quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Postado por Eduardo G. Junior Em , | 2 comments

PARÁBOLA, PALAVRA, TERMO, SIGNIFICADOEmbora estejamos inclinados a limitar o significado de parábola às parábolas de Jesus encontradas nos três primeiros evangelhos, na verdade o vocábulo tem uma flexibilidade de emprego, pois abarca diferentes aspectos da linguagem figurada, como os símiles, as comparações, os ditados, os provérbios e assim por diante.

No AT a palavra hebraica traduzida por parábola é mashal, que significa provérbio, analogia e parábola. Com ampla gama de empregos, essa palavra “cobre diversas formas de comunicação feitas de modo pitoresco e sugestivo — todas aquelas em que as idéias são apresentadas numa roupagem figurada. Em virtude de sua aplicação ser tão variada, encontra-se na versão portuguesa diferentes traduções”. A idéia central de mashal é “ser como” e muitas vezes refere-se a “frases constituídas em forma de parábola”, característica da poesia hebraica. O vocábulo nunca é usado no sentido técnico e específico de seu correspondente neotestamentário.
Pode ser encontrado no discurso figurado de Balaão:

Então proferiu Balaão a sua palavra... (Nm 23:7,18; 24:3,15).

O mesmo termo é usado em ditados proverbiais curtos e substanciais:

Pelo que se tornou em provérbio: Está também Saul entre os profetas? (ISm 10:12).

Salmond observa que “nesse sentido a palavra é usada em referência às máximas de sabedoria contidas no livro conhecido como Provérbios”; essas máximas se apresentam em larga medida na forma de comparação, como quando se diz:

Os tesouros da impiedade de nada aproveitam, mas a justiça livra da morte (10:2).

Mashal é o termo traduzido por provérbios em 1:1, em 10:1 e na frase:

... assim é o provérbio na boca dos tolos (26:7,9; v. lRs 4:32).

Também é usado com respeito à frase de sabedoria ética de Jó:

Prosseguiu Jó em seu discurso... (27:1; 29:1).

É também usado em referência aos ditados obscuros, declarações enigmáticas e enigmas:

... decifrarei o meu enigma na harpa (Sl 49:4);

... proporei enigmas da antiguidade (Sl 78:2).

E usado ainda como correspondente de figura ou alegoria:

Fala aos filhos de Israel... (Nm 17:2; 24:3).

C. W. Emmet, no Dictionary of the gospels [Dicionário dos evangelhos], organizado por Hastings, observa que “há cinco passagens no AT geralmente citadas como a mais próxima representação da 'parábola' no sentido técnico do termo. Cumpre salientar que em nenhuma dessas passagens se encontra a palavra parábola. Como já vimos, quando temos a referência não temos o referente (a parábola propriamente dita); de igual modo, quando temos o referente, não encontramos a referência”.

As parábolas de Nata (2Sm 12:1-4) e de Joabe (2Sm 14:6) são um tanto semelhantes, tendo uma história real com uma aplicação forte. A pri¬meira corresponde à Parábola do credor e dos devedores, e a de Joabe traz à mente a Parábola do filho pródigo.

A Parábola do profeta ferido (lRs 20:39) conta com o auxílio de uma dramatização. “Em todas as três parábolas”, diz Emmet, “o objetivo é comunicar a verdade da história e condenar o ouvinte mediante os comentários impensados que saem de sua própria boca”. Nos últimos dois casos, o método talvez inclua a suspeita de trapaça, modalidade não utilizada pelo nosso Senhor; a aplicação da Parábola dos lavradores maus (Mt 21:33) tem sua origem em Isaías 5:1-6.

A Parábola da vinha do Senhor (Is 5:1-7) é verdadeira, embora apenas pouco desenvolvida, e serve de exemplo da relação entre a parábola e a metáfora. A linha divisória entre a parábola e a alegoria é estreita (SI 80:8).

A Parábola do lavrador (Is 28:24-28) apresenta uma comparação entre o mundo natural e o espiritual, e não há narração. Consequentemente, o AT faz grande uso das parábolas, mostrando algumas vezes serem iguais em espírito, em forma e em linguagem, com notáveis semelhanças, às parábolas do NT. Nossa exposição acerca das parábolas do AT revela que podem ser divididas em três classes:

• Narrativas, das quais a das Arvores é um exemplo (Jz 9:7-15);
• Predicantes, conforme a encontrada na da Vinha do Senhor (Is 5:1-7);
• Simbólicas, ilustrada pela Parábola dos dois pedaços de pau (Ez 37:15-22).

No NT, o termo “parábola” assume uma variedade de significados e formas, sem se restringir às longas narrativas dos Evangelhos que conhecemos como parábolas de Cristo. Há no grego duas palavras traduzidas por “parábola”. O termo mais comum é parábola, que ocorre 48 vezes nos evangelhos sinópticos sem nunca encontrar definição. O seu significado só se pode conjecturar, tendo sido aproveitado da Septuaginta, que geralmente traduz o vocábulo hebraico “parábola” por parabolé.

Há sobretudo duas idéias presentes na raiz da primeira palavra, a saber, “representar ou significar algo”; “semelhança ou aparência”. Esse termo grego significa “ao lado de” ou “lançar ou atirar”, transmitindo idéia de proximidade, num cotejamento que visa a verificar o grau de semelhança ou de diferença. Uma “semelhança” ou “pôr uma coisa ao lado da outra”. Certo escritor disse que o vocábulo original significa comandar ou governar, como um príncipe cujos preceitos e ordens de justiça devem ser obedecidos pelo povo.

O outro vocábulo traduzido como “parábola” é paroimia, que significa “adágio, ditado enigmático, provérbio, apresentação que se distingue dos meios normais de comunicação”. Esse termo é praticamente próprio de João, que o usa quatro vezes (Jo 16:6-18,25; 15:1-18). Esse apóstolo nunca usa o primeiro termo, parabolé, que é o único dos dois usados por Mateus, por Marcos e por Lucas. Paroimia, usado na Septuaginta e por João, denota um provérbio (ou parábola) “tirado dos acontecimentos e objetos do dia-a-dia, disponível para o uso público e para esse fim destinado. O que se dizia uma vez em qualquer caso poderia ser repetido sempre nas mesmas circunstâncias”.

Encontra-se flexibilidade no uso do termo “parábola” quando aplicado a ditos proverbiais concisos:

Sem dúvida me direis este provérbio (parábola): Médico, cura-te a ti mesmo (Lc 4:23);

Disse-lhes uma parábola (Lc 6:39; 14:7)

É também usado em referência a comparações ou afirmações ilustrativas sem a presença de narrativa. Por exemplo, o cego conduzindo outro cego: “Explica-nos essa parábola” (Mt 15:15; Lc 6:39). Além disso há ainda a figueira e seu sinal evidente: “Aprendei agora esta parábola da figueira” (Mt 24:32,33). As palavras de Jesus Cristo sobre as coisas que profanam são citadas como parábolas: “Seus discípulos perguntaram-lhe a respeito da parábola" (Lc 7:1-23). Na nossa versão, o termo “parabolé” é traduzido por figura: “... e daí [Abraão] também em figura [parábola] o recobrou” (Hb 11:19).

Muitas das figuras de linguagem usadas por Jesus contêm a semente da parábola. Outras, chamadas parábolas, são simplesmente símiles ou comparações maiores. Pense sobre esta parábola embrionária: “Pode o cego guiar o cego?” (Lc 6:39). Fairbairn diz que precisamos apenas desenvolver esta pequena indicação, para termos uma história perfeita. “Dois cegos são vistos levando um ao outro pela estrada e, depois de lutarem contra as dificuldades, ambos caem no fosso ao lado da estrada”. Nesse provérbio sucinto e ilustrativo de Jesus, temos a substância, embora não a forma, da parábola. Nos episódios acima, os aspectos comuns da vida são empregados para ressaltar uma verdade mais sublime.

Se entendermos o uso dos termos já citados, estaremos prontos para responder à pergunta “O que é exatamente uma parábola?” O que ela não é será compreendido quando examinarmos sua natureza. “O uso constante de um termo com o significado de semelhança, tanto no hebraico como no grego, torna evidente que uma característica essencial da parábola está em unir duas coisas diferentes, de forma que uma ajude a explicar e a ressaltar a outra”. O estudo das parábolas de Cristo nos convence de que eram mais que uma boa escolha de ilustrações acerca da verdade que ele queria transmitir. A parábola já foi explicada como “um símbolo externo de uma realidade interna”. E também o “seu poder está na harmonia expressa entre o mundo natural e o espiritual”. Bond, em The Master Teacher [O maior dos mestres], explica a parábola como “uma figura retórica que traduz, por contrastes e similaridades, as leis e os fatos naturais, empregando os termos da vida espiritual”. A narrativa fiel à natureza ou à vida é usada com o propósito de comunicar verdades espirituais à mente do ouvinte. Certa estudante de escola dominical “chegou quase lá” quando disse que, para ela, a parábola era “uma história terrena com um significado celestial”.

As parábolas demonstram haver harmonia preordenada entre as coisas espirituais e as naturais. Usam-se objetos materiais para expressar" verdades espirituais e revelar que a natureza é mais do que aparenta ser. A natureza é um livro de símbolos — fato que Tertuliano tinha em mente quando escreveu: “Todas as coisas da Natureza são esboços proféticos das operações divinas; Deus não apenas nos conta as parábolas, mas as executa”. Charles Kingsley reforça esse sentimento neste parágrafo: “Este mundo terreno que vemos é um retrato exato, o padrão do mundo espiritual e celestial que não vemos”.

A afirmação de Paulo sobre o mundo visível de Deus, que nos instrui acerca dos mistérios da fé e dos deveres morais, diz: “Pois os atributos invisíveis de Deus, desde a criação do mundo, tanto o seu eterno poder, como a sua divindade, se entendem, e claramente se vêem pelas coisas que foram criadas...” (Rm 1:20).

Incontáveis são os outros testemunhos sobre o fato de que, quando a Bíblia e a natureza são postas lado a lado, parecem corresponder. Lisco, cujo trabalho muito instrutivo On the parables [Sobre as parábolas] é de especial valor por citar os grandes teólogos da Reforma em relação a cada parábola, diz que o mundo físico tipifica o mundo moral, mais sublime: “Ambos os reinos se desenvolveram de acordo com as mesmas leis; as parábolas de Jesus não eram meras ilustrações, mas analogias internas, a natureza tornando-se testemunha do mundo espiritual; tudo o que se encontra no reino terreno também existe no reino celestial”. Quando examinarmos as parábolas de Jesus, descobriremos que são terrenas na forma e celestiais no espírito, de acordo com a característica da própria manifestação de Cristo.

O fato de a natureza ter sido escolhida por Deus para representar verdades e relacionamentos de natureza espiritual e de duração eterna é justamente o que lorde Bacon tinha em mente quando escreveu: “A verdade e a Natureza diferem, da mesma forma que a impressão original difere da cópia”. Thomas Carlyle, em Sartor resartus, concorda e diz que “todas as coisas visíveis são emblemas. O que você vê aqui, não está aqui por acaso; a matéria apenas existe para representar uma idéia e torná-la palpável”.

O arcebispo Trench, cujo excepcional Notes on the parables [Anotações sobre as parábolas] nunca será suficientemente reconhecido, por mais que seja elogiado, lembra que “as analogias ajudam a fazer a verdade inteligível [...] As analogias do mundo natural [...] são argumentos e podem ser chamadas testemunhas, sendo o mundo da natureza testemunha do mundo espiritual em todos os sentidos, procedente de uma mesma mão, crescendo a partir da mesma raiz e sendo constituído para o mesmo fim. Todos os amantes da verdade reconhecem prontamente essas misteriosas harmonias e a força de argumentos que delas resultam. Para eles, as coisas da terra são cópias das do céu”.

Da talentosa pena de um verdadeiro profeta cristão, o dr. John Pulsford, selecionamos a seguinte contribuição, encontrada em seu livro Loyalty to Christ [Lealdade a Cristo]: “As parábolas não são ilustrações forçadas, mas reflexos das coisas espirituais. Terra e céu são obras do único Deus. Todos os efeitos naturais estão ligados às suas causas espirituais e suas causas espirituais estão ligadas aos seus efeitos naturais. Os mundos espirituais e os mundos naturais concordam, como o interno e o externo”.

Já nos detivemos o suficiente sobre o assunto das analogias existentes entre as obras de Deus na natureza e na providência, e suas operações pela graça. Uma conclusão apropriada para essa inegável correspondência em muitas das parábolas, quem dá é William M. Taylor, em Parables ofour Savior [As parábolas do nosso Salvador]: “O mundo natural veio em sua forma primitiva e ainda é sustentado pela mão daquele que criou a alma humana; e a administração da Providência continua sendo feita por Aquele que nos deu a revelação de sua vontade nas Sagradas Escrituras, e nos ofereceu a salvação por seu Filho. Portanto, talvez encontremos um princípio de unidade que percorra essas três áreas de sua administração; e o conhecimento de suas operações em qualquer uma delas pode ser útil em nossa investigação a respeito das demais”.

Como o termo geralmente traduzido por “parábola” significa pôr lado a lado, transmitindo a idéia de comparação, a parábola é literalmente pôr ao lado ou comparar verdades terrenas com verdades celestiais, ou uma semelhança, ou ilustração entre um assunto e outro. As parábolas demonstram: o que há fora de nós é o espelho em que podemos contemplar o espiritual e o interno, como Milton nos revela nestas linhas:

E se a terra
E apenas a sombra do céu e das coisas que nele há,
E um se parece com o outro mais do que se supõe na terra?


FONTE: Todas as Parábolas da Bíblia, de Herbert Lockyer.

2 comentários:

  1. muito bom. eu sempre entendi assim mas um dos meus professores de teologia não entende assim e por isso nós divergimos. parabéns. você elucidou duvidas inerentes ao assunto.

    ResponderExcluir
  2. Alguns afirmam que as parábolas de Jesus foram histórias reais. Eu que são historias que usam coisas reais para mostrar uma verdade espirituais mas não chegam a ser fatos reais. O que você me diz disso?

    ResponderExcluir

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos