segunda-feira, 15 de junho de 2009

8:36 - Se o filho, portanto, vos libertar,… Aludindo ao costume de adoção pelos filhos ou irmãos na família, que existia na Grécia, chamado αδελφοθεσια, “uma adoçãcomentario do evangelho de João, comentario biblicoo de irmãos”, como Grotius e outros tem observado; ou, antes, ao costume entre os Romanos, de uma filho libertar, depois da morte do Pai, alguém que tinha nascido escravo em sua casa. Um caso como esse é dito nos escritos judaicos (h):

“Um homem tendo um filho ou uma filha por meio de sua serva, que aquilo que é nascido dela é, sem dúvidas, um servo: portanto, se ele (o filho) disser, esse é meu irmão natural ou minha irmã natural; pois visto que meu Pai teve filhos por sua serva, “a quem ele não libertou”; e, ele morrendo, a lei me faz senhor desses, εγω τουτους ελευθερωσα, “eu libertei esses” por causa da relação natural deles.”

Esta é permitida ser uma justa e boa razão de alforria. Agora isso responde muito bem ao caso em consideração. Os homens da casa são nascidos escravos, o povo escolhido de Deus, por natureza, são tais, que são nascidos em pecado, e são os servos do mesmo; Cristo, o Filho, os torna livres, e então eles não são mais estranhos e estrangeiros, mas concidadãos com os santos, e da família de Deus. Isto sugere que a verdadeira liberdade está em Jesus Cristo, o Filho de Deus; ver Gal. 5:1. Ele é que faz os santos livre do pecado e não o ser assim livre nessa vida, mas livres da escravidão e servidão do mesmo, do seu poder e dominação, e de sua culpa e destino à punição por causa disso, por terem perdão dos seus pecados através do seu sangue, que pode justificar o seu povo pela sua justiça: também fazê-los livres, ou livrá-los do cativeiro de Satanás, por redimi-los de suas mãos, tomando como presa do homem poderoso, amarrando o homem forte, e libertando-os dele,
[1] do poder das trevas, e colocando-os em seu próprio reino, não de suas tentações, mas ele preserva-os por seu poder para não serem machucados e destruídos pelo pecado: ele também faz o seu povo livre da lei, não só a lei cerimonial, que é abolida por ele, mas da lei moral, não da obediência a ela, como está em suas mãos, e uma regra de conduta e comportamento com eles, mas, como nas mãos de Moisés, como um pacto de obras, e da rigorosa obediência a ela, e da justificação e da vida obtida por ele, e de sua maldição e condenação: e ele dá-lhes liberdade de acesso a Deus, como seu Pai, através do seu sangue e por Seu Espírito, e admite-lhes todos os privilégios e imunidades da igreja abaixo, e lhes dá o direito a ela, na fé, e uma expectativa da gloriosa liberdade dos filhos de Deus[2] a seguir, e tais são verdadeiramente os livres de Cristo.

Sereis realmente livres;... Esta é a verdadeira liberdade; que os judeus ostentavam, enquanto supondo que o que eles disseram estava certo, era apenas uma sombra de liberdade em comparação com esta; e aquela liberdade que os homens pecadores prometem para aqueles em pecado, é tudo uma decepção; não há nenhuma verdadeira, sólida, significativa liberdade, mas apenas aquela que está em Cristo, o Filho de Deus. Até mesmo aquela liberdade que os filhos de Deus tiveram debaixo da dispensação legal do Antigo Testamento, era uma servidão, em comparação do que os santos desfrutam por Cristo debaixo da dispensação do Evangelho; embora eles fossem os filhos e herdeiros, enquanto ainda estando em escravidão, não diferiu nada de servos, enquanto estando debaixo dos tutores e governadores,
[3] em escravidão debaixo dos elementos do mundo, e debaixo da influência de um espírito de escravidão por medo; veja Gal. 4:1; mas tal que recebeu o espírito de adoção de Cristo, eles são realmente livres: eles não só têm o nome de filhos, e de homens livres, mas eles são verdadeiramente tais, e completamente assim; talvez pode haver alguma referência a tal tipo de pessoas entre os judeus que eram em parte os servos e em parte livres: assim é dito (i):

מי שחציו עבד, “aquele que é meio servo”, ou em parte um servo, e em parte livre, servirá seu mestre um dia, e ele mesmo um outro.”

E tal pessoa, como dizem os comentadores (k), é alguém que é servo de dois parceiros, e é feito livre por um deles; ou que pagou metade do seu preço para seu mestre (por sua liberdade), mas a outra parte ainda está valendo: e em um dessas circunstâncias é dito que (l):

“Aquele que é em parte um servo, e em parte livre, não pode comer o (cordeiro) de seu mestre (na páscoa):”

Mas agora, esses que são feitos livres por Cristo, o Filho de Deus, eles não são apenas em parte, mas são completamente livres, e têm um direito a todos os privilégios de sua casa, a ceia do senhor, e toda outra imunidade.




____________
Notas
(h) Theophili Antecensor. Institut. Imperat. Justinian. l. 1. tit. 6. sect. 5. p. 38.
(i) Misn. Gittin, c. 4. sect. 5. & Ediot, c. 1. sect. 13.
(k) Maimonides, Jarchi, & Bartenora em ib.
(l) Misn. Pesachim, c. 8. sect. 1.
[1] Cf. Mateus 12:29. N do T.
[2] Cf. Romanos 8:21. N do T.
[3] Cf. Gal. 3:24. N do T.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Bookmark Us

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos