2009/06/13

Comentário de João 7:27

7:27 - Ao contrário, nós sabemos de onde é esse homem,... Eles queriam dizer que se as regras tivessem alterado as mentes deles, e tivessem entrado na convicção de que Jesus dcomentario do evangelho de João, comentario biblicoe Nazaré é o Messias, eles não os deveriam seguir nisto, por esta razão; porque eles conheciam de onde ele veio; não querendo dizer o lugar do nascimento dele que eles supuseram que era na Galiléia, e Nazaré na Galiléia, na qual eles estavam enganados, como a maneira do seu nascimento pelo qual eles poderiam responder: eles fingiram saber a origem dele, que ele era o filho de José e Maria, que ele foi gerado em matrimônio, e nasceu como as outras pessoas nascem; não havia nenhuma dificuldade com eles de saber da vinda dele ao mundo, não mais que qualquer outra pessoa comum; sendo bem conhecido como filho de José e Maria, e a ser considerado de uma maneira racional, e, portanto, concluíram que ele não era o Messias:

Mas, quando chegar o Cristo, ninguém saberá de onde ele é;... Eles sabiam o lugar de onde ele haveria de vir; assim os principais sacerdotes e Escribas fizeram, Mat. 2:4; e assim fizeram estes judeus, Jo. 7:42. Eles sabiam que ele seria de Belém, e eles sabia que ele sairia da semente de Davi; embora ele nascesse de uma virgem, de acordo com Isa. 7:14, e tal vinda ao mundo não seria conhecida, debatida, e considerada: portanto, visto que Jesus, de acordo com a noção destes homens, entrou no mundo no modo comum e natural, eles pensaram que eles tinham um argumento invencível contra o dele ser o Messias; e então, deixem os seus governantes fazerem o que quiserem, para as partes deles, eles estavam determinados a rejeitá-lo: e porque não podia ser conhecido de onde o Messias deveria vir; consequentemente, os judeus antigos o chamavam a semente que vem de outro lugar; não do lugar de onde a semente ordinariamente vem, dos lombos dos homens, mas de algum outro lugar que não sabiam eles: as suas palavras são muito notáveis naquela passagem em Gen. 4:25, "e ela chamada o nome dele Seth, pois Deus tem me designado outra semente", etc. Esta observação é feita por R. Tanchuma, no nome de R. Samuel;[1] diz ele:

“Ela diz respeito àquela semente, que é aquele que vem, ממקום אהר, “de um outro lugar”, e o que é esse? Esse é o Rei Messsias.”

E em outro lugar,[2] o mesmo Rabino observa nessas palavras em Gen. 19:32, “que nós podemos preservar a semente de nosso pai": não está escrito, "que nós podemos preservar um filho de nosso pai", mas "que nós podemos preservar a semente de nosso pai"; aquela semente que é aquele vem de "outro lugar"; e o que é isto? este é o Messias Rei. Os judeus modernos[3] se esforçam para explicar o sentido desta frase, "outra semente", como se considerassem semente estranha; e que o sentido da expressão é que o Messias deveria vir da família de Moabe, e de Rute a Moabita: nem é o sentido deles que Aquinas[4] atribui para os Rabinos judeus:

“Que a parte mais nobre dessa massa, da qual Adão foi feito, permaneceu intocável (pelo pecado), e foi depois transmitida a Seth; e então, para toda a sua descendência dele, a Joaquim, ou Eliaquim, ou Heli, o pai da virgem, da qual o corpo da virgem abençoada foi feito:”

Que é nada diferente de uma elaboração Papista, gerados nos judeus, e feito para a causa da Virgem Maria, em vez de por causa de Cristo. Mas o significado deles é que Cristo não deveria ser adquirido de homem, ou entrar no mundo no modo comum da geração, mas deveria nascer de uma virgem; e assim não poderia ser conhecido, e considerado de onde ele era, ou de onde aquela semente era, e de que ele era feito. O anjo dá um relato disso em Luc. 1:35, um corpo foi preparado para Cristo por Deus; foi concebido pelo poder do Espírito Santo; o nascimento dele de uma virgem era algo milagroso; está além da compreensão dos homens, e não pode ser explicado por qualquer mortal; de onde ele é, não pode ser dito; nenhum homem pode ser apontado como o seu pai; tudo que pode ser dito é, que ele foi feito de uma mulher, uma virgem.




__________
Notas
[1] Bereshit Rabba, seç. 23. fol. 20. 4. Midrash Rute, fol. 36. 1.
[2] Bereshit Rabba, seç. 51. fol. 46. 1. Midrash Rute, fol. 35. 4.
[3] Mattanot Cehunah & Jade Moseh em ib.
[4] Na 3 enviado distinto 3. art. 2.

Nenhum comentário:

Postar um comentário