2009/08/07

Comentário de John Gill: João 1:11

comentário do evangelho de joão
1:11 - Ele veio aos seus próprios,... Não todo o mundo que é dele por força de criação; porque estes, os seus próprios, são opostos ao mundo, e distintos deles;[1] e a sua vinda para eles projeta algum favor em particular, que não é concedida a todos: nem ainda é o eleito de Deus pretendido aqui; embora eles sejam de Cristo, em um sentido muito especial; eles são dele pela Sua própria escolha, pelo presente do seu Pai, pela sua própria compra, e pela conquista da sua graça, e são os objetos do seu amor especial; e por causa deles que ele entrou na carne, e a eles ele vem de uma maneira espiritual, e pela causa deles que ele aparecerá uma segunda vez ao último dia na salvação: mas eles não podem ser as pessoas intencionadas aqui, porque quando ele vem a eles, eles o recebem; considerando que estes não o fizeram, como afirma a próxima cláusula: mas pelos “seus próprios” é significado o corpo inteiro da nação Judia; assim chamado, porque eles eram escolhidos por Deus acima de todos os povos; os favores distintivos que foram dados neles, como a adoção, as convenções, as promessas, a lei, e o serviço de Deus; e a Shekiná, o símbolo da Presença Divina de uma maneira notável entre eles; e a promessa do Messias, que era de uma maneira particular feita a eles; e realmente, ele tinha que nascer deles, de forma que eles eram a sua própria família, o seu próprio povo, e a sua própria nação: e a vinda dele para eles não será entendida da sua encarnação; embora quando ele entrou na carne, como ele veio deles, assim ele veio a eles, sendo enviado particularmente às ovelhas perdidas da casa de Israel,[2] e foi rejeitado por eles como o Messias; ainda, a sua encarnação é mencionada depois em João 1:14, como uma coisa nova e distinta disso; e entender isto de alguma vinda dele antes da sua encarnação, melhor se adapta com o contexto, e o desígnio do evangelista. Agora Cristo, a Palavra, veio aos judeus antes da sua encarnação, não só em tipos, pessoais e reais, e em promessas e profecias, e na palavra e ordenações, mas pessoalmente; sobre Moisés no arbusto,[3] e deu ordens para levar os filhos de Israel para fora do Egito: ele veio e os resgatou com uma mão poderosa, e um braço estendido; no seu amor os conduziu pelo Mar Vermelho como em chão seco; e pelo deserto em uma coluna de nuvem de dia, e uma coluna de fogo à noite; e ele apareceu a eles no Monte Sinai, onde os deu os oráculos do Deus vivo:

E os seus próprios não o receberam;... Eles não acreditaram nele, nem obedeceram a sua voz; eles se rebelaram contra ele, e o testaram várias vezes em Massa e Meribá
[4]; eles o provocaram ao furor e magoaram o Espírito Santo, quando eles, mais tarde, desprezaram o seu Evangelho pelos profetas. Dessa concepção da Palavra da parte dos Judeus, e sua punição, o Targum em Oséias 9:17 assim fala:

“Meus Deus removerá eles para longe, porque, לא קבילו למימריה, “eles não receberam a sua Palavra”; e eles vaguearam entre os povos.”

E assim eles trataram esse mesmo “Logos”, ou a Palavra de Deus, quando ele se fez carne, e habitou entre eles. De alguma forma notável é o discurso de alguns dos Judeus entre eles:
[5]

“Quando a Palavra de Deus veio, que é seu Mensageiro, nós o honraremos. Diz R. Saul, não vieram os profetas, e os mataram, e derramaram o seu sangue? (Compare com Mateus 23:30) Como agora, נקבל מדברו, “receberemos a sua palavra?” ou, portanto, acreditaremos? Diz R. Samuel, o Levita, a ele, porque ele os curará, e os livrará em suas destruições; e por causa de seus sinais nós acreditaremos nele, e o honraremos.”

Mas eles não fizeram isso.


___________
Notas

[1] Cf. João 17:9. N do T.
[2] Cf. Mateus 15:24. N do T.
[3] Cf. Êxodo 3:2. N do T.
[4] Cf. Salmos 95:8-9. N do T.
[5] Ben Arama em Gen. xlvii. 4. apud Galatin. de Arcan. Cathol. Ver. l. 3. c. 5,

Nenhum comentário:

Postar um comentário