2009/06/25

Comentário de João 19:3-4

19:3 - E disseram, salve, Rei dos Judeus! Algumas cópias antes de leremcomentario biblico, evangelho de joão, novo testamento esta cláusula, dizem, “e eles vieram com ele”, e assim leem as cópias da Vulgata Latina, Árabe, Copta, Etíope, isto é, eles vieram e prostraram-se perante ele; inclinaram-se diante dele, e se dirigiram a ele de uma forma dissimulada, como se ele fosse um monarca terreno, vindo com a sua coroa, e a quem desejaram longa vida; e assim escarneceram de seu majestoso ofício, desprezando-o de baixo desse personagem, como muitos fazem agora: alguns não o farão reinar sobre suas vidas, e o rejeitarão como Rei, e outros, embora em palavras afirmem ser ele mesmo rei, mas, seu desprezo pelas suas ordens, os fazem agir nada melhor do que esses soldados que zombavam dele:

E eles o golpeavam com as próprias mãos: No seu rosto, como a versão Siríaca lê. Estes, e muitas outras afrontas que lhe deram; em todos os quais eles foram permitidos por Pilatos, e foi uma cena agradável para os ímpios judeus, cujos corações não foram nem um pouco comovidos com isso, embora Pilatos esperasse que eles ficassem; e que era a sua visão permitir os soldados usar tais incivilidades e indecências com ele.

19:4 - Pilatos, por isso, saiu novamente,... Quando tudo isso foi feito a Jesus, Pilatos entrou novamente no salão do julgamento, ou então do lugar onde Jesus tinha sido açoitado, e mal tratado da forma que ele foi: ele foi mais uma vez ter com ele, aos Judeus que ficaram do lado de fora.

E diz-lhes: eis aqui, eu vo-lo trago para vós;... Isto é, ele tinha ordenado que ele fosse levado pelos soldados, e eles o trouxeram então em uma condição tão miserável em que ele estava, para que os Judeus pudessem ver com os seus próprios olhos, como ele havia sido tratado:

Para que saibais que não acho nenhuma falta nele;... Pois por verem o que foi feito a ele, como tinha sido severamente açoitado, e que escárnio e desprezo ele tinha tido, a barbárie que tinha sido executado sobre ele, eles podiam conhecer e acreditar que, se Pilatos fez tudo isso, ou foi permitido ser feito para um homem a quem ele havia julgado inocente, puramente para agradar os Judeus, que ele tinha achado algo nele digno de morte, ele não iria parar aqui, mas teria ordenado a execução dele; isso eles poderiam estar certos pela sua presente conduta. Pilatos, por sua própria confissão, no tratamento, ou fazendo com que ele fosse tratado de uma forma tão cruel e infame, em alguém que ele mesmo não pôde encontrar nenhuma falta, ou causa de acusação contra ele, era culpado de uma grande injustiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário