quarta-feira, 1 de julho de 2009

EFÉSIOS, CARTA, EPÍSTOLA, LIVRO, TEOLOGIAUma abordagem por M.H Willian

“Grande é a Ártemis dos efésios!” Pode imaginar um teatro com capacidade para vinte e cinco mil espectadores, lotado de pessoas tomadas de fúria religiosa, que gritaram a frase acima durante duas horas? Pois aconteceu. — Atos 19:28, 34.

Por que tal fervor intenso? Quem era Ártemis? Ora, quem eram os efésios? Quem lhes enviou uma carta — e por quê?

I. ANTIGO CENTRO RELIGIOSO

Éfeso era uma das cidades mais proeminentes do primeiro século de nossa Era Comum, com uma população calculada de mais de 250.000 habitantes. A cidade era um rico centro de comércio e cultura, mas não era simplesmente a riqueza, o clima ameno e a beleza da região que atraía as multidões. Éfeso era um centro religioso do mundo antigo e ostentava um templo tão grande que foi chamado uma das sete maravilhas do mundo.

A deusa Ártemis, ou Diana, era adorada nesse suntuoso templo, onde se diz que foi usado ouro para juntar os blocos de mármore. Havia ocasiões em que tantas quantas setecentas mil pessoas de Éfeso e de países distantes se alinhavam nas ruas enquanto a “deusa-virgem” era levada em desfile pela cidade. A fabricação e a venda de imagens de prata dessa deusa da fertilidade, de múltiplos seios, era um próspero negócio em Éfeso. — Atos 19:24, 25.

Foi numa cidade desse tipo que o homem Paulo chegou pregando o cristianismo aos efésios. Ele fora comissionado por Jesus Cristo para ser “apóstolo para as nações”. (Romanos 11:13) Formou-se uma congregação em Éfeso e esta cresceu rapidamente. Os novatos se desfizeram logo de suas imagens e de seus livros de magia. (Atos 19:19) Visto que essa nova religião em rápido desenvolvimento, se opunha ao uso de imagens, Demétrio, o prateiro, incitou o povo quase a um motim, resultando em clamarem: “Grande é a Ártemis dos efésios!”

A congregação efésia fora essencialmente formada por Paulo, o escritor da carta. Era uma congregação constituída primariamente de gentios, isto é, não-judeus ou pessoas das nações. (Efésios 3:1) Os em Éfeso que se tornaram cristãos haviam abandonado uma degradante forma de adoração. — Efésios 4:17-19.

II. RESTAURAÇÃO DA UNIDADE E DA PAZ

De Roma, Paulo escreveu aos efésios enquanto estava na prisão, por volta do ano 60 ou 61 EC. (Efésios 1:1; 6:20) Perto do início da carta, ele provê um relato do grandioso propósito de Deus de restaurar a unidade e a paz, conforme delineado nas Escrituras. Torna-se o ponto focal em torno do qual revolve o restante da carta. Paulo escreveu: “[Deus] nos [fez] saber o segredo sagrado de sua vontade. É segundo o seu beneplácito, que ele se propôs em si mesmo, para uma administração no pleno limite dos tempos designados, a saber, ajuntar novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra.” (Efésios 1:9, 10) Conforme é mostrado aqui, era da vontade de Deus endireitar todos os erros que haviam ocorrido em todo o universo por causa da rebelião de Satanás.

Paulo queria que esses cristãos efésios gentios entendessem o pleno significado do indescritível privilégio que tinham de estar tão intimamente envolvidos na realização da vontade de Deus. Portanto, imediatamente após sua saudação introdutória, Paulo salientou a situação privilegiada deles. Tornaram-se parte dum grupo que Deus havia escolhido “antes da fundação do mundo” para estar com Cristo em seu Reino celestial. — Efésios 1:3-7.

Realmente, que privilégio era para os efésios gentios, certa vez “apartados” e “sem Deus no mundo”, usufruir a perspectiva, junto com os judeus, de se tornarem governantes celestiais junto com Cristo no Reino de Deus! Esse era o “segredo sagrado” a que Paulo repetidas vezes se referiu na carta, “a saber, que os das nações haviam de ser co-herdeiros e membros associados do corpo, e co-participantes conosco da promessa, em união com Cristo Jesus”. — Efésios 2:11-13; 3:3-6.

Portanto, a carta aos efésios revela que é do propósito de Deus restabelecer a unidade e a paz em todo o universo. Conforme escreveu Paulo, Deus ‘ajuntará novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra’. A verdadeira unidade em todo o universo só existia antes da rebelião de Satanás. Mas, por meio da “administração” de Deus, isto é, sua direção ou manejo dos assuntos, tal unidade será novamente estabelecida.

Por aceitarem a Cristo como seu resgatador, “as coisas nos céus” — isto é, aqueles adotados para ser filhos celestiais — ‘são ajuntadas novamente no Cristo’. Entretanto, em harmonia com o propósito de Deus, tem de chegar o tempo devido para a realização do segundo aspecto de Sua “administração”, a saber, ajuntar “as coisas na terra”. Isso ocorre durante a presença de Cristo no poder do Reino, quando ele reúne suas “outras ovelhas”, destinadas a viver na terra sob o Reino celestial. — João 10:16.

Prosseguindo nesse tema, Paulo mostra como todos na ‘congregação, a qual é o corpo de Cristo’, precisam buscar a paz e a unidade. (Efésios 1:22, 23) Assim, não mais deve haver distinção entre judeu e gentio, entre a circuncisão e a incircuncisão. Todos precisam estar dispostos a trabalhar em prol da unidade e da paz. — Efésios 2:11.

Ao todo, Paulo usa a palavra “união” 13 vezes nessa carta, mais do que em qualquer outra carta sua. E ele usa a palavra “paz” oito vezes, mais do que em qualquer outra carta, exceto a carta aos romanos. Podemos compreender melhor a necessidade de se enfatizar a unidade e a paz quando reconhecemos as nítidas diferenças que haviam existido durante séculos entre os judeus e os gentios. (Atos 10:28) Paulo enfatiza o importante papel desempenhado por Cristo nessa questão. “Pois ele é a nossa paz”, diz Paulo, “aquele que das duas partes fez uma só e que destruiu o muro [a Lei de Moisés] no meio, que os separava”. — Efésios 2:14.

III. EMPENHO PELA PAZ E PELA UNIDADE

Os últimos três capítulos da carta de Paulo consideram situações e provêem conselhos que contribuiriam para a paz e a unidade nas situações imediatas daqueles efésios. E como se pode conseguir a paz e a unidade? É vital a aplicação do amor. Para enfatizar isso, Paulo usa “amor” e “amar” 19 vezes, com mais freqüência do que em qualquer outra de suas cartas! Assim, ele nos exorta a ‘suportar uns aos outros em amor, diligenciando observar a unidade do espírito no vínculo unificador da paz’. — Efésios 4:2, 3

Paulo prossegue descrevendo as provisões de Deus para a atividade unificada. Conforme ele diz, Deus “deu alguns como apóstolos, alguns como profetas, alguns como evangelizadores, alguns como pastores e instrutores . . . até que todos alcancemos a unidade na fé”. Daí, Paulo usa a ilustração das ações unificadas do corpo humano, que produzem “o desenvolvimento do corpo para a edificação de si mesmo em amor”. — Efésios 4:11-16.

Portanto, as coisas que rompem a paz e a união precisam ser agora evitadas. Estas incluem falar falsidade, ser furiosos ou preguiçosos, e falarmos palavras pervertidas em vez de palavras que são boas e edificantes. O roubo era realmente incentivado em Éfeso, visto que o ladrão podia fugir para o templo de Ártemis e escapar de ser preso. Mas Paulo disse: “O gatuno não furte mais.” — Efésios 4:25-30.

Imagine só como a aplicação da seguinte admoestação de Paulo contribuiria para a paz e a união: “Sejam tirados dentre vós toda a amargura maldosa, e ira, e furor, e brado, e linguagem ultrajante, junto com toda a maldade. Mas, tornai-vos benignos uns para com os outros, ternamente compassivos, perdoando-vos liberalmente uns aos outros, assim como também Deus vos perdoou liberalmente por Cristo.” — Efésios 4:31, 32

A fornicação, a impureza, a ganância, a conduta vergonhosa, a conversa tola, os gestos obscenos, a bebedice — todas essas coisas levam a problemas não só com seus semelhantes, mas também com Deus. Portanto, Paulo exortou: “Cessai de compartilhar com eles [as pessoas das nações] nas obras infrutíferas que pertencem à escuridão.” “Mantende estrita vigilância para não andardes como néscios, mas como sábios . . . porque os dias são iníquos.” — Efésios 5:1-20.

Paulo explica que seguir o exemplo amoroso de Cristo e os conselhos da Palavra de Deus produz paz nas famílias. Ele frisa também como empregados e patrões podem dar-se bem por se lembrarem de suas obrigações para com Deus. (Efésios 5:21 a 6:9) Todavia, é preciso entender que aquele que primeiro rompeu a paz e a união universais, Satanás, o Diabo, se oporá vigorosamente a todos os esforços dos cristãos de fazerem a vontade de Deus. Portanto, precisam ‘tomar a armadura completa de Deus’ para resistir com êxito ao Diabo e aos seus demônios. — Efésios 6:10-18.

Quando consideramos tudo o que o livro contém, quão gratos ficamos a Deus por ter inspirado Paulo a escrever a carta aos efésios! Sua carta tem sido elogiada por muitos eruditos, um dos quais a descreveu como “abrangendo em sua concisão o campo inteiro da religião cristã”. Ela não só expõe o grandioso propósito de Deus de endireitar o erro em todo o universo, mas também fornece muitos conselhos e admoestações práticos para ajudar-nos a servir a Deus de tal modo que possamos granjear seu favor e sua bênção eternos.

2 comentários:

  1. tremendo...Paulo realmente tinha uma percepsao muito agusada do espirito de Deus ,para contender com o povo de efesio,um povo idolatra,ganacioso,e arrogante.

    ResponderExcluir
  2. Pr.carlos pessoa,As 4 quatro cartas de Efésio, são verdadeira dotrina para amada igrejas na atualidade,servimdo para qualquer tempo palavras fortes e seguras para todos os cristão mediatar de dia e de noite. até Jesus voltar!

    ResponderExcluir

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos