2009/10/29

Visão Panorâmica das Epístolas Paulinas

Visão Panorâmica das Epístolas Paulinas

Visão Panorâmica das Epístolas Paulinas


O apóstolo Paulo é o autor do maior número de livros do NT, em número de 13.

As Primeiras Epístolas Paulinas

a) Gálatas – Escrita por Paulo em Corinto, no ano 57. Os gálatas tinham sido evangelizados por Paulo. Todavia, depois que Paulo saiu da Galácia, chegaram lá uns “cristãos judaizantes” (pregadores que diziam: “Se não vos circuncidardes segundo o costume de Moisés, não podereis ser salvos” At.15.1b). Eram judaizantes, porque queiram que os crentes se fizessem judeus, para serem salvos. Ao que Paulo era totalmente contrário, tendo enfrentando até ao próprio Pedro por causa disto, Ef.2.11-14.

Assunto - Independência do Evangelho. A palavra principal é LIBERDADE. Em Gálatas está a ênfase de que o crente é salvo pela fé, isto é, quem se acha escravo por causa da lei, agora pode ficar livre pela fé em Cristo, pois “o homem não é justificado por obra da lei, e sim, mediante a fé em Cristo Jesus” (2.16), porque “o justo viverá pela fé” (3.11); aqui Paulo cita o VT (Hc.2.4) mostrando que, desde a antiga dispensação o plano de Deus é salvar o pecador mediante a fé e não por meio das obras.

Ensinos principais – Os gálatas haviam ouvido de Paulo a mensagem da salvação em Cristo, de graça, mediante a fé. Mas, os judaizantes os confundiram, com a idéia de mistura com a lei. Paulo lhes escreve indignado por eles terem aceitado tal idéia, e exclama: “Ó gálatas insensatos! Quem vos fascinou a vos outros ante cujos olhos foi Jesus Cristo exposto como crucificado? Quero apenas saber isto de vós: recebestes o Espírito pelas obras da lei ou pela pregação da fé?” (3.1,2).

Ao tratar do sério caso dos gálatas, Paulo escreveu de próprio punho, pelo menos uma parte (6.11) de sua carta. Ao dispensar o seu escriba, que sempre escrevia as cartas que ele ditava, Paulo demostrava o seu zelo pelas ovelhas que estavam sob os seu cuidados.

Tão sério foi o desvio dos crentes gálatas para o legalismo, que Paulo chamou tal movimento de “outro evangelho”(1.6.7) e recomenda que nenhuma mensagem estranha, venha de onde vier, de anjo ou até do próprio Paulo, jamais poderia ser aceita (1.8,9).

A lei da semeadura e da colheita está no final da epístola (6.6-10) e a sua base é “de Deus não se zomba” (v.7).

b) 1ª Tessalonicenses – Escrita por Paulo em cerca de 53, quando estava em Corinto. A cidade de Tessalônica ainda existe, com o nome de Salônica. Pertencia a Macedônia. Paulo fundou aquela igreja, depois que saiu de Filipos (At.17.1-4). A carta foi levada por Timóteo.

Assunto – A volta de Cristo é o tema principal. Para esperar a volta do Senhor, Paulo recomenda a santificação, conservação da esperança, pois, sua volta é iminente e existe uma recompensa para o servo fiel.

Ensinos Principais – Em Tessalônica, Paulo foi acusado de transtornar o mundo (At.17.6). Isso mostra a dinâmica do trabalho do apóstolo. Fala do conceito adquirido pela igreja tessalonicenses (1.8) e adverte acerca da pureza (4.1-5). Dá a doutrina da ressurreição (4.13-18) e dá uma lista de recomendações: “Regozijai-vos sempre. Orai sem cessar. Em tudo dai graças ... Não extinguais o Espírito. Não desprezeis as profecias. Examinai tudo. Retende o bem. Abstende-vos de toda aparência do mal.”(5.16-22).

c) 2ª Tessalonicenses – Paulo escreveu esta epístola logo após a primeira, no ano de 53 AD. A igreja dos tessalonicenses ia bem. Sua fé crescia muitíssimo (1.3). Mas, uma falsa epístola os havia confundido (2.2) Paulo apela que nada deveria demovê-los de sua firmeza da fé.

Assunto – A expressão “epístola como de nós”, indica uma perturbação criada por alguém que, maldosamente, teria forjado uma epístola como se fosse escrita por Paulo, afirmando que a consumação do “dia de Cristo” era para aqueles dias. Paulo o desmente, afirmando: “não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus... (2.3,4). Não há referências ao VT porque a epístola era dirigida a gentios, que não conheciam as Escrituras.

Ensinos principais - O ensino principal é sobre a Segunda vida de Cristo. A referência ao “homem do pecado” esclarece pontos importantes da Escatologia (o estudo sobre as últimas coisas), pois referem-se ao anticristo, que é a besta referida no Apocalipse, contra os que aceitaram o falso ensino da volta iminente de Cristo e que não queiram mais trabalhar, Paulo diz: “ ...se alguém não quiser trabalhar, não coma também. Porquanto ouvimos que alguns entre vós andam desordenadamente, não trabalhando...
 (3.10,11). O princípio ensinado por Paulo é que, embora creiamos na volta de Cristo a qualquer momento, devemos viver nossa vida normal.

Um comentário:

Anônimo disse...

excelente palavra, que Deus o abençoe

Postar um comentário