segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Postado por Eduardo G. Junior Em | No comments

ECLESIASTES, LIVRO, SABEDORIA, DIFICULDADE, EXCELENCIA, TEOLOGIA, ESTUDO
Excelência e Dificuldade da Sabedoria (Leia Eclesiastes 7:15-29)

1. CRÍTICA DA RAZÃO PRÁTICA (Ec 7.15-22). A tentativa de reduzir a matéria bruta da vida a um sistema por meio de princípios morais naufraga nas anomalias da experiência. A consistente aplicação da moralidade entra em choque com a vida, que não pode ser forçada a entrar dentro desses moldes. Há necessidade de humildade e restrição tanto no pensamento como na prática da moralidade. Deve ser relembrado que toda a moralidade é condicionada pela finitude do homem e maculada por seus pecados. Precisamos ter cuidado para evitar o orgulho moral. “O orgulho moral é a pretensão do homem finito de que sua virtude altamente condicionada é a justiça final, e que seus padrões morais extremamente relativos são absolutos. O orgulho moral, assim, tornam a virtude o próprio veículo do pecado” (Niebohr, Human Nature, pág. 212).


Cf. O Falar em Línguas na Igreja de Corinto
Cf. A Ceia do Senhor na Igreja de Corinto
Cf. Grupos Religiosos no Novo Testamento
Cf. O Texto do Novo Testamento

2. CRÍTICA DA RAZÃO PURA (Ec 7.23-28). A tentativa de reduzir a matéria bruta da vida a um sistema, por meio de idéias teóricas, naufraga semelhantemente. A mais penetrante sabedoria não pode atingir a harmonia final na qual os desacordos da existência são resolvidos; toda tentativa esbarra no problema do mal, das radikal Bose, no coração humano. Eclesiastes encontra a mais obstinada manifestação do mal na fêmea da espécie humana (26); para ele a sabedoria de Sócrates aborta devido ao problema de Xantipa.

3. A QUEDA (Ec 7.29). A conclusão, que é o máximo a que a sabedoria humana pode atingir, é que o homem caiu do estado em que por Deus foi criado, e mediante sua astúcia produziu sua própria destruição. As insolúveis contradições da vida têm seu ponto focal no fato que o homem está em choque consigo mesmo.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos