terça-feira, 27 de outubro de 2009

Posted by Eduardo G. Junior In | No comments
estudos bíblicos, estudos do livro de Provérbios
Livro de Provérbios — Inspirado e Proveitoso

O propósito benéfico de Provérbios está declarado nos primeiros versículos: “Para se conhecer sabedoria e disciplina, para se discernirem as declarações de entendimento, para se receber a disciplina que dá perspicácia, justiça e juízo, e retidão, para se dar argúcia aos inexperientes, conhecimento e raciocínio ao moço.” (1:2-4) Em harmonia com tal propósito declarado, o livro salienta o conhecimento, a sabedoria e a compreensão, cada uma dessas qualidades sendo proveitosa do seu próprio modo.

(1) O conhecimento é a maior necessidade do homem, pois não lhe é salutar ficar na ignorância. É impossível adquirir conhecimento exato sem o temor de Jahweh, pois tal temor é o início do conhecimento. O conhecimento é preferível ao ouro fino. Por quê? Porque, mediante o conhecimento, os justos são libertados; ele nos refreia de cair no pecado. Quão necessário é buscá-lo, assimilá-lo! É precioso. Portanto: “Inclina teu ouvido e ouve as palavras dos sábios, para que fixes teu próprio coração no meu conhecimento.” — 22:17; 1:7; 8:10; 11:9; 18:15; 19:2; 20:15.

(2) A sabedoria, quer dizer, a habilidade de usar corretamente o conhecimento para o louvor de Jahweh, “é a coisa principal”. Adquira-a. A Fonte dela é Jahweh. A sabedoria vivificadora tem seu início no conhecimento e no temor de Deus — esse é o grande segredo da sabedoria. Portanto, tema a Deus, não ao homem. A sabedoria personificada faz uma proclamação, instando com todos para que endireitem os seus caminhos. A sabedoria grita em voz alta nas próprias ruas. Jahweh chama a todos os inexperientes e os faltos de coração para que se voltem e se alimentem do pão da sabedoria. Serão então felizes com o temor de Jahweh, mesmo que possuam pouco. Muitas são as bênçãos da sabedoria; grandemente proveitosos são os seus efeitos. A sabedoria e o conhecimento — os elementos fundamentais preliminares para se adquirir reflexão, que é uma salvaguarda. Como o mel é benéfico e agradável ao paladar, assim é a sabedoria. É mais preciosa do que o ouro; é árvore de vida. Os que não possuem sabedoria perecem, pois a sabedoria preserva a vida; ela significa vida. — 4:7; 1:7, 20-23; 2:6, 7, 10, 11; 3:13-18, 21-26; 8:1-36; 9:1-6, 10; 10:8; 13:14; 15:16, 24; 16:16, 20-24; 24:13, 14.

(3) Além do conhecimento e da sabedoria, é de suma importância adquirir a compreensão; por conseguinte, “com tudo o que adquirires, adquire compreensão”. A compreensão é a habilidade de ver uma coisa nos seus elementos e na sua relação; isto significa discernimento, tendo-se sempre em mente a Deus, pois o homem não pode estribar-se na sua própria compreensão. É absolutamente impossível alguém ter compreensão ou discernimento, se as suas obras estiverem em oposição a Jahweh! Precisamos buscar diligentemente a compreensão como um tesouro escondido, a fim de a possuirmos. Para adquirirmos compreensão, precisamos ter conhecimento. Quem se empenha em adquirir conhecimento é recompensado, e a sabedoria se acha diante dele. Pode evitar as inumeráveis armadilhas do mundo, tais como das incontáveis pessoas más que poderiam procurar enlaçá-lo a andar com elas no caminho das trevas. Sejam dadas graças a Deus — a Fonte do vitalizador conhecimento, sabedoria e compreensão! — 4:7; 2:3, 4; 3:5; 15:14; 17:24; 19:8; 21:30.

Conforme o objetivo benéfico de Provérbios, o livro apresenta uma abundância de sábios conselhos inspirados, que nos ajudam a adquirir a compreensão, e resguardam nosso coração, “pois dele procedem as fontes da vida”. (4:23) Segue-se uma seleção de conselhos sábios, acentuados do começo ao fim do livro.


Contraste entre os iníquos e os justos: Os iníquos serão apanhados nos seus caminhos pervertidos, e seus tesouros não os salvarão no dia do furor. Os justos se colocam no caminho da vida e serão recompensados por Jahweh. — 2:21, 22; 10:6, 7, 9, 24, 25, 27-32; 11:3-7, 18-21, 23, 30, 31; 12:2, 3, 7, 28; 13:6, 9; 14:2, 11; 15:3, 8, 29; 29:16.

A necessidade de retidão moral: Salomão avisa constantemente contra a imoralidade. Os adúlteros receberão uma praga, bem como desonra, e o seu vitupério não será apagado. “Águas furtadas” podem parecer doces para um jovem, mas a prostituta desce à morte e arrasta consigo suas vítimas inexperientes. Os que caem no profundo abismo da imoralidade são condenados por Jahweh. — 2:16-19; 5:1-23; 6:20-35; 7:4-27; 9:13-18; 22:14; 23:27, 28.

A necessidade de autodomínio: A bebedice e a glutonaria são condenadas. Todos os que desejam ter a aprovação de Deus precisam praticar moderação no comer e no beber. (20:1; 21:17; 23:21, 29-35; 25:16; 31:4, 5) Os que são vagarosos em se irar são abundantes em discernimento e maiores do que um homem poderoso que captura uma cidade. (14:17, 29; 15:1, 18; 16:32; 19:11; 25:15, 28; 29:11, 22) O autodomínio é necessário também para se evitar a inveja e o ciúme, sendo este podridão para os ossos. — 14:30; 24:1; 27:4; 28:22.

O uso sábio e o uso insensato da língua: A fala pervertida, o caluniador, a testemunha falsa e o falsificador serão descobertos, pois são detestáveis a Jahweh. (4:24; 6:16-19; 11:13; 12:17, 22; 14:5, 25; 17:4; 19:5, 9; 20:17; 24:28; 25:18) Se a boca de alguém fala coisas boas, é fonte de vida; mas a boca do insensato o precipita à ruína. “Morte e vida estão no poder da língua, e quem a ama comerá os seus frutos.” (18:21) A calúnia, a fraude, a lisonja e as palavras irrefletidas são condenadas. Falar a verdade e honrar a Deus é o caminho da sabedoria. — 10:11, 13, 14; 12:13, 14, 18, 19; 13:3; 14:3; 16:27-30; 17:27, 28; 18:6-8, 20; 26:28; 29:20; 31:26.

A tolice do orgulho e a necessidade de humildade: O orgulhoso se eleva a uma posição que realmente não deve, de modo que sofre uma queda desastrosa. Jahweh detesta os que são de coração altivo, mas dá aos humildes sabedoria, glória, riquezas e vida. — 3:7; 11:2; 12:9; 13:10; 15:33; 16:5, 18, 19; 18:12; 21:4; 22:4; 26:12; 28:25, 26; 29:23.

Diligência, não indolência: Muitas são as descrições do preguiçoso. Ele devia ir ter com a formiga para aprender uma lição e se tornar sábio. Quanto ao diligente — este prosperará! — 1:32; 6:6-11; 10:4, 5, 26; 12:24; 13:4; 15:19; 18:9; 19:15, 24; 20:4, 13; 21:25, 26; 22:13; 24:30-34; 26:13-16; 31:24, 25.

A boa associação: É loucura associar-se com os que não temem a Jahweh, com os iníquos ou estúpidos, com pessoas irascíveis, com mexeriqueiros ou com glutões. Antes, busque a companhia de pessoas sábias, e adquirirá mais sabedoria. — 1:10-19; 4:14-19; 13:20; 14:7; 20:19; 22:24, 25; 28:7.

A necessidade de repreensão e de correção: “Jahweh repreende aquele a quem ama”, e os que aceitam essa disciplina estão no caminho da glória e da vida. Quem odeia a repreensão chegará à desonra. — 3:11, 12; 10:17; 12:1; 13:18; 15:5, 31-33; 17:10; 19:25; 29:1.

Como ser boa esposa: Repetidas vezes os Provérbios avisam contra a esposa ser contenciosa e agir vergonhosamente. A esposa discreta, capaz e que teme a Deus tem na língua a lei da benevolência; quem encontra tal esposa obtém a boa vontade da parte de Jahweh. — 12:4; 18:22; 19:13, 14; 21:9, 19; 27:15, 16; 31:10-31.

Como criar os filhos: Devem-se-lhes ensinar os mandamentos de Deus regularmente para que ‘não os esqueçam’. Devem ser criados desde a infância na instrução de Jahweh. Não se poupe a vara quando necessária; como expressão de amor, a vara e a repreensão dão sabedoria ao menino. Os pais que criam seus filhos no caminho de Deus terão filhos sábios que lhes trarão regozijo e muito prazer. — 4:1-9; 13:24; 17:21; 22:6, 15; 23:13, 14, 22, 24, 25; 29:15, 17.

A obrigação de ajudar os outros: Com frequência, salienta-se isto em Provérbios. O sábio deve difundir conhecimento para o proveito dos outros. A pessoa precisa também ser generosa em mostrar favor aos de poucos meios, e, assim fazendo, está realmente emprestando a Jahweh que garante retribuir. — 11:24-26; 15:7; 19:17; 24:11, 12; 28:27.

Confiança em Jahweh: O livro de Provérbios chega ao âmago de nossos problemas ao aconselhar-nos a depositar plena confiança em Deus. Devemos levar em conta a Jahweh em todos os nossos caminhos. O homem pode fazer planos, mas é Jahweh que deve dirigir seus passos. O nome de Jahweh é torre forte, para a qual o justo corre e encontra proteção. Espere em Jahweh e deixe-se guiar pela sua Palavra. — 3:1, 5, 6; 16:1-9; 18:10; 20:22; 28:25, 26; 30:5, 6.

Quão proveitoso é o livro de Provérbios para ensinar e disciplinar tanto a nós como a outros! Parece que nenhum aspecto das relações humanas ficou despercebido. Há alguém que se isola dos co-adoradores de Deus? (18:1) É alguém em posição de responsabilidade que tira conclusões antes de ouvir ambos os lados da questão? (18:17) É brincalhão perigoso? (26:18, 19) Mostra-se parcial? (28:21) O comerciante na sua loja, o lavrador no campo, o marido, a esposa e o filho — todos recebem instrução salutar. Os pais são ajudados de modo a poderem expor os muitos laços ocultos na vereda dos jovens. Os sábios podem ensinar os inexperientes. Os provérbios são práticos onde quer que vivamos; a instrução e o conselho do livro nunca ficam antiquados. “O livro de Provérbios”, disse certa vez o educador norte-americano William Lyon Phelps, “é mais atual do que o jornal desta manhã”. O livro de Provérbios é atual, prático e proveitoso para ensino, porque é inspirado por Deus.


Sendo proveitoso para endireitar as coisas, o livro de Provérbios, composto em grande parte de provérbios proferidos por Salomão, conduz os homens ao Todo-poderoso Deus. Assim fez também Jesus Cristo, mencionado em Mateus 12:42 como sendo “algo maior do que Salomão”.

Quão gratos podemos ser de que Este preeminentemente sábio é a escolha de Jahweh para ser a Semente do Reino de Deus! Seu trono “será firmemente estabelecido pela própria justiça”, será um reinado pacífico muito mais glorioso do que o do Rei Salomão. Dir-se-á a respeito da dominação desse Reino: “Benevolência e veracidade — elas salvaguardam o rei; e ele amparou seu trono pela benevolência.” Isso abrirá diante da humanidade uma eternidade de governo justo, a respeito do qual Provérbios também diz: “Quando o rei julga em veracidade os de condição humilde, seu trono ficará firmemente estabelecido para todo o sempre.” Assim, reconhecemos com prazer que os Provérbios iluminam a nossa vereda, dando-nos conhecimento, sabedoria e compreensão, bem como a vida eterna; mais importante, porém, magnificam a Jahweh como a Fonte da verdadeira sabedoria, que ele dá por intermédio de Cristo Jesus, o Herdeiro do Reino. O livro de Provérbios aumenta o nosso apreço pelo Reino de Deus e pelos justos princípios segundo os quais governa agora. — Pro. 25:5; 16:12; 20:28; 29:14.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos