quarta-feira, 24 de junho de 2009

16:8 - E quando ele vier,… A vinda do Espírito aqui se refere principalmente a sucomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoa descida sobre os apóstolos no dia de “Pentecostes”: como as coisas atribuídas a ele, e que foram então feitas por ele, que claramente mostra; embora possa também incluir sua vinda junto, e pela administração do Evangelho, nos corações de seu povo na conversão, em todas as eras dos tempos:

Ele reprovará o mundo do pecado, da retidão, e do julgamento: Pelo "o mundo" é significado principalmente, os judeus; o mundo entre quem Cristo estava pessoalmente, que não o conheceu, o descreu, o rejeitou como o Messias, odiou, e, por fim, o entregou à morte; embora não para a exclusão do Gentios, o mundo inteiro que faz em maldade;[1] visto que ambos uniram, e estavam empenhados nestas coisas, e reprovou deles; o qual "reprova", como pode se referir a pessoas diferentes, pode pretender tais reprovações e convicções, como não é assistido com conversão, e emite em salvação; e como é poderoso, espiritual, e para propósitos salvatórios: as várias coisas que são ditas que o Espírito de Deus reprova, embora sejam repetidos nos versículos seguintes, com razões ou especificações anexadas a eles, e serão considerados lá.

16:9 - Do pecado, porque eles não acreditaram em mim. O "pecado" aqui principalmente se refere dos judeus, descrendo, rejeitando, e crucificando o Cristo; e o qual o Espírito de Deus, por Pedro, os culpou no dia de "Pentecostes", e completamente provou-os por isso; dado tal evidência clara, e tais convicções fortes operadas nas suas mentes e consciências, sendo eles então compungidos em seus corações, clamaram: "o que faremos nós?"[2] Atos 2:23; embora como esta passagem pode ser aplicada ao trabalho comum do Espírito de Deus nas almas dos homens, pelo ministério da palavra; assim pode levar as convicções de pecado de todos os tipos, a partir do original e dos pecados atuais, e particularmente, o pecado de incredulidade: pois o Espírito de Deus convence-nos da nossa pecaminosidade, e a corrupção de nossa natureza, a maldade e pestilência do coração do homem, o pecado que mora nele; como ele tem transbordado todos os poderes e faculdades da sua alma, faz os seus serviços inaceitáveis para Deus, repugnante em sua vista, a nossa situação sendo de desesperados e desamparados, e sendo meritórios apenas da ira e desgosto: o Espírito também convence-nos dos pecados atuais e transgressões, enquanto mostrando que estamos, em nossa natureza, contra a lei de Deus, e merecendo nós, apenas a morte,[3] até mesmo morte eterna; que é revelada a ira de Deus contra eles, e os mostra como eles são, filho da desobediência;[4] e que não há nenhuma compensação para eles, ou purificação neles, exceto no nome, e no sangue de Jesus Cristo: ele convence igualmente do pecado de incredulidade, aqui mencionado particularmente: mostrando a natureza má e consequências terríveis disso, para pessoas que desfrutam uma revelação do Evangelho; aquele que descrê o Messias, morrerá nos seus pecados;[5] que quem não acredita nele será condenado; e aquela fé em Cristo é necessária para a salvação, e que sem isto não há nenhuma.


____________
Notas

[1] Cf. 1 João 5:19. N do T.
[2] Cf. Atos 2:37. N do T.
[3] Cf. Romanos 6:23. N do T.
[4] Cf. Efésios 2:2. N do T.
[5] Cf. João 8:24. N do T.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Bookmark Us

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos