro. Proibiam-se sob pena de morte práticas moralmente impuras, tais como o incesto, o adultério e a bestialidade. Foi por causa de tais práticas degradantes que Yehowah decretou o extermínio dos habitantes de Canaã. Punição similar era merecida pela apostasia, por qualquer prática de religião falsa, por tudo o que se relacionava com o espiritismo e por qualquer blasfêmia do santo nome de Yehowah. — Capítulos 18 e 20.

De acordo com Levítico, os israelitas não podiam comer a carne de certos animais, tanto domésticos, como selváticos. Estas proibições tinham duas finalidades. Por um lado, proscreviam diversos tipos de carne, entre estes aquela que mais provavelmente poderia estar infeccionada por organismos prejudicais. E, por outro lado, essas proibições ajudavam a fortalecer a barreira entre os israelitas e as nações circunvizinhas. Por ficarem assim separados como povo santo para Yehowah, havia menos probabilidade de se associarem com outros povos e aprenderem seus maus modos. (Veja 1 Coríntios 15:33.) Por outro lado, tocar num cadáver, quer de homem, quer de animal, tornava os humanos e até mesmo os vasilhames de cozinha impuros. A sabedoria destas restrições só foi reconhecida milênios depois pelo mundo da medicina, quando os homens ficaram sabendo dos germes. As leis que governavam a impureza por causa da lepra, envolvendo a quarentena, eram bastante pormenorizadas. Havia também leis que governavam assuntos tais como a impureza por fluxos genitais e pelo parto. — Capítulos 11-15.

Relacionado com essas leis, não só se ordenou aos israelitas que ‘amassem seu próximo como a si mesmos’, mas foram também informados sobre o que estava incluído nesta ordem. Tinham a obrigação de repreender o pecador e ter consideração com o cego, o coxo, o surdo e também o pobre, de quem não tinham permissão de cobrar juros. Não deviam caluniar, nem defraudar no peso e na medida. Quem deliberadamente prejudicasse seu próximo devia receber a retribuição merecida. — Lev. 19:9-18, 26, 32-37.

Sábados e Festividades: Basicamente, incumbia aos israelitas observar três espécies de sábados. Primeiro, havia o sábado semanal, não no domingo, primeiro dia da semana, mas no sétimo dia. Segundo, o primeiro dia de cada mês também devia ser observado. Terceiro, havia o ano sabático, em que não se plantava nada, nem se colhia nada, por um ano inteiro, e se permitia que a terra descansasse. A fim de habilitar os israelitas a observar o sábado de um ano de duração, Yehowah prometeu-lhes que suas safras no sexto ano seriam suficientes para lhes durar até o oitavo ano, quando passariam a usufruir a colheita do plantio daquele ano. O grande jubileu, o quinquagésimo ano, ocorria após sete anos sabáticos. Nesse ano, todo homem recebia de volta qualquer propriedade que tivesse perdido nos anteriores quarenta e nove anos, por causa de doença, circunstâncias ou mesmo péssima administração. Por isso, nunca haveria famílias que ficassem indefinidamente cada vez mais ricas, ao passo que outras ficassem cada vez mais pobres. — Capítulos 23 e 25.

Levítico apresenta também os requisitos de Yehowah para a celebração de três festividades anuais. Estas eram ocasiões de ‘alegria perante Yehowah’ e ajudavam os israelitas a fortalecer sua relação com Deus, ao passo que o adoravam unidamente. (Lev. 23:40) Primeiro, no começo da primavera (setentrional), vinha a Páscoa, com sua festividade dos pães não fermentados, de uma semana de duração. Ela era seguida, no fim da primavera, pela festividade das semanas ou Pentecostes, durando apenas um dia. A terceira festividade caía no outono, após o término da colheita. Era chamada de festividade da colheita ou das barracas, pois, durante ela, os israelitas tinham de morar a semana inteira em barracas, fazendo-os lembrar-se do tempo em que moravam em barracas enquanto estavam no ermo.

Pode-se dizer que o livro de Levítico atinge seu clímax no capítulo 26, que nos fala sobre as recompensas pela obediência e sobre as consequências da desobediência. Jeová informou os israelitas: “Se continuardes a andar nos meus estatutos”, então se daria o quê? Teriam prosperidade, safras abundantes e paz, derrotariam seus inimigos e se tornariam muito numerosos. No entanto, ‘se rejeitassem os estatutos de Deus’, teriam fome, pestilência, derrota em batalha e seriam até mesmo levados embora, para um país estrangeiro. Mas, o capítulo termina esperançosamente com a promessa dum restabelecimento, que de fato ocorreu quando os israelitas retornaram de Babilônia, em 537 A.E.C. Por fim, o capítulo 27 trata de se fazerem certos votos e apresenta a conclusão.

O livro de Levítico é deveras de grande valor para os servos de Deus hoje em dia, assim como foi para os seus servos na antiguidade. Entre outras coisas, salienta a excessiva pecaminosidade do pecado e a necessidade dum sacrifício expiatório, a santidade do sangue e a importância da justiça e do amor. Mas, acima de tudo, faz com que nos apercebamos da importância da soberania de Yehowah como grande Legislador, com ênfase no seu nome e na sua santidade.



_____________
Notas:

[1] Compare Romanos 10:5 com Levítico 18:5, João 7:22 com Levítico 12:3, e Lucas 2:22 com Levítico 12:2.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos