terça-feira, 23 de junho de 2009

14:29 - Eu vo-lo disse agora antes que aconteça,… Essa é umcomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoa prova de sua verdadeira e própria divindade, pois ninguém, a não ser Deus, pode dizer coisas que ainda irão acontecer; isso é peculiar a ele, e o distingue de outros deuses dos Gentios; veja Isa. 41:22.

Para que quando acontecer, possais crer;… Ou seja, que quando ele fosse removido deles, e tiver ido para o Pai, eles podem então acreditar que ele era verdadeiramente Deus, o Filho de Deus, o prometido Messias; e que ele estava agora na glória, e na mão direita de Deus.

14:30 - Daqui por diante, eu não falarei muito convosco,... Significando antes da sua morte; pois depois da sua ressurreição, ele falou muito com eles, sobre as coisas que pertencem ao reino de Deus; sendo visto por eles e conversando com eles durante o espaço de quarenta dias;
[1] não muito, ele diz, principalmente o que é entregue nos dois próximos capítulos: o desígnio disto era, observar a eles que o seu tempo de partida estava próximo, e avivar a atenção deles ao que ele disse-lhes; visto que eles não pudessem esperar ouvi-lo, ou muito mais dele.

Pois o príncipe deste mundo vem: Por "o príncipe deste mundo", é significado o Diabo; por que ele é chamado assim; veja Gill sobre João 12:31; a razão do por que Cristo escolhe usar esta circunlocução, em lugar de dizer Satanás ou o Diabo, é, em parte, para mostrar que um adversário poderoso ele tinha, e estava a ponto de enfrentá-lo, e em parte para observar aos seus discípulos, o que eles têm que esperar do mundo, ódio e perseguição; visto que Satanás era o príncipe do mundo, e tinha tal influência poderosa nas mentes dos homens do mundo. Quando é dito que ele “vem”, será entendido da vinda dele a Cristo, embora não seja expresso, e que com uma intenção agradavelmente ao seu caráter, como um ladrão, para matar e destruir;
[2] e não da vinda dele somente em Judas, em quem tinha entrado, e tinha posto no seu coração traí-lo; e pelos soldados armados que o acompanhariam; e pelos principais sacerdotes, governantes e as pessoas dos judeus, que com vozes unidas clamaram, Crucifiquem-no, Crucifiquem-no; nem só invisivelmente pelos seus anjos, os seus principados e poderes, que ele estava empregando agora de modos diferentes, para levar à cabo os seus propósitos; mas da sua vinda pessoalmente, e visivelmente: como ele apareceu visivelmente a Cristo no deserto, durante a tentação,[3] onde ele o deixou por uma tempo; assim esta oportunidade para vir havia chegado, visivelmente aparece a ele no jardim, onde uma agonia acentuada e um combate estava entre eles; que sucesso ele teve neste conflito, é mencionado a seguir.

E nada tem em mim;... Ou como algumas cópias leem: não "achará nada em mim"; ou como outras, "não tem nada para achar em mim”; Cristo não tinha nenhum pecado nele, o que não pode ser dito de ninguém, a não ser ele. Os judeus dizem (e) que Samuel, por quem eles querem dizer o Diabo, quando lutou com Jacó שלא מצא בו עון, não "pôde achar iniquidade nele", que ele tinha cometido; mas isto só é verdade do antitípico de Jacó: pois, embora os seus emissários buscassem diligentemente achá-los, eles não poderiam encontrar nenhum nele;
[4] embora ele tivesse o pecado imputado nele, ele não tinha nenhum nele; os pecados do seu povo foram imputados nele, mas ele não tinha nenhum pecado inerente em si; consequentemente, embora ele, o Messias, fosse "decepado", de acordo com Dan. 9:26, "mas não por ele mesmo"; pela qual a Septuaginta traduz και κριμα ουκ εστιν εν αυτω, "mas não há nenhum julgamento" ou "condenação nele", i.e. nenhuma causa de condenação; que concorda com o que é dito aqui: embora o acusador de todos os homens buscasse ter algo contra ele, de o acusar, que ele não poderia achar nenhuma; algumas pretensões foram feitas, realmente, e acusações trazidas, mas não puderam ser feitas bem sucedido, ao passo que o próprio juiz de toda terra[5] disse: "não acho nele nenhuma falta sequer", João 18:38, de forma que o Diabo não tinha nenhum poder sobre ele, nenhum poder legítimo, nem qualquer, mas o que ele tinha era através de permissão,[6] nem realmente ele prevaleceu sobre ele; pois, embora de acordo com a primeira profecia do Messias,[7] Satanás contundiu o calcanhar de Cristo; ainda assim Cristo contundiria a sua cabeça, destruindo-o e desfazendo as suas obras,[8] assim como os seus principados e poderes; de onde mostra que a morte de Cristo não era devido a qualquer pecado seu próprio, porque ele não tinha nenhum, nem qualquer um poderia ser achado nele; nem por qualquer poder superior do Diabo acima dele; ele submeteu-se a morte, não pelo poder de Satanás sobre ele, e compelido por todas as circunstâncias que conduziram a isto, não por medo dele, mas pelo amor ao seu Pai, e obediência ao seu mandamento; como está claro do versículo seguinte.



________________
Notas

(e) Tzeror Hammor, fol. 44. 2.
[1] Cf. Atos 1:3. N do T.
[2] Cf. João 10:10. N do T.
[3] Cf. Mateus 4:1-10. N do T.
[4] Cf. João 8:46. N do T.
[5] Cf. Gênesis 18:25. N do T.
[6] Cf. João 18:11. N do T.
[7] Cf. Gênesis 3:15. N do T.
[8] Cf. 1 João 3:8. N do T.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Bookmark Us

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos