2009/07/01

Introdução Bíblica: Livro de Ageu

AGEU, PROFETA, INTRODUÇÃO, ESTUDO, ESBOÇO, LIVROEscritor: Ageu
Lugar da Escrita: Jerusalém
Escrita Completada: 520 AEC
Tempo Abrangido: 112 dias (520 AEC)

O livro de Ageu é o de número 37 no cânon das Escrituras. Ageu era seu nome; profeta e “mensageiro de Yehowah” era sua posição, mas qual era sua origem? (Ageu 1:13) Quem era ele? Ageu é o décimo dos chamados profetas menores, e foi o primeiro dos três que serviram depois que os judeus retornaram à sua terra natal em 537 AEC, sendo os outros dois Zacarias e Malaquias. O nome de Ageu (em hebraico, Hhag·gaí) significa “[Nascido Numa] Festividade.” Isto talvez indique que nasceu num dia festivo.

Segundo transmitido pela tradição judaica, é razoável concluir que Ageu nasceu em Babilônia, retornando a Jerusalém junto com Zorobabel e o sumo sacerdote Josué. Ageu serviu lado a lado com o profeta Zacarias, e em Esdras 5:1 e 6:14 os dois são descritos incentivando os filhos do exílio a reiniciar a construção do templo. Foi profeta de Yehowah em dois sentidos, pois tanto exortou os judeus a cumprir com seus deveres para com Deus como também predisse, entre outras coisas, o tremor de todas as nações. — Ageu 2:6, 7.

Por que comissionou Yehowah a Ageu? Pelo seguinte motivo: Em 537 AEC, Ciro havia emitido o decreto que permitia aos judeus retornar à sua terra natal para reconstruir a casa de Yehowah. Mas já estavam em 520 AEC, e faltava muito para terminar o templo. Os judeus haviam permitido que, durante todos esses anos, a oposição dos inimigos, junto com sua própria apatia e seu materialismo, os impedissem de cumprir o próprio objetivo de seu retorno. — Esd. 1:1-4; 3:10-13; 4:1-24; Ageu 1:4.

Como mostra o registro, tão logo se lançou o alicerce do templo (em 536 AEC), “o povo da terra enfraquecia continuamente as mãos do povo de Judá e o desalentava com respeito à construção, e contratava conselheiros contra eles para frustrar seu conselho”. (Esd. 4:4, 5) Por fim, em 522 AEC, tais opositores não-judeus conseguiram paralisar a obra por meio duma proscrição oficial. Foi no segundo ano do reinado do rei persa Dario Histaspes, isto é, em 520 AEC, que Ageu começou a profetizar, e isto incentivou os judeus a reiniciar a construção do templo. Nisto, os governadores vizinhos enviaram uma carta a Dario, solicitando uma decisão sobre o assunto; Dario fez vigorar outra vez o decreto de Ciro e defendeu os judeus de seus inimigos.

Nunca houve dúvida entre os judeus quanto à profecia de Ageu pertencer ao cânon hebraico, e isso também é apoiado pela referência a ele em Esdras 5:1, como tendo profetizado “em nome do Deus de Israel”, bem como em Esdras 6:14. O que prova que sua profecia faz parte de ‘toda a Escritura inspirada por Deus’ é que Paulo a cita em Hebreus 12:26: “Agora ele tem prometido, dizendo: ‘Ainda mais uma vez porei em comoção não só a terra, mas também o céu.’” — Ageu 2:6.

A profecia de Ageu consiste em quatro mensagens proferidas no decorrer de 112 dias. Seu estilo é simples e direto, e sua ênfase ao nome de Yehowah é especialmente digna de nota. Em seus 38 versículos, ele menciona o nome de Yehowah 35 vezes, 14 vezes na expressão “Yehowah dos exércitos”. Não deixa dúvida de que sua mensagem procede de Deus: “Ageu, o mensageiro de Yehowah, prosseguiu dizendo ao povo de acordo com a comissão de mensageiro da parte de Deus, dizendo: ‘“Eu estou convosco”, é a pronunciação de Yehowah.’” — 1:13.

Este era um tempo muito importante na história do povo de Deus, e o trabalho de Ageu revelou-se muitíssimo proveitoso. Ele não hesitou nem um pouco em cumprir sua tarefa como profeta, e não usou de rodeios com os judeus. Foi direto ao dizer-lhes que já era tempo de pararem de procrastinar e hora de pôr mãos à obra. Era tempo de reconstruir a casa de Deus e de restabelecer a adoração pura, se quisessem gozar de prosperidade às mãos de Deus. O teor inteiro da mensagem de Ageu é que para se usufruir bênçãos da parte de Deus, é preciso servir ao verdadeiro Deus e realizar a obra que Yehowah ordena que seja feita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário