quinta-feira, 2 de julho de 2009

gênesis, livro de gênesis, estudos bíblicos
“OS CRIACIONISTAS CIENTÍFICOS” afirmam que, de acordo com o livro bíblico de Gênesis, o universo foi criado por Deus há menos de dez mil anos. Afirmam também que a Terra e suas formas de vida foram criadas em seis dias literais de 24 horas.

Por outro lado, os conceitos evolucionistas são de que Gênesis é um mito. Ensinam que o universo e a Terra, com todas as suas coisas vivas, são produto dum processo evolucionista casual que se alonga por bilhões de anos.

No entanto, há muitos que não se conformam com nenhuma destas duas teorias. Partes da teoria científico-criacionista parecem contradizer o senso comum e também são contrárias à evidência que podemos ver por nós mesmos em toda a natureza. Todavia, muitos acham difícil de aceitar a idéia de que a vida, com toda a sua maravilhosa complexidade, seja mero produto de forças evolucionárias cegas. São estes dois conceitos, então, as únicas alternativas?

Não. Existe um terceiro conceito. É o que o próprio livro bíblico de Gênesis realmente diz. Consideremos esta terceira alternativa.

I. A Explicação de Gênesis

As palavras iniciais de Gênesis nos dizem: “No princípio Deus criou os céus e a terra.” (Gênesis 1:1) Será que tais palavras de Gênesis afirmam que isto aconteceu há cerca de dez mil anos? Não, não se fornece nenhum período de tempo. O “princípio” poderia, por conseguinte, ter acontecido há bilhões de anos.

No entanto, bem no “princípio”, a Bíblia coloca um ser inteligente, o Criador, no controle da obra criativa. Embora muitos cientistas não apreciem esta idéia, ela se harmoniza com as conclusões de alguns astrônomos, de que o universo teve deveras um princípio, que ele é muito bem ordenado, e que é governado por leis definidas. Um arranjo ordeiro, baseado na lei, somente pode proceder de uma mente inteligente. Ao passo que a ciência tem explicado muitas destas leis a nós, apenas Gênesis nos introduz ao Legislador.

O relato de Gênesis prossegue delineando a seguir os famosos seis “dias” da criação. Tais dias, porém, não eram o tempo durante o qual a matéria da Terra e do universo foi criada. Isso já havia acontecido “no princípio”. Os seis dias da criação foram, ao invés, os períodos de tempo durante os quais a Terra primordial, inóspita, foi lentamente adaptada para habitação.

Foi cada um daqueles seis dias um dia literal de 24 horas? Não é isso que Gênesis diz. A palavra “dia” em hebraico (a língua em que Gênesis foi escrito) pode significar longos períodos de tempo, até mesmo milhares de anos. (Compare com o Salmo 90:4; Gênesis 2:4.) Por exemplo, “o sétimo dia”, em que agora vivemos, tem milhares de anos de duração. (Gênesis 2:2, 3) Assim sendo, a evidência mostra que o inteiro período de seis dias deve ser encarado como durando dezenas de milhares de anos.

II. “Segundo as Suas espécies”

A ordem das seis épocas criativas mostra, em seqüência, a água, a terra, a luz, a atmosfera, as plantas, os peixes, as aves, os animais, e, por fim, os humanos. (Gênesis 1:3-27) Esta ordem de desenvolvimento concorda, em geral, com a ordem descoberta pelos cientistas.

Mas, uma notável declaração aparece repetidas vezes no relato, em Gênesis, capítulo 1. Por exemplo, a respeito do quinto dia criativo, Gênesis 1:21 nos diz: “E Deus passou a criar os grandes monstros marinhos e toda alma vivente que se move, que as águas produziram em enxames segundo as suas espécies.” A respeito do sexto dia, o versículo 24 reza: “Produza a terra almas viventes segundo as suas espécies, animal doméstico e animal movente, e animal selvático da terra segundo a sua espécie.”

Por isso, foram as espécies de animais que foram criadas, e não cada espécie individual. Mas as várias “espécies” foram criadas de forma separada e não descendem umas das outras. No âmbito de cada “espécie” poderia haver grande variedade, como vemos na “espécie” de gatos, ou na “espécie” dos cães, ou na “espécie” humana.

Contudo, os fatores genéticos implantados pelo Criador conservariam sempre tais “espécies” separadas umas das outras. É por isso que um gato e um cão não podem acasalar-se e iniciar outra forma de vida.

Na verdade, isto contradiz a teoria evolucionista. Mas não contradiz nenhum fato observado. Ao passo que os animais produzem grande variedade no âmbito de sua “espécie”, ninguém conseguiu documentar que uma “espécie” de animal tenha reproduzido, ou evoluído em outra “espécie”.

Mas que dizer das semelhanças estruturais existentes entre certas espécies de animais? Tais semelhanças são compreensíveis quando consideramos que todas as espécies são o produto dum único Criador e que elas foram projetadas à base das mesmas matérias da Terra, para viverem num meio ambiente similar.

Adicionalmente, Gênesis provê uma resposta para um problema que os cientistas não conseguem resolver: De onde proveio a vida? Os cientistas tentam responder a esta pergunta com várias teorias, mas, na verdade, não conseguem. E a dura realidade que tem sido repetidas vezes demonstrada nos laboratórios científicos é de que a vida só pode proceder de outra vida preexistente, e da mesma “espécie” de vida.

Gênesis também nos diz que a vida é mais antiga do que o universo, e que toda outra vida, no céu e na Terra, procedeu da original Fonte da vida, o todo-poderoso Criador, que diz que seu nome é Yehowah. A ciência não consegue apresentar uma explicação melhor, uma que se harmonize com todos os fatos científicos que podemos observar. − Salmo 36:9; 83:18; Isaías 42:8; Apocalipse 4:11.

III. O Princípio do Homem

A obra criativa final na Terra, segundo Gênesis, foi o próprio homem: “E Yehowah Deus passou a formar o homem do pó do solo e a soprar nas suas narinas o fôlego da vida, e o homem veio a ser uma alma vivente.” (Gênesis 2:7) Os cientistas também consideram o homem um retardatário, em comparação com outras formas de vida.

No entanto, este texto deveras contradiz a crença da maioria dos criacionistas-científicos de que o homem tenha uma alma imortal separada e distinta de seu corpo. Diz-se que tal alma se separa do corpo após a morte. Todavia, Gênesis, bem como muitas outras partes das Escrituras, mostra que o homem não tem uma alma como algo imaterial que resida nele. Antes, ele é uma alma. Por ocasião da morte, o homem passa a não mais existir, aguardando uma ressurreição. (Eclesiastes 9:5, 10; João 5:28, 29; Atos 24:15; Apocalipse 20:12, 13) A Bíblia assemelha a morte a um sono do qual a pessoa pode ser despertada na ressurreição. − João 11:11, 43, 44.

A declaração em Gênesis 2:7 também contradiz a teoria da evolução em outro sentido. Mostra claramente que o homem foi criado de forma direta por Deus, e que ele não descendeu dos animais.

É crível a declaração de Gênesis? Bem, a ciência não produziu nenhuma prova de que o homem tenha descendido de animais. Não existe prova de que os fósseis simiescos escavados na África e em outras partes do mundo fossem, em qualquer sentido, de ancestrais do homem. Deveras, se tais criaturas simiescas estivessem vivas hoje, é provável que seriam colocadas nos zoológicos, junto com outras criaturas simiescas. Quaisquer fósseis relacionados bem de perto com os humanos, quer na estrutura óssea, quer no tamanho, eram provavelmente apenas um mero ramo da família humana.

Também, a relação do homem com o “pó do solo”, como Gênesis se expressa, é indisputável. Todas as substâncias químicas que compõem o corpo humano são encontradas no “pó do solo”. Com efeito, o homem depende deste “pó“ para continuar a existir. Ele sustenta e regenera seu corpo com o alimento composto de nutrientes que se encontram no “pó do solo”, processado através de plantas e de animais que ele ingere.

IV. Selvagem − Ou Filho de Deus?

Outra descrição da criação do homem se encontra em Gênesis 1:26. Ali, Deus diz: “Façamos o homem à nossa imagem, segundo a nossa semelhança, e tenham eles em sujeição os peixes do mar, e as criaturas voadoras dos céus, e os animais domésticos, e toda a terra, e todo animal movente que se move sobre a terra.” (Gênesis 1:26) Visto que a Bíblia nos diz que Deus é um espírito, a frase “à nossa imagem” tem de ser entendida como significando possuir ele as qualidades de Deus.

Esta declaração explica, num sentido que a evolução jamais poderia explicar, por que o homem difere tanto dos animais. Apenas o homem consegue controlar os animais e a vegetação em sua volta. Apenas o homem possui um senso moral, e uma consciência. Apenas o homem possui ampla liberdade de escolha e uma inteligência tão desenvolvida. Apenas o homem possui a capacidade de conceber a existência de Deus, e possui a dádiva da linguagem com a qual pode falar com Ele. Afirma a Journal of Semitic Studies (Revista de Estudos Semíticos): “A linguagem humana é um segredo; é um dom divino.”

Os evolucionistas representam os primeiros humanos como brutais e selvagens. Sem dúvida, muita selvageria foi cometida por alguns dos primeiros membros da raça humana. Mas o homem moderno também tem cometido selvagerias, como testificam os cem milhões de mortes ocorridas nas guerras deste século. Até o dia de hoje, ele se comporta selvagemente! Todavia, a Bíblia mostra que o potencial moral e intelectual do homem primitivo não era inferior ao do homem moderno. (Compare com Gênesis 4:20-22; 5:22; 6:9.) Isto não contradiz os fatos observados. Tome-se, por exemplo, as pinturas dos chamados homens pré-históricos, encontradas nos muros da gruta de Lascaux, na França. A sensitividade e os dotes artísticos revelados em tais pinturas suscitam muita admiração, até mesmo hoje em dia.

V. Real Significado de Gênesis

Assim, os capítulos iniciais de Gênesis fornecem um lampejo do começo das coisas. No entanto, Gênesis não é um compêndio científico pormenorizado, nem se tencionava que fosse. As informações que contém demonstram uma finalidade mais profunda.

Por exemplo, Gênesis mostra que a felicidade do homem dependia de ele continuar cooperando com os propósitos de seu Criador. Mas quando o homem se recusou a reconhecer esta obrigação e se rebelou contra os arranjos de Deus, ele perdeu a felicidade original e decaiu rapidamente no pecado e na morte, e na selvageria que ainda presenciamos. − Gênesis 3:1-18; Deuteronômio 32:4, 5.

Os primeiros capítulos de Gênesis mostram, contudo, que imediatamente depois da rebelião do homem, Deus deu o primeiro passo em seu propósito de longo alcance para restaurar a humanidade à sua felicidade original. Um “descendente” viria para contrabalançar os maus efeitos do pecado do homem. (Gênesis 3:15) Quem seria este Descendente é um dos temas destacados de grande parte do restante da Bíblia. E, depois de registrar que o Descendente deveras veio, por fim, na pessoa do Messias, Jesus, a Bíblia passa a descrever como os arranjos que Deus fez, focalizando-se em Jesus, por fim inverteriam o trágico proceder que os humanos têm tomado. Também descreve como a Terra toda será transformada num paraíso habitado por humanos perfeitos, um paraíso em que a guerra, a violência, o crime, a infelicidade, e até mesmo a doença e a morte, jamais afligirão de novo a família humana. − Salmo 46:9; Apocalipse 21:4, 5.

Sim, Gênesis é muito mais do que apenas a história da criação. Lança a base para toda a história da humanidade − a passada, a presente e a futura. Grande parte da história, e a própria vida, é incompreensível se omitirmos aqueles importantes primeiros passos. Deveras, pomos em risco o nosso futuro caso ignoremos o que Gênesis realmente diz. − 1 João 2:15-17.

3 comentários:

  1. DEUS é o nosso criador quer você quera quer não.

    ResponderExcluir
  2. MUITA COISA BOA E MUITA COISA QUE NUM BATE COM AS ESCRITURAS. EX: NO FINAL DO TEXTO FOI COLOCADO QUE CORPO E ALMA NÃO SÃO COISAS DISTINTAS, MAS DE UMA LIDA E VERÁ QUE NÃO É BEM ASSIM. HÁ A EXPLICAÇÃO DE VOCÊS COLOCANDO COLOCADA DENTRO DAS ESCRITURAS EM NENHUM MOMENTO CONFIRMA O QUE FOI COLOCADO. Graça e Paz minha irmã.
    Esta e uma doutrina chamada de Tricotomia, que na qual o homem e formado de corpo, alma e espírito.
    1 Tessalonicenses 5.23 diz ( O mesmo Deus da paz vos santifique em tudo, e o vosso espírito, alma e corpo sejam conservados íntegros e irrepreensíveis na vina de nosso Senhor Jesus Cristo ).
    CORPO: E algo material, carnal e visível aos nossos olhos e não e um espírito ou alma.
    ALMA: Esta e a parte não-material e imortal do ser humano ( Mateus 10.28 ), tem sede da consciência própria, da razão, dos sentimentos e das emoções ( Gênesis 42.21 ).
    ESPÍRITO: Esta e a parte também não-material, mais racional e inteligente do ser humano ( Gênesis 45.27; Romanos 8.16 ).
    Poder ser a essência da natureza divina ( João 4.24 ).
    Pode ser um espírito não-material que prejudica as pessoas ( Mateus 12.45 ) ou um espírito bondoso que ajuda as pessoas ( Hebreus 1.14 ) ou também princípio que norteia as pessoas ( 2 Coríntios 4.13; Efésios 1.17 ).
    Devemos entender que quando uma pessoa se torna um verdadeiro cristão, o seu espírito recebe uma nova vida.
    Romanos 8.10 diz ( Se, porém Cristo está em vós, o corpo na verdade esta morto por causa do pecado, mas o espírito e vida por causa da justiça ).
    O espírito não e algo morto em um descrente, mas recebe vida quando a pessoa professa a sua fé em Cristo.
    1 Pedro 1.22; Apocalipse 18.14.
    Nas passagens Bíblicas supracitadas, podemos observar que tanto o espírito ou a alma do homem poderá induzí-lo a pecar.
    Paz do Senhor.

    ResponderExcluir

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos