sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

Posted by Eduardo G. Junior In | 1 comment
 E nos fez reis e sacerdotes,... A cópia de Alexandria, e a edição Complutense, leem “um reino, e sacerdotes”, e a versão Vulgata Latina, “um reino de sacerdotes”, e a versão em Árabe, “um reino de sacerdócio”; a referência parece ser Exo 19:6, “e vós sereis para mim um reino de sacerdotes”, ou como verte Targum de Jerusalém, “vós sereis para mim”, מלכין וכהנין, “reis e sacerdotes”, e assim o Targum de Jonathan ben Uziel parafraseia, “e sereis diante de mim”, מלכין, “reis” coroados com uma coroa, וכהנין “e sacerdotes” ministradores. Por isso, é um ditado comum com os judeus, que todos os israelitas são os filhos dos reis (o) e às vezes os doutores são chamados מלכי תורה, os “reis da lei” (p), e eles atribuem a mesma coisa com a Palavra do Senhor, como aqui é atribuída a Jesus Cristo: assim o Targum de Jonathan em Deu 28:13 parafraseia as palavras,


“E palavra do Senhor vos designará, ou constituirá, reis, e não pessoas em particular.”

Da mesma forma, eles dizem (q)

“Que até mesmo um Gentio, se ele estuda a Lei, é ככהן גדול, “um alto sacerdote”.

Tudo podem servir para mostrar que a referência no texto, é de onde a linguagem se origina. Mas as palavras são usadas em um sentido mais elevado e maior. Os santos são feitos “reis” por Cristo, pois eles são assim agora, eles receberam um reino da graça, que não pode ser tirado, e eles têm o poder dos reis sobre o pecado, Satanás, e do mundo, e todos os seus inimigos; e vivem como reis, e se vestem como eles, em vestuário rico, pela justiça de Cristo, e são atendidos como reis, sendo os anjos seus guardiões, e eles vão aparecer muito mais adiante, quando reinarão na terra com Cristo durante mil anos, e se assentarão no próprio trono, e terão a coroa da vida e a justiça, e, finalmente, serão introduzidos no reino da glória. E tornam-se-ão como filhos de Deus, cujo poder e privilégio recebem de Cristo, e por isso são herdeiros de Deus e co-herdeiros com Ele, por estarem unidos com Ele. E ele também os faz “sacerdotes” para oferecerem os sacrifícios espirituais de oração e louvor, mesmo quando os fazem com um coração quebrantado e contrito no espírito, e até mesmo suas almas e corpos, como um sacrifício santo, vivo e aceitável diante de Deus,[1] pela unção e santificando-os pelo Seu Espírito, e eles são feitos assim por Ele...

A Deus e seu Pai,... Não aos homens, nem anjos. Ora, àquele que tem demonstrado muito amor, e nos favoreceu com altas honras, a atribuição é feita a seguir...

A ele glória e poder pelos séculos dos séculos, amém. A glória de Sua divindade, e de todos os seus ofícios; do seu Ser a fiel testemunha, o primogênito dos mortos e o Príncipe dos reis da terra, e de todos os benefícios e as bênçãos, favores e honrarias, recebidos dEle por Seu povo: e “domínio”; sobre todas as criaturas, e sobre todos os seus santos, e especialmente no Seu reino, nos últimos dias, que será um eterno, e que será continuamente algo a ser desejado e a que se orar para que ele venha, e venha rapidamente. “Amém”, que assim seja, e assim será.

__________
Notas

[1] Romanos 12:1
(o) Misn. Sabbat, c. 14. sec. 9. T. Bab. Sabbat, fol. 67. 1. & 111. 1. & 128. 1. Raya Mehimna em Zohar em Lev. xii. 1.
(p) Shirhashirim Rabba, fol. 1. 2. Vid. Jarchium em Sl. lxviii. 14.
(q) T. Bab. Bava Kama, fol. 38. 1.

Fonte: John Gill's Exposition of the Entire Bible de Dr. John Gill (1690-1771)

Um comentário:

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos