2009/06/22

Comentário de João 12:48-50

12:48 - Aquele que me rejeita,… Como o Messias, com abominação, como muitos entre os Judeus faziam, que não o aceita como rei sobre sua vida, mas busca entregá-lo à morte:comentario do evangelho de João, comentario biblico

E não recebe as minhas palavras;… As doutrinas do Evangelho, mas o desacredita, e o nega como sendo verdadeiro, considerando como doutrinas de um mero homem, e um impostor:

Tem alguém que o julgue;… Que tal pessoa não pense que ele escapará do julgamento justo; embora Cristo não julgue agora, há alguém que o julga, sim, mesmo agora; e declara que aquele que não acredita será condenado, e que ele já está condenado:

A palavra que vos tenho falado, a mesma deve julgá-lo no último dia;... De acordo com as diferentes dispensas que os homens ímpios estão debaixo neste mundo, será a regra do seu julgamento: por exemplo, aquele que estava apenas debaixo da lei da natureza, será julgado de acordo com ela,
[1] a qual os acusará, e condena-los-á: esses que estavam debaixo da lei de Moisés, ou lei escrita, serão entregues, reprovados, e pronunciados culpados, e punidos de acordo com essa lei, e esses que têm estado sob a dispensação do Evangelho, e foram favorecidos com a revelação do Evangelho, mas o negaram, serão condenados por ele no último dia. O juiz vai agir por sua presente declaração, e de acordo com o que prossegue, como está em Mar. 16:16. Levantar-se-á no julgamento contra tais pessoas, e será um agravamento da sua condenação.

12:49 - Pois não tenho falado de mim mesmo,… Como homem, ou como separado de seu Pai; a sua doutrina não era humana, mas divina, e, portanto, a rejeição dela não podia passar despercebida no futuro julgamento:

Mas o Pai que me enviou, ele me deu uma ordem o que eu deveria dizer, e o que eu deveria falar;... Cristo, como homem, teve a missão dele, e as suas instruções vieram do seu Pai para pregar o Evangelho aos homens; ele foi ungido para este objetivo pelo Espírito Santo; ele foi ordenado para pregar isso pelo seu Pai, e as muitas doutrinas publicadas por ele, foram entregues por Ele; veja João 8:28.

12:50 - E eu sei que o seu mandamento é vida eterna,... Por "seu mandamento" não significa a lei, que, de fato, é muitas vezes denominado "o mandamento", e este é o mandamento de Deus, e muitas coisas são ditas da mesma; e entre os quais é chamado de "vida", Deut. 30:15, mas não a vida eterna: ela só prometeu uma continuação da vida natural do homem, na condição de obediência a ele, mais do que isso não se podia obter, não prometeu a Adão, na inocência; e que ele prometeu aos israelitas obediente, foi apenas uma prorrogação natural da vida na terra que Deus deu-lhes: mas sem promessas, nem da vida espiritual dos filhos decaídos de Adão; que deixa os homens como os encontra, mortos em ofensas e pecados, e não pode comunicar, quer uma vida de santificação, ou de justificação para eles; nem dar-lhes as esperanças da vida, ou mostrar onde poderá ser obtida, nem é a vida eterna a ser obtido pelas obras, pois a justificação não é pelas obras da Lei; nem vem a salvação pelas obras de justiça feitas por homens, e consequentemente, a vida eterna nunca seria atingida pela obediência a Moisés, os comandos da lei: ela é tão longe de ser, nesse sentido, a vida eterna, que é chamada o ministério de condenação e morte. Mas o Evangelho é a referência aqui, e é chamado um mandamento, não que tem a natureza de uma lei, ou seja, constituído de preceitos, como a lei era, mas porque é pelo mandamento do Deus eterno, que ela é publicada por Cristo, e seus apóstolos. Cristo, como parece a partir do versículo anterior, teve um mandamento de seu Pai, o que ele devia dizer e falar, agora, não que a doutrina que ele entregou era o mandamento em si, mas era um mandamento do Pai, que ele deveria entregar essa doutrina; além disso, a palavra "mandamento", às vezes, não significa que não seja uma doutrina, como em Sal. 19:8; e sentido é que a doutrina do Evangelho, que Cristo tinha em comissão do seu Pai para pregar, é a vida eterna; e é assim chamado, porque é um meio de pecadores serem vivificados com uma vida espiritual, que dá para uma eterna, é o sabor da vida para vida, e do Espírito que dá a vida, e é o ministério dele e é o meio de implantar as graças do Espírito de Deus no coração do homem, que borbulha para dar vida eterna, e de trazer almas ao conhecimento de Cristo, que é o início, e o penhor da vida eterna, e além de tudo isto, isso dá um registro da natureza da vida eterna, que direciona o caminho que é por Cristo, e descreve as pessoas que gozam dessa esperança; mostrando que o seu direito a isso é a justiça de Cristo, e por isso a sua aproximação regenerativa veem da graça do Espírito, e que todos os que crêem em Cristo deve tê-lo:

O que quer que eu falo então, até mesmo como o Pai disse a mim, assim eu falo;... E nada além disso, e então deveria ser recebido, e não rejeitado. Isto não é para ser entendido do que Cristo falou na conversa comum, mas no ministério da palavra, das doutrinas do Evangelho, que lhe foram dadas pelo seu Pai, e ele sabia que eram aceitáveis para a sua mente e vontade, e ao seu conselho e aliança, e assim ele deveria fazer: estas ele entregou assim como ele as recebeu, e tanto quanto em matéria e forma, como era vontade do Pai assim como a sua: ele pregou a justiça de Deus, e ele não a escondeu; ele declarou a Sua fidelidade, e a salvação por ele, e não ocultou o seu amor e verdade, Sal. 40:9. Agora, embora fosse uma razão suficiente para receber a fé e acreditar nas doutrinas do Evangelho, porque Jesus falou-lhes, este, que é a verdade em si, e é assim mais uma confirmação para eles, que essas palavras são o que seu Pai, o Deus da verdade, e lhes disse: e lhes entregou assim como ele recebeu; e isso é um exemplo de sua fidelidade a aquele que lhe enviou, e deveria ser imitada pelos seus ministros, que devem declarar todo o conselho de Deus, e não se refrear de darem tudo o que de Cristo receberam, e que pode ser rentável para as almas dos homens.


_______________
Notas

[1] Cf. Romanos 2:12. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário