2009/08/10

Comentário de John Gill: João 2:1

Comentário de John Gill: João 2:1
2:1 E no terceiro dia houve um casamento,... Ou do segundo testemunho dado por João Batista concernente a Cristo, e do chamado de Simão Pedro, que parece ser da mesma data; veja João 1:35, ou da vinda de Cristo para a Galileia; ou da conversa que ele tinha tido com Natanael; de onde a data é tira é algo que não importa; o primeiro é harmônico, como qualquer um. Há muito disputa e muitas regras com os Judeus sobre os tempos, e dias do casamento:

“Uma virgem, (eles dizem)[1] casa no quarto dia (da semana), e uma viúva no quinto, porque o Sinédrio senta na cidade duas vezes na semana, no segundo e no quinto dia; de forma que, se há qualquer disputa sobre a virgindade, ele (o marido) possa, no tempo apropriado, ir ao Sinédrio.”

Essa era uma lei que foi obtida desde os tempos de Esdras; porque se diz:[2]

“Antes da ordem de Esdras, uma mulher podia ser casada em qualquer dia;”

Mas em tempos posteriores, dias das festividades, e os dias de sábados, eram particularmente exceções. Um dos seus escritos diz:[3]

“Eles não se casam com uma mulher em um dia festivo, nem virgens, nem viúvas:”

A razão disso era que ele não devia misturar a alegria com outra; e para que um homem não deixasse a alegria da festividade pela alegria de sua espsoa. O relato de Maimônides[4] fala desses vários aspectos:

“É legal se casar em qualquer dia comum, até mesmo no nono dia de Ab, se pelo dia, ou à noite; mas eles não se casam com as esposas na noite do Sábado, nem no primeiro dia da semana: o decreto é, para que o sábado não fosse profanado por estarem preparando o banquete; porque o noivo é empregado sobre o banquete: e não há nenhuma necessidade para dizer que é ilegal se casar com uma esposa no dia de sábado; e nem sequer no dia comum de um banquete, eles não se casam com as esposas, como explicamos nós; porque eles não misturam uma alegria com outra, como Gên. 29:27 diz, “cumprindo a semana dela, e nós também” daremos para ti isto: mas no resto dos dias é legal se casar com uma esposa, qualquer dia agrada um homem; porque ele deve ser empregado no banquete de matrimônio três dias antes do matrimônio. Um lugar no qual o Sinédrio não senta, mas só, no segundo e quinto dia é que uma virgem pode ser casada, no quarto dia; que se há qualquer objeção à virgindade dela, ele (o marido dela) pode ir, a qualquer momento, ao Sinédrio: e é um costume dos homens sábios que aquele que se casa com uma pessoa que já tinha sido casada, ele pode se casar no quinto dia que assim ele pode alegrar-se com ela no quinto dia, e na noite do Sábado, (i.e. o sexto,) e no dia do Sábado, e pode ir adiante para o trabalho dele no primeiro dia.”

Mas, em outro lugar, é dito que:[5]

“Agora eles costumam casar no “sexto dia da semana”.”

Sim,[6] que...

“É legal casar e fazer a festa no dia de sábado.”

Mas se este matrimônio era de uma virgem, ou uma viúva, não pode ser conhecido; nem com certeza pode ser dito em que dia da semana que era: se aquele dia fosse um dia de sábado no qual os discípulos foram com Cristo, como Dr. Lightfoot conjetura, então deve ser no primeiro dia em que o Cristo entrou na Galiléia, e achou Filipe, e conversou com Natanael; e se este terceiro dia for contado segundo o testemunho de João, deve ser em uma terça-feira, o terceiro dia da semana; mas se de Cristo está entrando na Galiléia, então deve ser em uma quarta-feira, o quarto dia da semana, o dia fixado pelo cânon judeu para o matrimônio de uma virgem. Este matrimônio foi...

Em Caná da Galiléia. As versões Siríaca e Persa leem: em “Cotne, uma cidade da Galiléia”; e que, no mapa Judaico, é chamado בגליל קטנא, “Katna” na “Galiléia”, e é situada na tribo de Zebulão, que estava na Galiléia, e não longe de Nazaré; e está longe de ser o mesmo lugar aqui; embora seja mais geralmente achado[7] que Caná, na tribo de Asher, mencionado em Josué 19:28 que estava também na Galiléia é aqui mencionada; e é assim chamado para distinguir de uma outra Caná, na tribo de Efraim, Josué. Josefo[8] fala de uma cidade, ou vila da Galiléia, chamada Caná, que era um dia de viagem dela para Tiberíades, e parece ser o mesmo lugar: um outro escritor Judaico[9] disse:

“Para mim, parece que Cefer Canania, é a Cofer Caná; ou a vila de Cans, como é claro na Misna Sheviith, c. 9. sect. 1”

Que também está de acordo com isso. Agora no caso do casamento, havia alguma diferença entre Judéia e Galiléia, e certas regras foram colocadas relacionadas a isso: e é dito:[10]

“Há três países, para a celebração dos casamentos; Judéia, o país além do Jordão, e a Galiléia;”

Ou seja, que eram obrigados a casar entre eles; de forma que se qualquer um casasse com uma esposa fora desses países, ela não era obrigada a ir com ele de um país a outro:[11]

“Eles não o trazem para fora de cidade para cidade, (i.e obrigar eles de irem de cidade em cidade); mas no mesmo país que eles os tiravam de cidade em cidade.”

E em outro lugar é observado:[12]

“Na Judéia, no princípio, eles uniam o noivo e noiva uma hora antes de eles entrarem na câmara de núpcias, para que assim o seu coração pudesse se animar com ela; mas na Galiléia não fizeram eles assim: na Judéia, no princípio, eles designavam para eles dois companheiros, um para ele, e outro para ela, para que eles pudessem auxiliá-los, ou atender ao noivo, e a noiva, quando eles entravam na câmara de núpcias; mas na Galiléia não faziam eles assim: na Judéia, no princípio, os companheiros dormiam na casa onde o noivo e a noiva dormiam; mas na Galiléia não faziam eles assim.”

Depois, nós temos um relato de pessoas que estavam presentes no casamento:

E a mãe de Jesus estava lá;… Que parece ter sido a principal pessoa no casamento, e era oficial, quando o vinho acabou, ela mencionou isso para seu filho, e ordenou aos servos fazer o que quer que ele ordenasse: e visto que ela, e Jesus, e seus irmãos, estavam todos lá, então parece que era alguém dos seus parentes que estava casando: e visto que esses irmãos eram aparentados com Jesus, Simão, Judas, e José, os filhos de Cleofas ou Alfeusm, cuja esposa era irmã da mãe de nosso Senhor; e visto um deles, para distingui-lo de Simão Pedro, é chamado de Simão o cananita, ou um habitante de Caná, como alguns tem pensado; e portanto, é conjecturado pelo Dr Lightfoot, que Alpheus tinha uma casa em Caná, e que sua família habitava ali, e foi para um dos da sua família que a festa tinha sido feita; veja João 2:2. José, o marido de Maria, talvez, já tivesse morrido, visto que nenhuma menção é feita dele aqui, nem em qualquer outro lugar, como vivo, depois que Cristo entrou no seu ministério público.


__________
Notas
[1] Misn. Cetubot, c. 1. seç. 1.
[2] T. Bab. Cetubot, fol. 3. 1.
[3] Misa. Moed Katon, c. 1. seç. 7. & T. Bab. Moed Katon, fol. 8. 2. & 18. 2.
[4] Hachot Ishot, c. 10. seç. 14, 15.
[5] Piske Toseph. Cetubot, art. 6.
[6] Ib art. 28.
[7] Jerom de Locis Hebraicis, fol. 90. B.
[8] Em vita sua.
[9] Juchasin, fol. 57. 2.
[10] Misn. Cetubot, c. 13. sect. 10. T. Hieros. Cetubot, fol. 36. 2.
[11] Bartenora em ib.
[12] T. Bab. Cetubot, fol. 12. 1.

Nenhum comentário:

Postar um comentário