sexta-feira, 24 de julho de 2009

Estudo Bíblico sobre Josué

Biblioteca Bíblica

JOSUÉ, ESTUDOS BIBLICOS, EVANGELHO

Josué

[Forma abreviada de Jeosué, que significa “Jeová É Salvação”].

1. Filho de Num; efraimita que ministrava a Moisés e mais tarde foi designado seu sucessor. (Êx 33:11; De 34:9; Jos 1:1, 2) As Escrituras retratam Josué como líder intrépido e destemido, que confiava na certeza das promessas de Yehowah, obedecia à direção divina e estava determinado a servir a Deus em fidelidade. Seu nome original era Oseias, mas Moisés o chamava de Josué ou Jeosué. (Núm 13:8, 16) O registro bíblico, porém, não revela exatamente quando Oseias passou a ser conhecido como Josué.

Lidera a Luta Contra os Amalequitas. No ano 1513 AEC, quando os israelitas estavam acampados em Refidim, pouco depois da sua milagrosa libertação da potência militar egípcia no mar Vermelho, os amalequitas lançaram um ataque não provocado contra eles. Josué foi então designado por Moisés para ser o comandante na luta contra os amalequitas. Sob a hábil liderança dele, os israelitas, com ajuda divina, derrotaram o adversário. Subsequentemente, Jeová decretou a derradeira aniquilação dos amalequitas, mandando que Moisés fizesse um registro escrito disso e o propusesse a Josué. — Êx 17:8-16.

§1. Serve Como Ajudante de Moisés:


Mais tarde, junto ao monte Sinai, Josué, como ajudante de Moisés, provavelmente era um dos 70 anciãos que tiveram o privilégio de observar a magnífica visão da glória de Yehowah. Depois, Josué acompanhou Moisés parte do caminho monte Sinai acima, mas, pelo que parece, não entrou na nuvem, visto que se ordenou que apenas Moisés o fizesse. (Êx 24:9-18) Tanto ele como Moisés permaneceram no monte Sinai por 40 dias e 40 noites. Ao fim deste período, ao descer do monte Sinai junto com Moisés, Josué confundiu o som do canto de Israel relacionado com a sua idólatra adoração do bezerro com “um barulho de batalha”. Sem dúvida, compartilhou com Moisés a indignação quando chegou a ver o bezerro de ouro, e talvez até mesmo ajudasse na sua destruição. — Êx 32:15-20.

Os israelitas, por se empenharem na adoração do bezerro, violaram o pacto solene que haviam feito com Deus. Isto talvez fosse o que induziu Moisés a mudar sua tenda (a “tenda de reunião”) da área em que o povo estava acampado, visto que Deus ainda não lhes perdoara o seu pecado, e, portanto, não estava mais no meio deles. Talvez para impedir que os israelitas entrassem na tenda de reunião numa condição impura, Josué ficava ali sempre que Moisés retornava ao acampamento israelita. — Êx 33:7-11; 34:9.

Numa ocasião posterior, quando Moisés, por causa dos resmungos do povo, achava que sua carga era pesada demais, Yehowah mandou que ele escolhesse 70 anciãos para ajudá-lo. Estes anciãos deviam então ir à tenda de reunião. Mas dois deles, Eldade e Medade, sem dúvida por motivos válidos, permaneceram no acampamento. Quando o espírito de Deus passou a operar nos 68 reunidos na tenda de reunião, Eldade e Medade também começaram a proceder como profetas no acampamento. A notícia disso foi logo levada a Moisés. Então, Josué, sentindo ciúmes pelo seu senhor, instou que Moisés os reprimisse. Visto que Eldade e Medade, aparentemente, receberam o espírito separado da mediação de Moisés, Josué talvez achasse que isto detraía da autoridade do seu senhor. Mas, Moisés corrigiu Josué, dizendo: “Quisera eu que todo o povo de Yehowah fosse profeta, porque Yehowah poria seu Espírito sobre eles!” — Núm 11:10-29; compare isso com Mr 9:38, 39.

§2. Espia a Terra da Promessa:


Foi algum tempo depois disso que os israelitas acamparam no ermo de Parã. Moisés enviou dali 12 homens para espiar a Terra da Promessa, sendo um deles Josué (Oséias, ou Jeosué). Quarenta dias depois, somente Josué e Calebe apresentaram um relatório favorável. Os outros dez espias desanimaram o povo, afirmando que Israel nunca poderia esperar derrotar os poderosos habitantes de Canaã. Em conseqüência disso, irromperam resmungos rebeldes no acampamento. Josué e Calebe rasgaram então suas vestes, e, ao tentarem mitigar os temores do povo, acautelaram-no contra a rebelião. Mas as suas palavras corajosas, que refletiam plena confiança na capacidade de Yehowah, de cumprir Sua palavra, de nada adiantaram. De fato, “toda a assembléia falava em atirar pedras neles”. — Núm 13:2, 3, 8, 16, 25-14:10.

Por causa da rebelião dos israelitas, Yehowah sentenciou-os a perambular no ermo por 40 anos, até que todos os varões registrados (não incluindo os levitas, que não estavam registrados entre os outros israelitas para serviço militar; Núm 1:2, 3, 47), de 20 anos para cima, tivessem morrido. Dentre os varões registrados, apenas Josué e Calebe entrariam na Terra da Promessa, ao passo que os dez espias infiéis haviam de morrer do flagelo da parte de Jeová. — Núm 14:27-38; compare isso com Núm 26:65; 32:11, 12.

§3. Designado Sucessor de Moisés:


Perto do fim da peregrinação de Israel no ermo, Moisés e Arão, por deixarem de santificar a Yehowah quanto à milagrosa provisão de água em Cades, também perderam o privilégio de entrar na Terra da Promessa. (Núm 20:1-13) Por isso, Jeová mandou que Moisés comissionasse Josué como seu sucessor. Na própria presença do filho de Arão, Eleazar, o novo sumo sacerdote, e diante da assembléia de Israel, Moisés impôs as mãos em Josué. Embora designado sucessor de Moisés, Josué não seria igual a ele em conhecer a Yehowah “face a face”. Não se transferiu toda a dignidade de Moisés para Josué, mas apenas a necessária para que fosse respeitado pela nação. Em vez de ter a comunicação mais direta que Moisés usufruíra com Yehowah, como que de “face a face”, Josué devia consultar o sumo sacerdote, a quem se confiaram o Urim e o Tumim, por meio dos quais se podia saber a vontade divina. — Núm 27:18-23; De 1:37, 38; 31:3; 34:9, 10.

Conforme divinamente orientado, Moisés deu a Josué certas instruções e encorajamento, para que pudesse plenamente desincumbir-se da sua comissão. (De 3:21, 22, 28; 31:7, 8) Por fim, quando se aproximava da sua morte, Moisés devia postar-se com Josué na tenda de reunião. Yehowah comissionou então Josué, confirmando a designação anteriormente feita pela imposição das mãos de Moisés. (De 31:14, 15, 23) Consequentimente, Josué participou de algum modo em escrever e em ensinar aos israelitas o cântico dado a Moisés por inspiração. — De 31:19; 32:44.

§4. Atividades Como Sucessor de Moisés:


Após a morte de Moisés, Josué preparou a entrada na Terra da Promessa. Despachou oficiais para instruírem os israelitas a aprontar-se para a travessia do Jordão daí a três dias; lembrou aos gaditas, aos rubenitas e à meia tribo de Manassés a sua obrigação de ajudar na conquista da terra; e enviou dois homens para espionar Jericó e a região circunvizinha. — Jos 1:1-2:1.

Depois do retorno dos dois espias, os israelitas partiram de Sitim e acamparam perto do Jordão. No dia seguinte, Yehowah represou milagrosamente o Jordão, permitindo que a nação o atravessasse em solo seco. Para comemorar este evento, Josué erigiu 12 pedras no meio do leito do rio, e 12 pedras em Gilgal, o primeiro acampamento de Israel ao O do Jordão. Fez também facas de pederneira para a circuncisão de todos os varões israelitas nascidos no ermo. Assim, uns quatro dias depois, estavam em condições de celebrar a Páscoa. — Jos 2:23-5:11.

Depois, perto de Jericó, Josué encontrou-se com um príncipe angélico, do qual recebeu instruções sobre como tomar aquela cidade. Josué tratou do assunto concordemente, e, depois de devotar Jericó à destruição, proferiu uma maldição profética sobre quem a reconstruísse no futuro, a qual se cumpriu mais de 500 anos depois. (Jos 5:13-6:26; 1Rs 16:34) A seguir, avançou contra Ai. No começo, a força israelita de uns 3.000 homens sofreu derrota, por Yehowah ter retirado sua ajuda, visto que Acã desobedientemente tomara despojos de Jericó para uso pessoal. Depois de Israel ter apedrejado Acã e sua família por este pecado, Josué usou uma emboscada contra Ai e reduziu a cidade a um montão desolado. — Jos 7:1-8:29.

Foi então que toda a congregação de Israel, inclusive mulheres, crianças e residentes forasteiros, foram para a vizinhança do monte Ebal. Ali, no monte Ebal, Josué construiu um altar, segundo as especificações delineadas na Lei. Ao passo que metade da congregação ficava em pé defronte do monte Gerizim, e a outra metade defronte do monte Ebal, Josué leu para ela a “lei, a bênção e a invocação do mal”. “Não se mostrou haver palavra alguma de tudo o que Moisés ordenara que Josué não lesse em voz alta.” — Jos 8:30-35.

Depois de retornarem ao acampamento em Gilgal, Josué e os maiorais de Israel tiveram uma visita de mensageiros gibeonitas. Reconhecendo que Yehowah lutava pelos israelitas, os gibeonitas, por meio dum truque, conseguiram concluir um pacto de paz com Josué. Contudo, quando os fatos reais se tornaram conhecidos, Josué fez deles escravos. A notícia do que os gibeonitas tinham feito chegou também a Adoni-Zedeque, rei de Jerusalém. Por este motivo, ele e mais quatro reis cananeus empreenderam uma expedição punitiva contra eles. Atendendo um apelo por ajuda dos gibeonitas, Josué empreendeu uma marcha noturna desde Gilgal. Yehowah lutou então a favor de Israel em defesa dos gibeonitas, indicando que ele não desaprovara o pacto anteriormente feito com eles. Mais das forças inimigas pereceram em resultado duma milagrosa saraivada do que na própria guerra. Jeová até mesmo escutou a voz de Josué, prolongando as horas da luz do dia para a batalha. — Jos 9:3-10:14.

Josué deu seguimento a esta vitória dada por Deus por capturar Maquedá, Libna, Laquis, Eglom, Hébron e Debir, quebrantando assim o poder dos cananeus na parte meridional do país. A seguir, os reis cananeus setentrionais, sob a liderança de Jabim, rei de Hazor, reuniram suas forças junto às águas de Merom para lutar contra Israel. Embora confrontado com cavalos e carros, Josué foi divinamente encorajado a não ter medo. Novamente, Yehowah concedeu aos israelitas a vitória. Josué, segundo instruído, jarretou os cavalos e queimou os carros do inimigo. A própria Hazor foi incendiada. (Jos 10:16-11:23) Assim, num período de cerca de seis anos (veja Núm 10:11; 13:2, 6; 14:34-38; Jos 14:6-10), Josué derrotou 31 reis e subjugou grandes partes da Terra Prometida. — Jos 12:7-24.

Chegou então o tempo para a distribuição das terras às respectivas tribos. Inicialmente, fez-se isso em Gilgal, sob a supervisão de Josué, do sumo sacerdote Eleazar e mais dez representantes divinamente designados. (Jos 13:7; 14:1, 2, 6; Núm 34:17-29) Depois de se fixar o tabernáculo em Silo, a repartição da terra por sortes prosseguiu ali. (Jos 18:1, 8-10) O próprio Josué recebeu a cidade de Timnate-Sera, na região montanhosa de Efraim. — Jos 19:49, 50.

Admoestação Final aos Israelitas, e Morte. Perto do fim da sua vida, Josué reuniu os anciãos, os cabeças, os juízes e os oficiais de Israel, admoestando-os a servir a Yehowah em fidelidade e advertindo-os das conseqüências da desobediência. (Jos 23:1-16) Convocou também toda a congregação de Israel, recapitulando os tratos passados de Yehowah com os antepassados deles e com a nação, e exortando-os então a servirem a Yehowah. Josué disse: “Agora, se for mau aos vossos olhos servir a Yehowah, escolhei hoje para vós a quem servireis, se aos deuses a quem serviram os vossos antepassados que estavam do outro lado do Rio ou aos deuses dos amorreus em cuja terra morais. Mas, quanto a mim e aos da minha casa, serviremos a Yehowah.” (Jos 24:1-15) A seguir, os israelitas renovaram seu pacto de obedecer a Deus. — Jos 24:16-28.

Josué faleceu à idade de 110 anos e foi sepultado em Timnate-Sera. O bom efeito da sua inabalável lealdade a Yehowah evidencia-se no fato de que “Israel continuou a servir a Yehowah todos os dias de Josué e todos os dias dos anciãos que prolongaram seus dias depois de Josué”. — Jos 24:29-31; Jz 2:7-9.

2. Dono dum campo em Bete-Semes, onde a Arca sagrada primeiro veio a parar e ficou exposta à vista, depois de ser devolvida pelos filisteus. — 1Sa 6:14, 18.

3. Principal de Jerusalém, no tempo do Rei Josias. Parece que os altos usados para adoração falsa ficavam perto da residência de Josué, mas Josias mandou demoli-los. — 2Rs 23:8.

4. Filho de Jeozadaque; primeiro sumo sacerdote a servir os israelitas repatriados após o seu retorno do exílio babilônico. (Ag 1:1, 12, 14; 2:2-4; Za 3:1-9; 6:11) Nos livros bíblicos de Esdras e Neemias, ele é chamado Jesua.

Um comentário:

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos