terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

FILIPENSES, COMENTÁRIO, ESTUDO BIBLICO, TEOLOGICO4:7 E a paz de Deus passará todo entendimento;... Não a paz que Deus pede ao seu povo entre si no chamado efetivo deles, e que ele necessita deles para cultivar e manter, e que ele nos encoraja com a promessa da sua presença graciosa dentre eles, e que na verdade ele é o autor dela, e por isso é chamado, Col 3:15; e que pode ser dito que ele supera ou ultrapassa todos os conhecimentos especulativos, e de compreensão, de alguém que se enfuna, mas os outros edifica; e muito menos a paz que Deus tem em si mesmo, que é tudo paz e amor, e que passa todos os fins de compreensão humana e angelical, mas quer a paz com Deus, que é feita pelo sangue de Cristo, e é publicada no Evangelho da paz, que ultrapassa todos os entendimentos dos homens e anjos, que deveria ser; que os pensamentos de Deus deve ser a respeito disso a partir da eternidade; que um conselho de paz deveria ser chamados e realizadas entre os eternos Três, e um pacto de paz celebrado; que Cristo deve ser nomeado o pacificador, e de que o castigo fora definido sobre ele; que ele deveria fazer isso pelo sangue da sua cruz, e para os homens, enquanto que os inimigos de Deus e de si mesmo: ou então que a paz de consciência, que resulta de uma visão de paz feita por Cristo, pela sua retidão de justificação, e seu sacrifício pela expiação, e que pode ser chamado de "a paz de Cristo", como a cópia Alexandrina lê; tanto porque é se fundamenta nela, e é Ele que é o doador dela: e isto é o que passa o entendimento de cada homem natural, não sabe nada desta paz, o que significa essa tranqüilidade de espírito, ele não consegue explicar essa alegria, e é a ele que não pode ser contabilizado como deve ser, que então essa deve ter paz, que têm tanta dificuldade, tantas censuradas, aflitos, e perseguidos, e ainda ter paz em Cristo, embora tenham tribulação no mundo; que...

Guardará vossos corações e vossas mentes por meio de Jesus Cristo;... Ou “Em Cristo Jesus”: alguns lêem estas palavras na oração, ou como um desejo, “deixa guardar”, ou “que possas manter”, assim como a Vulgata Latina, mas são sim uma promessa, incentivando os santos a realização das tarefas acima mencionadas; como sempre estar na alegria do Senhor, mostrando sua moderação a todos os homens, evitando estar ansioso, e entrando em todos os momentos, em todas as ocasiões, em oração a Deus, de que forma eles podem esperar ter a paz, bem como a vontade necessárias feita, como aqui expressa, isto é, ser um meio de sua perseverança final; para a paz de Deus, em qualquer sentido, é uma preservação dos santos: a paz feita com Cristo em Deus protege-os de todas as condenação pela lei, o pecado, Satanás, o mundo, ou os seus próprios corações; e paz em suas almas, sobre um fundamento tão bom como é, as mantém através de Cristo em uma guarnição, para nos proteger dos problemas do mundo, ou as tentações de Satanás, e é um meio de preservar-lhes do dano que vêem com os erros e heresias dos ímpios, tendo por testemunha a verdade dentro de si, e de todo o mal caminho e obra, a partir da profanação e imoralidade, o ensinamento da graça de Deus, o amor de Cristo e que lhes é coercivos, que é derramado em seus corações, para viver e agir de outra forma.


FONTE: John Gill’s Exposition of the Entire Bible

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos