segunda-feira, 22 de junho de 2009

12:22 - Felipe veio e disse a André,… O pedido que os Gregos fizeram acomentario do evangelho de João, comentario biblico ele, e isso ele fez, para que ele pudesse ter seu conselho sobre o assunto; e não apenas por que ele era um ancião e apóstolo, mas por que ele era da mesma cidade e podia conhecer esses homens assim como Felipe:

E, novamente, André e Felipe disseram a Jesus;… Depois que eles tinham consultado entre si, se era próprio ou não, levar essas coisas ao mestre; visto que ele os tinha proibido de seguir caminho entre os gentios, eles concordaram em levar ao conhecimento dele, para que ele pudesse fazer segundo seu bel prazer.

12:23 - E Jesus os respondeu,… Não direta e particularmente; ele não explica em termos plenos qual é a sua vontade, quer se esses gregos seriam admitidos ou não; e ainda assim se expressa de uma maneira que mostra que não era avesso a isso, mas se agradou com isso, e notou o assunto, como evidência da aproximação de sua glorificação:

Dizendo: a hora chegou, para que o Filho do homem seja glorificado;… Por levantar-se dentre os mortos, ascender aos céus, sentar a mão direita de Deus, e de onde derramaria Espírito Santo sobre seus discípulos, que iria e pregaria o Evangelho aos Gentios, bem como aos Judeus; e que falaria da conversão de muitos deles, e de sua glória, e da vinda desses Gregos. Mas ele afirma, no próximo versículo, que ele tinha que morrer.

12:24 - Em verdade, em verdade, eu vos digo,… Isso é certo, é verdadeiro em sua natureza; e aquilo que ele explica é um fato concreto, para que a sua morte não fosse uma pedra de tropeço para seus discípulos, ou qualquer objeção a sua glorificação; mas antes para ser considerada com os meios disso, e como a necessária ordem para que isso ocorra:

A menos que um grão de trigo caia no chão;… Ou é semeado na terra; pois semear para os judeus se expressa pelo ato de lançar a semente, deixando-a cair na terra; veja Gill em Mat. 13:4; e é uma frase muito própria para se aplicar a morte de Cristo, um sacrifício a justiça pelas mãos dos homens:

E morra;... Ou seja feita corrupta e podre; e que é terminado em três dias na terra úmida, mas é mais longo no chão seco antes que pereça (z): e um milho de trigo é quase a única semente que sendo lançada na terra, morre; e então é muito habilmente usado por Cristo

Permanence só;… Uma única semente como é:

Mas se morre;… Se é consumida, sendo lançada na terra, no tempo mencionado anteriormente:

Dá muito fruto;... Ela brota, e sobe sobre o solo, e aparece a lâmina, depois a espia, e produz assim muitos milhos ou grãos de trigo; tudo que nosso Senhor diz aqui se refere a ele mesmo, e a sua morte, e os frutos que veem dele. Ele se compara a um grão de trigo; pois o trigo é conhecido pela sua excelência acima de todo outro grão, ele que é o principal entre dez mil, entre anjos ou homens; e para a pureza e limpeza dele, ele sendo, até mesmo na sua natureza humana, puro, e livre de todo pecado; e para sua fertilidade, ele que é frutífero em si mesmo, e a causa de toda a fertilidade no seu povo;
[1] e a sua utilidade para comida, ele que é o pão da vida, e o melhor do trigo: e considerando que o trigo deve ser espancado, joeirado, penetrado, misturado, e assado antes de fosse ajustado para comida; tudo isso pode expressar os sofrimentos e a morte de Cristo para ser a própria comida do seu povo que tem fé nele: e Cristo aqui se compara a um único grão de trigo, porque ele foi tido em pouca conta entre os homens, e muito pouco ou nada foi esperado por eles da parte dele; e principalmente porque ele estava só na salvação do seu povo. A morte de Cristo é significada pela queda do grão de trigo no chão, morrendo, e mostra que a morte de Cristo não era acidental, mas projetada; era determinada nos conselhos e propósitos de Deus, e planejada para a glória dele e a redenção dos homens; até mesmo como a queda do trigo das mãos do semeador, não cai casualmente, mas de propósito, que morre e volta novamente, e produz um aumento: e também, que a morte de Cristo era voluntária, tanto da parte do seu Pai, como da sua própria; e era real, e não externamente apenas, e ainda assim seria por pouco tempo; assim como o grão de trigo que morre, logo reaviva novamente, e é rapidamente levantado sobre o chão, assim o Cristo, embora ele realmente tivesse morrido, não continuaria muito tempo debaixo do poder da morte, mas se levantaria novamente ao terceiro dia, e agora vive para sempre. Além disso, Cristo mostra por esta símile que se ele não tivesse morrido, ele deveria ter estado só; não sem o seu Pai, e o Espírito Santo; nem sem os santos eleitos e anjos, mas sem quaisquer dos filhos dos homens caídos e mortos em Adão; e se não tivesse Cristo morrido, nenhum deles teria vivido; nenhum deles poderia ter estado justificado; nem poderiam os seus pecados serem expiados; nem iria qualquer um deles ser regenerado: Cristo teria estado sem eles nos céus; portanto, ele escolheu morrer por eles para que eles pudessem estar para sempre com ele. E ele observa mais adiante por estes meios, que a morte dele seria produtiva, produzindo muitos frutos; que pode ser entendido tanto de uma colheita grande de almas que deveriam ser salvas entre judeus e Gentios, e especialmente o último; e das bênçãos da graça, como redenção, justificação, paz, perdão, e vida eterna que deveriam seguir isto.


______________
Notas

(z) Rabbenu Samson & Bartenora in Misn. Celaim, c. 2. sect. 3.
[1] Cf. João 15:4. N do T.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos