quinta-feira, 24 de dezembro de 2009

Posted by Eduardo G. Junior In , | 1 comment
TEOLOGIA, CARTA AOS HEBREUS, CRISTOLOGIA, EPÍSTOLA, ESTUDO BÍBLICO
O epicentro teológico da Epístola aos Hebreus pode ser resumido em uma palavra: Cristologia. Nenhum documento bíblico fora dos quatro evangelhos se concentraliza tão totalmente e com tanta força sobre a pessoa e a conquista redentora de Jesus. Provavelmente este fator mais do que qualquer outro assegurou o seu lugar de destaque no cânon da Igreja primitiva nas Escrituras, apesar das dúvidas quanto à sua origem apostólica no Ocidente (Cartago e Roma), antes do século IV. A Cristandade oriental parece a ter considerado como Paulina desde o começo.

O prefácio (1:1-3) define o palco com uma vinheta magnífica do exercício do Seu Filho divino na liderança universal. Em meio a uma variedade de alusões a Sua divindade, Jesus é declarado ter cumprido as três ordens divinas dos ofícios do Antigo Testamento, de profeta, rei e sacerdote. O elemento profético aparece nos versículos 1-2, onde é declarado o Filho através do qual Deus falou a Sua palavra final ao Redentor. Em seguida, a sua entronização régia universal é descrita na primeira parte do versículo 3: “Ele sentou-se à direita da Majestade nos céus”. Esta posição é exaltada como o resultado direto de sua realização sacerdotal: “Após ter realizado a purificação dos pecados.” É este aspecto sacerdotal da pessoa e ministério de Jesus que toma o centro do palco ao passo que a mensagem de Hebreus se desenrola.

Para fins de análise da epístola, ela pode ser dividida em duas seções principais. Em 1:1-10:18, o tema principal é a superioridade de Cristo como sumo sacerdote eterno. Ele é declarado em última instância superior às instituições mais prezadas da antiga fé hebraica. Ele é superior à palavra de Deus falada através dos profetas visto que Ele próprio é a palavra final do Deus Redentor. Ele é superior às hostes angélicas, porque nenhum anjo pode se orgulhar de ser o Filho de Deus, plenamente divino (1:4-14), e ainda completamente humano (2:5-18). Esses dois fatores qualificam-no unicamente como sendo o único fiel e capaz de levar os pecados de Seu povo. Com base na mesma singularidade do seu Ser, Ele é tão superior a Moisés, o grande Legislador de Israel (3:1-6), como o Criador é sobre o criado. O descanso espiritual das obras mortas, oferecida por Jesus, é superior ao temporal representado em Moisés e Josué, através da ocupação da terra prometida (4:1-11; esp. Vv. 9-10). Começando com o capítulo 5, a preocupação central teológica da epístola surge: o sacerdócio espiritual eterno assumido por Jesus através da oferta de Si mesmo como de um sacrifício feito de uma vez por todas pelos nossos pecados. É infinitamente superior ao ministério temporal e terreno exercido por Arão e seus descendentes (4:14-5:11; 7:1-10:18).

Aqui, a cristologia de Hebreus atinge o seu pico mais elevado, com Jesus, o sacerdote eterno, que entra no santuário interior do universo onde Ele oferece o Seu próprio corpo e sangue na submissão voluntária a Deus como um sacrifício pelos pecados de uma só vez, para sempre, em nome de toda a humanidade. Ele é sacerdote e vítima, ofertante e o oferecido!

Em 10:19-13:25 a cristológica do argumento formal enfatiza a aplicação prática. O tema agora assume a forma de um apelo urgente para que os leitores pudessem depositar sua confiança inabalável na suficiência de Jesus como Sumo Sacerdote eterno (10:19-39), motivados pelo exemplo supremo de fé e resistência, Ele demonstrou durante os dias de sua carne (12:1-4). Ele aparece como o último, e de longe o maior de todos, na longa linha de heróis e heroínas da fé convocados para o banco das testemunhas no famoso capítulo xi. É Ele, e Ele apenas, a quem os leitores são convocados a centrar a sua atenção concentrada, se desejam ser bem-sucedidos em correr a corrida da vida. Quatro avisos em forma de “seções” (2:1-4; 3:7-19; 4:11-13; 5:11-6:20) destacam a intensa preocupação pastoral sustentado em toda a epístola.

Fonte:Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

Um comentário:

  1. o texto e muito bom para aqueles que querem entender a biblia de uma maneira mais profunda, que querem ver o que ela tem de oculto.

    ResponderExcluir

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos