quinta-feira, 16 de julho de 2009

Posted by Eduardo G. Junior In | 1 comment
ALTAR, ESTUDO BIBLICO, TEOLOGICOBasicamente, uma estrutura ou um lugar elevado em que se oferecem sacrifícios ou se queima incenso em adoração ao Deus verdadeiro ou a outra deidade. A palavra hebraica mizbéahh (altar) deriva do verbo radical zaváhh (abater; sacrificar) e refere-se assim basicamente a um abatedouro ou a um lugar de sacrifícios. (Gên 8:20; De 12:21; 16:2) De modo similar, a palavra grega thysiastérion (altar) deriva do verbo radical thýo, que também significa “abater; sacrificar”. (Mt 22:4; Mr 14:12) A palavra grega bomós refere-se ao altar dum deus falso. — At 17:23.

A primeira menção de um altar ocorre após o Dilúvio, quando “Noé começou a construir um altar a Jeová” e fez nele ofertas queimadas. (Gên 8:20) As únicas ofertas mencionadas antes do Dilúvio foram as de Caim e de Abel, e embora seja provável que fizessem isso, não se diz se usaram altares, ou não. — Gên 4:3, 4.

Abraão construiu um altar em Siquém (Gên 12:7), num ponto entre Betel e Ai (Gên 12:8; 13:3), em Hébron (Gên 13:18) e evidentemente também no monte Moriá, onde ele sacrificou um carneiro que lhe foi dado por Deus em lugar de Isaque. (Gên 22:9-13) Somente neste último caso menciona-se especificamente a oferta dum sacrifício por Abraão nesses altares. Entretanto, o significado básico da palavra hebraica indica que é provável que se fizessem ofertas em cada caso. Isaque, mais tarde, construiu um altar em Berseba (Gên 26:23, 25), e Jacó construiu altares em Siquém e em Betel. (Gên 33:18, 20; 35:1, 3, 7) Estes altares, erguidos pelos patriarcas, sem dúvida eram do tipo mencionado mais tarde por Deus no pacto da Lei, quer montes de terra, quer plataformas de pedras naturais (não lavradas). — Êx 20:24, 25.

Moisés construiu um altar depois da vitória sobre Amaleque, chamando-o de Jeová-Nissi (Jeová É Meu Poste de Sinal). (Êx 17:15, 16) Ao se fazer o pacto da Lei com Israel, Moisés construiu um altar ao sopé do monte Sinai, e neste se ofereceram sacrifícios. Sangue dos sacrifícios foi aspergido sobre o altar, sobre o livro e sobre o povo, assim validando o pacto e pondo-o em vigor. — Êx 24:4-8; He 9:17-20.

I. Altares do Tabernáculo.

Com a ereção do tabernáculo, construíram-se dois altares, segundo o modelo divino. O altar da oferta queimada (também chamado de “altar de cobre” [Êx 39:39]) foi feito de madeira de acácia, em forma duma caixa, pelo que parece sem tampa nem fundo. Media de 2,2 m de cada lado e tinha 1,3 m de altura, com “chifres” que se projetavam dos quatro cantos superiores. Todas as suas superfícies estavam recobertas de cobre. Uma grelha ou grade de cobre foi colocada abaixo da borda do altar, “por dentro”, “pelo meio”. Quatro argolas foram colocadas nas quatro extremidades, perto da grelha, e estas parecem ser as mesmas argolas pelas quais passavam os dois varais de acácia, recobertos de cobre, para o transporte do altar. Isto talvez significasse que se abrira uma fenda em dois lados do altar, permitindo que se inserisse nele uma grelha plana, estendendo-se as argolas de ambos os lados. Há considerável diferença de opinião entre os peritos sobre este assunto, e muitos consideram provável que dois conjuntos de argolas estivessem envolvidos, o segundo conjunto, para a inserção dos varais de transporte, estando preso diretamente ao exterior do altar. Equipamento de cobre foi feito em forma de recipientes e de pás, para as cinzas, tigelas para aparar o sangue dos animais, garfos para manusear a carne, e porta-lumes. — Êx 27:1-8; 38:1-7, 30; Núm 4:14.

Este altar de cobre, para as ofertas queimadas, foi colocado diante da entrada do tabernáculo. (Êx 40:6, 29) Embora fosse de altura relativamente baixa, assim não exigindo necessariamente uma via de acesso para facilitar o manejo dos sacrifícios colocados nele, o terreno talvez tenha sido erguido em seu redor, ou talvez houvesse uma rampa que conduzisse a ele. (Veja Le 9:22, que declara que Arão “desceu” depois de fazer ofertas.) Visto que o animal era sacrificado “ao lado setentrional do altar” (Le 1:11), o “lugar das cinzas gordurosas” removidas do altar estava ao L (Le 1:16), e a bacia de cobre, para lavagem, estava ao O (Êx 30:18), isto logicamente deixava o S como o lado livre em que tal via de acesso poderia estar situada.

II. Altar do incenso.

O altar do incenso (também chamado de “altar de ouro” [Êx 39:38]) era igualmente feito de madeira de acácia, o topo e as laterais sendo revestidos de ouro. Uma bordadura de ouro orlava o topo. O altar media 44,5 cm de cada lado e tinha 89 cm de altura, e também possuía “chifres” que se projetavam de seus quatro cantos superiores. Duas argolas de ouro foram feitas para a inserção dos varais de acácia, para transporte, recobertos de ouro, e estas argolas foram colocadas por baixo da bordadura de ouro, em lados opostos do altar. (Êx 30:1-5; 37:25-28) Um incenso especial era queimado neste altar duas vezes por dia, de manhã e à noitinha. (Êx 30:7-9, 34-38) O uso de um incensário ou porta-lume é mencionado em outras partes para se queimar incenso, e, evidentemente, um assim também era usado em conexão com o altar de incenso. (Le 16:12, 13; He 9:4; Re 8:5; compare isso com 2Cr 26:16, 19.) A posição do altar do incenso era no interior do tabernáculo, logo antes da cortina do Santíssimo, de modo que é mencionado como estando “diante da arca do testemunho”. — Êx 30:1, 6; 40:5, 26, 27.

III. Santificação e uso dos altares do tabernáculo.

Por ocasião das cerimônias de investidura, ambos os altares foram ungidos e santificados. (Êx 40:9, 10) Nessa ocasião, bem como nos subseqüentes sacrifícios de certas ofertas pelo pecado, punha-se sangue do animal sacrificado nos chifres do altar da oferta queimada, derramando-se o restante dele à base do altar. (Êx 29:12; Le 8:15; 9:8, 9) Parte do óleo de unção e do sangue sobre o altar foi espargido sobre Arão e seus filhos, e as vestes deles, a fim de santificá-los perto da conclusão da cerimônia da investidura. (Le 8:30) Ao todo, a santificação do altar da oferta queimada exigiu sete dias. (Êx 29:37) No caso de outras ofertas queimadas, sacrifícios de participação em comum e ofertas pela culpa, o sangue era aspergido sobre o altar, ao passo que o sangue de aves sacrificadas era espargido ou deixado escorrer ao lado do altar. (Le 1:5-17; 3:2-5; 5:7-9; 7:2) Faziam-se fumegar sobre o altar as ofertas de cereais como “cheiro repousante” para Yehowah. (Le 2:2-12) As partes remanescentes da oferta de cereais eram consumidas pelo sumo sacerdote e pelos seus filhos ao lado do altar. (Le 10:12) Anualmente, no Dia da Expiação, o altar era limpo e santificado por o sumo sacerdote colocar parte do sangue dos animais sacrificiais sobre os chifres do altar e por espargi-lo sete vezes sobre o altar. — Le 16:18, 19.

Em todos os sacrifícios de animais apresentados, faziam-se fumegar sobre o altar partes do animal, e para este fim se mantinha um fogo aceso no altar, e nunca se permitia que se apagasse. (Le 6:9-13) Dali se obtinha o fogo para a queima de incenso. (Núm 16:46) Somente Arão e aqueles dos seus descendentes que estivessem livres de defeitos tinham permissão de servir no altar. (Le 21:21-23) Os outros levitas eram apenas ajudantes. O homem que não fosse da semente de Arão e que se chegasse ao altar devia ser morto. (Núm 16:40; 18:1-7) Corá e sua assembléia foram destruídos por deixarem de reconhecer esta designação divina, e os porta-lumes de cobre que haviam tomado foram transformados em finas placas de metal e o altar foi revestido com eles, em sinal de que ninguém que não fosse da descendência de Arão devia chegar-se a ele. — Núm 16:1-11, 16-18, 36-40.

Uma vez por ano, também se fazia expiação pelo altar do incenso, de ouro, por se pôr nos chifres dele sangue sacrificial. Outras ocasiões em que recebia tal tratamento eram quando se faziam ofertas pelo pecado a favor de membros do sacerdócio. — Êx 30:10; Le 4:7.

Quando eram transportados pelos filhos de Coate, tanto o altar do incenso como o altar das ofertas queimadas eram cobertos, o primeiro com pano azul e peles de focas, e o segundo com um pano de lã tingida de roxo e com peles de focas. — Núm 4:11-14.

IV. Altares do Templo.

Antes da dedicação do templo de Salomão, o altar de cobre feito no ermo servia para as ofertas sacrificiais de Israel no alto em Gibeão. (1Rs 3:4; 1Cr 16:39, 40; 21:29, 30; 2Cr 1:3-6) O altar de cobre feito depois para o templo abrangia uma área 16 vezes maior do que o feito para o tabernáculo, medindo cerca de 8,9 m de cada lado e tendo cerca de 4,5 m de altura. (2Cr 4:1) Em vista da sua altura, era essencial um meio de acesso. A lei de Deus proibia o uso de degraus até o altar, para impedir a exposição da nudez. (Êx 20:26) Alguns crêem que os calções de linho usados por Arão e seus filhos serviam para neutralizar esta ordem, e, assim, tornavam permissíveis os degraus. (Êx 28:42, 43) No entanto, parece provável que se usasse uma rampa inclinada para se chegar ao alto do altar da oferta queimada. Josefo (The Jewish War [A Guerra Judaica], V, 225 [v, 6]) indica que tal acesso era usado para o altar do templo mais tarde construído por Herodes. Se a disposição do altar do templo seguia à do tabernáculo, a rampa ficava provavelmente do lado S do altar. O “mar de fundição”, em que os sacerdotes se lavavam, seria assim de fácil acesso, visto que também ficava do lado S. (2Cr 4:2-5, 9, 10) Em outros aspectos, o altar construído para o templo, pelo que parece, foi modelado segundo o do tabernáculo, e não se fornece nenhuma descrição pormenorizada dele.

Estava situado onde Davi havia construído antes seu altar temporário, no monte Moriá. (2Sa 24:21, 25; 1Cr 21:26; 2Cr 8:12; 15:8) Considera-se também, por tradição, ter sido este o lugar onde Abraão tentara oferecer Isaque. (Gên 22:2) O sangue dos animais sacrificiais era derramado na base do altar, e é provável que existisse algum tipo de conduto para levar o sangue para longe da área do templo. Relata-se que o templo de Herodes possuía tal conduto ligado ao chifre SO do altar, e, na rocha da área do templo, encontrou-se uma abertura que leva a um canal subterrâneo que vai para o vale do Cédron.

O altar do incenso para o templo foi feito de cedro, mas esta parece ter sido a única diferença entre este e o do tabernáculo. Era igualmente recoberto de ouro. — 1Rs 6:20, 22; 7:48; 1Cr 28:18; 2Cr 4:19.

Na inauguração do templo, a oração de Salomão foi oferecida perante o altar da oferta queimada, e, ao terminar, desceu fogo dos céus e consumiu os sacrifícios no altar. (2Cr 6:12, 13; 7:1-3) Apesar de abranger uma área de mais de 79 m2, este altar de cobre mostrou-se pequeno demais para a imensa quantidade de sacrifícios oferecidos então, de modo que se santificou uma parte do pátio para este fim. — 1Rs 8:62-64.

Na última parte do reinado de Salomão, e nos reinados de Roboão e de Abijão, o altar das ofertas queimadas passou a ser negligenciado, a ponto de o Rei Asa achar necessário renová-lo. (2Cr 15:8) O Rei Uzias foi atacado de lepra por tentar queimar incenso sobre o altar de incenso, de ouro. (2Cr 26:16-19) O Rei Acaz afastou para um lado o altar de cobre da oferta queimada e colocou no seu lugar um altar pagão. (2Rs 16:14) Seu filho Ezequias, porém, mandou que o altar de cobre e seus utensílios fossem limpos, santificados e restaurados ao serviço. — 2Cr 29:18-24, 27.

V. Altares Pós-exílicos.

A primeira coisa construída em Jerusalém pelos exilados que voltaram, sob Zorobabel e o sumo sacerdote Jesua, foi o altar de ofertas queimadas. (Esd 3:2-6) No devido tempo, fez-se também um novo altar do incenso.

O rei sírio, Antíoco Epifânio, levou embora o altar do incenso, de ouro, e, dois anos mais tarde (168 AEC), construiu um altar sobre o grande altar de Yehowah e ofereceu nele um sacrifício a Zeus. (1 Macabeus 1:20-64) Judas Macabeu, depois disso, construiu um novo altar de pedras não lavradas e também restaurou o altar do incenso. — 1 Macabeus 4:44-49.

O altar das ofertas queimadas do templo de Herodes era feito de pedras não lavradas, e, segundo Josefo (The Jewish War, V, 225 [v, 6]), tinha 50 côvados de cada lado e 15 côvados de altura, embora a Míxena judaica (Middot 3:1) forneça dimensões menores para ele. Foi a este altar, portanto, que Jesus se referia nos seus dias. (Mt 5:23, 24; 23:18-20) O altar do incenso daquele templo não é descrito, mas Lucas 1:11 mostra que um anjo estava de pé à direita dele quando apareceu ao pai de João, Zacarias.

VI. O Altar do Templo de Ezequiel.

No templo visionário visto por Ezequiel, o altar de ofertas queimadas estava similarmente colocado diante do templo (Ez 40:47), mas tinha estilo diferente dos altares anteriores. O altar consistia em várias seções sucessivamente reentrantes ou recuadas. Suas dimensões são fornecidas em côvado longo (51,8 cm). A base do altar tinha um côvado de grossura e possuía uma “borda” de um palmo (talvez 26 cm) como beirada ao redor do topo, assim formando uma espécie de calha ou canal, talvez para receber o sangue derramado. (Ez 43:13, 14) Apoiada na própria base, mas reentrante um côvado de sua orla externa, havia outra seção, que media dois côvados (c. 104 cm) de altura. Uma terceira seção tinha um recuo de um côvado e tinha quatro côvados (c. 207 cm) de altura. Tinha também uma beirada circundante de meio côvado (c. 26 cm), talvez formando um segundo canal ou saliência protetora. Por fim, a lareira do altar se estendia para cima ainda por outros quatro côvados e também estava recuada um côvado da seção precedente; dela estendiam-se quatro “chifres”. Degraus no L proviam o acesso à lareira do altar. (Ez 43:14-17) Como se dera com o altar construído no ermo, devia-se observar um período de expiação e de inauguração de sete dias. (Ez 43:19-26) Devia-se fazer a expiação anual pelo altar, junto com o restante do santuário, no primeiro dia de nisã. (Ez 45:18, 19) O rio de águas curativas, visto por Ezequiel, fluía do templo para o leste, e passava ao S do altar. — Ez 47:1.

O altar do incenso não é mencionado nominalmente na visão. No entanto, a descrição do “altar de madeira”, em Ezequiel 41:22, em especial a referência a ele como a “mesa que está diante de Yehowah”, indica que este correspondia ao altar do incenso, ao invés de à mesa dos pães da proposição. (Compare isso com Êx 30:6, 8; 40:5; Re 8:3.) Este altar tinha três côvados (c. 155 cm) de altura, e, evidentemente, dois côvados (c. 104 cm) de cada lado.

VII. Outros Altares.

Visto que a população pós-diluviana não continuou com Noé na adoração pura, segue-se que foram feitos muitos altares para a adoração falsa, e escavações feitas em Canaã, na Mesopotâmia e em outros lugares, indicam que eles já existiam desde os períodos mais primitivos. Balaão mandou erigir sucessivamente sete altares, em três lugares diferentes, em suas vãs tentativas de invocar uma maldição sobre Israel. — Núm 22:40, 41; 23:4, 14, 29, 30.

Mandou-se aos israelitas que derrubassem todos os altares pagãos, e que destruíssem as colunas e os postes sagrados costumeiramente erguidos junto destes. (Êx 34:13; De 7:5, 6; 12:1-3) Nunca deveriam imitar a estes, nem oferecer seus filhos pelo fogo, como faziam os cananeus. (De 12:30, 31; 16:21) Em vez de uma multiplicidade de altares, Israel deveria ter um só altar para a adoração do único Deus verdadeiro, e este estaria localizado no lugar que Yehowah escolhesse. (De 12:2-6, 13, 14, 27; contraste isto com Babilônia, onde havia 180 altares apenas para a deusa Istar.) Foram, de início, instruídos a construir um altar de pedras não lavradas, depois de cruzarem o rio Jordão (De 27:4-8), e este foi construído por Josué no monte Ebal. (Jos 8:30-32) Depois da divisão da terra conquistada, as tribos de Rubem e de Gade, e a meia-tribo de Manassés, construíram um conspícuo altar junto ao Jordão, o que provocou uma crise temporária entre as demais tribos, até que se verificou que o altar não era sinal de apostasia, mas apenas um marco comemorativo de fidelidade a Yehowah como o Deus verdadeiro. — Jos 22:10-34.

Construíram-se outros altares, mas parece que estes foram erguidos para ocasiões específicas, e não para uso contínuo, e usualmente foram construídos em conexão com aparições angélicas ou segundo instruções angélicas. O altar em Boquim, e os de Gideão e Manoá, eram assim. (Jz 2:1-5; 6:24-32; 13:15-23) O registro a respeito do altar erguido em Betel pelo povo, quando considerava como impedir o desaparecimento da tribo de Benjamim, não indica se teve a aprovação divina ou se era simplesmente um caso de ‘fazerem o que era direito aos seus próprios olhos’. (Jz 21:4, 25) Samuel, como representante de Deus, ofereceu sacrifício em Mispá e também construiu um altar em Ramá. (1Sa 7:5, 9, 10, 17) Isto talvez fosse devido a que a presença de Jeová não mais se evidenciava no tabernáculo em Silo, após a remoção da Arca. — 1Sa 4:4, 11; 6:19-21; 7:1, 2; compare isso com Sal 78:59-64.

VIII. Utilização de altares temporários.

Em várias ocasiões, foram construídos altares temporários. À guisa de exemplo, Saul ofereceu sacrifício em Gilgal e construiu um altar em Aijalom. (1Sa 13:7-12; 14:33-35) No primeiro caso, foi condenado por não esperar por Samuel, para que este oferecesse os sacrifícios, mas não se considerava se esses lugares eram ou não apropriados para se oferecerem sacrifícios.

Davi mandou que Jonatã explicasse sua ausência à mesa de Saul no dia da lua nova por dizer que Davi comparecia ao sacrifício familiar, anual, em Belém; no entanto, visto que isto era um subterfúgio, não se pode saber definitivamente se este foi realmente celebrado. (1Sa 20:6, 28, 29) Mais tarde, como rei, Davi construiu um altar na eira de Araúna (Ornã), e isto foi feito por ordem divina. (2Sa 24:18-25; 1Cr 21:18-26; 22:1) A declaração em 1 Reis 9:25, com respeito a Salomão ‘oferecer sacrifícios sobre o altar’, refere-se claramente a ele fazer com que isso se realizasse através do sacerdócio autorizado. — Veja 2Cr 8:12-15.

Com a ereção do templo em Jerusalém, parece que o altar estava então definitivamente no “lugar que Yehowah, vosso Deus, escolher . . . e para lá vos chegareis”. (De 12:5) Além do altar usado por Elias no monte Carmelo, na prova de fogo com os sacerdotes de Baal (1Rs 18:26-35), apenas a apostasia fazia então que se estabelecessem outros altares. O próprio Salomão foi o primeiro culpado de tal desvio, devido à influência de suas esposas estrangeiras. (1Rs 11:3-8) Jeroboão, do recém-formado reino setentrional, empenhou-se em desviar seus súditos de irem ao templo em Jerusalém, por estabelecer altares em Betel e em Dã. (1Rs 12:28-33) Um profeta predisse então que, no reino do Rei Josias, de Judá, os sacerdotes que oficiavam no altar em Betel seriam mortos, e os ossos de homens mortos seriam queimados sobre ele. O altar foi fendido como sinal disso, e a profecia foi mais tarde inteiramente cumprida. — 1Rs 13:1-5; 2Rs 23:15-20; compare isso com Am 3:14.

Durante o governo do Rei Acabe, em Israel, floresceram altares pagãos. (1Rs 16:31-33) No tempo do Rei Acaz, de Judá, havia altares “em cada esquina de Jerusalém”, bem como muitos “altos”. (2Cr 28:24, 25) Manassés chegou ao ponto de construir altares dentro da casa de Jeová, e altares para a adoração do “exército dos céus” no pátio do templo. — 2Rs 21:3-5.

Embora os reis fiéis destruíssem periodicamente estes altares idólatras (2Rs 11:18; 23:12, 20; 2Cr 14:3; 30:14; 31:1; 34:4-7), antes da queda de Jerusalém, Jeremias ainda podia dizer: “Teus deuses tornaram-se tantos quantas as tuas cidades, ó Judá; e colocastes tantos altares para a coisa vergonhosa quantas são as ruas de Jerusalém, altares para fazer fumaça sacrificial a Baal.” — Je 11:13.

IX. Durante o exílio e no período apostólico.

Durante o período do exílio, os judeus que fugiram para Elefantina, no Alto Egito, estabeleceram um templo e um altar, segundo os Papiros Elefantinos; e, séculos mais tarde, os judeus perto de Leontópolis fizeram o mesmo. (Jewish Antiquities [Antiguidades Judaicas], XIII, 62-68 [iii, 1]; The Jewish War, VII, 420-432 [x, 2, 3]) Este último templo e altar foram construídos pelo sacerdote Onias, na tentativa de cumprir Isaías 19:19, 20.

Na Era Comum, o apóstolo Paulo, ao falar aos atenienses, referiu-se ao altar onde estava inscrito “A um Deus Desconhecido”. (At 17:23) Há amplas informações históricas disponíveis que corroboram isto. Relata-se que Apolônio de Tiana, que visitou Atenas algum tempo depois de Paulo, disse: “É muito maior prova de sabedoria e de sobriedade falar bem de todos os deuses, especialmente em Atenas, onde se erguem altares em honra até mesmo de deuses desconhecidos.” (Filostrato, The Life of Apollonius of Tyana [A Vida de Apolônio de Tiana], VI, III) O geógrafo Pausânias, no segundo século EC, relatou que, na estrada que vai do porto da baía de Falero até a cidade de Atenas, observara “altares dos deuses chamados Desconhecidos, e de heróis”. Também falou de “um altar de Deuses Desconhecidos” em Olímpia. (Description of Greece [Descrição da Grécia], Attica, I, 4; Elis I, XIV, 8) Um altar similar foi descoberto em 1909 em Pérgamo, no recinto do templo de Demétrio.

X. Significância dos Altares.

Em Hebreus, capítulos 8 e 9, o apóstolo Paulo mostra claramente que todas as coisas relacionadas com o serviço no tabernáculo e no templo eram típicas. (He 8:5; 9:23) A significância dos dois altares se torna evidente através da informação contida nas Escrituras Gregas Cristãs. O altar das ofertas queimadas representava a “vontade” de Deus, quer dizer, sua disposição de aceitar o perfeito sacrifício humano do seu Filho unigênito. (He 10:5-10) Sua localização diante da entrada do santuário enfatiza o requisito da fé neste sacrifício resgatador como pré-requisito da aceitação por Deus. (Jo 3:16-18) A insistência num único altar de sacrifícios está em harmonia com a declaração de Cristo: “Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim”, e também com os muitos textos que declaram a unidade a ser manifestada na fé cristã. — Jo 14:6; Mt 7:13, 14; 1Co 1:10-13; Ef 4:3-6; note também a profecia de Isaías, em Is 56:7; 60:7, de que pessoas de todas as nações viriam ao altar de Deus.

É digno de nota que, embora alguns fugissem para o altar, agarrando-se aos chifres dele na esperança de obter proteção, a lei de Deus prescrevia que o assassino deliberado devia ser retirado “mesmo que esteja junto ao meu altar, para que morra”. (Êx 21:14; compare isso com 1Rs 1:50-53; 2:28-34.) O salmista cantou: “Lavarei as mãos na própria inocência e vou marchar ao redor do teu altar, ó Yehowah.” — Sal 26:6.

Embora Hebreus 13:10 tenha sido usado como base para a ereção de altares literais por professos cristãos, o contexto mostra que o “altar” mencionado por Paulo não é literal, mas sim simbólico. (He 13:10-16) A Cyclopædia de M’Clintock e Strong (1882, Vol. I, p. 183) diz a respeito dos primitivos cristãos: “Quando os antigos apologistas eram criticados por não terem templos, nem altares, nem santuários, eles simplesmente respondiam: ‘Sacrários e altares é que não temos.’” Comentando Hebreus 13:10, a obra Word Studies in the New Testament (Estudos de Palavras do Novo Testamento, 1957, Vol. IV, p. 567), de M. R. Vincent, diz: “É um erro tentar encontrar na economia cristã algum objeto específico que corresponda ao altar — quer a cruz, quer a mesa eucarística, ou o próprio Cristo. Antes, as idéias de acesso a Deus — sacrifício, expiação, perdão e aceitação, salvação — são reunidas e geralmente representadas na figura do altar, assim como o altar judaico era o ponto para o qual todas essas idéias convergiam.” A multiplicação de altares foi fortemente condenada pelos profetas hebreus. (Is 17:7, 8) Oséias disse que Efraim havia “multiplicado os altares a fim de pecar” (Os 8:11; 10:1, 2, 8; 12:11); Jeremias declarou que o pecado de Judá estava “gravado nos chifres dos seus altares” (Je 17:1, 2); e Ezequiel predisse a matança dos falsos adoradores “ao redor dos seus altares” (Ez 6:4-6, 13).

Expressões de julgamentos divinos também estão profeticamente associadas com o verdadeiro altar. (Is 6:5-12; Ez 9:2; Am 9:1) É desde “por baixo do altar” que as almas dos que foram mortos por darem testemunho de Deus clamam simbolicamente: “Até quando, Soberano Senhor, santo e verdadeiro, abster-te-ás de julgar e vingar o nosso sangue dos que moram na terra?” — Ap 6:9, 10; compare isso com 8:5; 11:1; 16:7.

Em Apocalipse 8:3, 4, o altar de incenso, de ouro, é expressamente relacionado com as orações dos justos. Era costumeiro entre os judeus orar “na hora de se oferecer incenso”. (Lu 1:9, 10; compare isso com Sal 141:2.) O único altar para a oferta de incenso também corresponde à única via de acesso, delineada nas Escrituras Gregas Cristãs. — Jo 10:9; 14:6; 16:23; Ef 2:18-22.

Um comentário:

  1. Título: para trazer o amor de volta
    LEIA SOZINHO VEREMOS... Para você mesmo, diga o nome do único rapaz ou moça com quem você gostaria de estar (três vezes)... Pense em algo que queira realizar na próxima semana e repita para você mesmo (seis vezes) ... Se você tem um desejo, repita-o para você mesmo (nove vezes) ... Nossa senhora (w.g.r) de onde estiver ou com quem estiver e faça ELe me telefonar ainda hoje,apaixonado e arrependido, tudo que esta impedindo que (w.g.r)venha para mim (m.n.q),afaste todos amigos,que ele não tenha pensamentos para outras coisas e amigos e sim para mim,pense em mim,me tel. e me ame. Confio no seu poder e sei que serei atendida. Amém Nossa senhora do desterro, (w.g.r)de onde estiver ou com quem estiver e faça ele me telefonar ainda hoje,apaixonado e arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que (w.g.r) venha para mim (m.n.q).,afaste todos amigos,que ele não tenha pensamentos para outras coisas e amigos e sim para mim,pense em mim,me tel. e me ame. Confio no seu poder e sei que serei atendida. Amarra homem, (w.g.r) te prendo e te amarro tua alma , teu espírito e teu corpo,as forças te trarão chorando aos meus pés,tú não hás de comer ,tú não hás de falar com outra feminina enquanto não me procurar para pedir o meu amor,o meu perdão e a nossa reconciliação.Te prendo(w.g.r)com toda força,amarrado a mim,dominado por mim,tú terás pensamento só em mim,meu amor por ti será tudo! Socorro !!!Salve Rainha do Cruzeiro, traga (w.g.r) de volta imediatamente, que (w.g.r), mande mensagem, me ligue, me procure, me ame loucamente, nao tenha vontade de fazer mais nada enquanto nao ligar para mim, me procurar e queira me amar , ficar, sair, namorar e estar comigo sempre, o tempo todo, que perda o juízo enquanto não estiver comigo que (w.g.r)sinta saudades, vontade de mim o tempo todo, de manhã, de tarde, a noite, de madrugada, que não pare de pensar em mim nenhum momento.. que eu fique na cabeça dele vinte 4 hrs por dia. e sinta muita vontade de estar comigo, como eu estou sentindo dele neste momento. Prometo publicar esta oração em 7 altares diferentes, pois sei minha Salve Rainha do Cruzeiro que sua bondade é grande. Amém

    ResponderExcluir

Bookmark Us

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos