segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Posted by Eduardo G. Junior In | No comments
Quem acreditou na nossa pregação? O projeto principal do profeta em toda esta parte de sua profecia é, sem dúvida, afirmar o fato de que o Redentor seria grandemente exaltado (ver Isa 52:13, 12). Mas, a fim de fornecer uma imagem fiel de Sua exaltação, foi necessário também expor a profundidade de Sua humilhação, e a intensidade dos Seus sofrimentos, e também o fato de que Ele seria rejeitado por aqueles a quem foi enviado. Ele, portanto, neste versículo, usa a linguagem de Calvino, em interrupções de forma abrupta após o fim de seu discurso, e exclama que o que ele tinha dito, e o que ele estava prestes a dizer, seriam pouco acreditado por qualquer pessoa. Previa a Sua exaltação, e as honras que seriam atribuídas a Ele, Ele seria rejeitado e desprezado. A palavra “relato” (שׁמוּעה Hebr.: shemu'ah) indica corretamente aquilo que é ouvido, notícias, mensagens. Margin, “audiência” ou “doutrina”. A Septuaginta verte Ακοη (Gr.: akoe) por “rumor”, “mensagem”. Refere-se à anunciação, mensagem ou comunicação que tinha sido feita com respeito ao Messias. O orador aqui é Isaías, e a “nossa palavra” refere-se ao fato de que a mensagem de Isaías e dos outros profetas, foram igualmente rejeitada. Ele agrupa-se com os outros profetas, e diz que a anunciação que fizeram do Redentor havia sido desconsiderada; a forma interrogativa é frequentemente assumida quando se destina a expressar uma verdade, com ênfase, e a idéia é, portanto, que a mensagem do Messias tinha sido rejeitada, e que quase nenhum deu crédito ou a abraçou.

E a quem é o braço do Senhor revelado? O braço é aquilo pelo qual nós executamos um propósito, e é frequentemente usado como o emblema de poder (veja as notas na Isaías 33:2; 40:10). Aqui, denota a onipotência ou o poder de Deus, que seria exibido através do Messias. O sentido é: “Quem tem percebido o poder evidenciado na obra do Redentor? Para quem é que o poder será manifesto, que é executado por intermédio dEle, e em conexão com Seu trabalho?” Não se refere-se tanto, como me parece, ao Seu poder de fazer milagres, como a onipotência evidenciada em salvar os pecadores da destruição. No Novo Testamento, o Evangelho não raro é chamado de “o poder de Deus” Rom 1:16; 1Cor 1:18, pois é aquele pelo qual Deus mostra Seu poder para salvar as pessoas. A idéia aqui é que, comparativamente, poucos seriam colocados sob o poder, e seriam beneficiados por ela, isto é, na época, e sob a pregação do Messias. É de ser lembrado que a cena dessa visão é colocada no meio da obra do Redentor. O profeta vê um sofredor, desprezado e rejeitado. Ele vê que alguns vêm a ele, e abraça-O como seu Salvador. Ele lembra os “relatos” e os anúncios que ele e outros profetas tinham feito com respeito a Ele; ele lembra que o registro tinha sido feito séculos antes, com respeitando ao Messias, e ele pergunta com profunda emoção, como se presente quando o Redentor viveu e pregou, que haviam creditado o que ele e os outros profetas tinham dito dEle. A massa tinha rejeitado tudo. A passagem, portanto, teve o seu cumprimento nos eventos relacionados com o ministério do Redentor, e no fato de que Ele foi rejeitado por muitos. O Redentor foi mais bem sucedido em seu trabalho como um pregador que é normalmente suposto, mas ainda é verdade que pela massa da nação, Ele foi desprezado, e o anúncio de que tinha sido feito de Seu verdadeiro caráter e trabalho foi rejeitado.


Fonte: Albert Barnes' Notes on the Bible, de Albert Barnes (1798-1870)

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos