2010/08/24

Livro de Isaías — Problema da Autoria

ESTUDO BIBLICOS, TEOLOGICOS, LIVRO DE ISAÍAS
Esta parte importante do livro de Isaías há muitos anos que apresenta espinhosos problemas de ordem crítica, e nenhum estudo do livro no seu conjunto seria completo sem referência a este assunto. Há quase um século que se afirma, se põe em dúvida e se nega que tenha sido Isaías o autor dos capítulos 40 a 66. Esta seção do livro tem sido designada por nomes diversos, como “o Isaías Babilônico”, “o Deutero-Isaías” e “O Grande Anônimo”, que são já lugares-comuns na literatura. Muitos admitirão prontamente, com o Prof. A. B. Davidson, que tal problema “diz exclusivamente respeito aos fatos e à crítica, não constituindo matéria de fé ou prática”. Admitir-se-á talvez, também, que de ambos os lados o critério tem sido influenciado pela atitude do estudioso perante a profecia preditiva. Nesta breve introdução, a nossa finalidade será reproduzir tão objetivamente quanto possível os principais argumentos aduzidos em apoio das duas teses, visto nada se ganhar com votar ao desprezo a argumentação apresentada por aqueles que discordam de nós.

No Dictionary of the Bible, de Hastings, G. A. Smith escreve o seguinte: “Os capítulos 40 a 66 não têm título nem reivindicam Isaías como autor. Os capítulos 40 a 48 referem-se claramente à ruína de Jerusalém e ao exílio como fatos transatos. O autor dirige-se a Israel como se tivesse já passado o tempo da sua servidão em Babilônia, e proclama a libertação do povo eleito como imediata. Chama a Ciro o salvador de Israel, referindo-se-lhe como tivesse já encetado a sua carreira e sido abençoado com o êxito por Jeová. Porquanto, como parte da argumentação a favor da divindade única do Deus de Israel, Ciro, “vivo, irresistível e já bafejado pelo triunfo, é apontado como prova insofismável de que se haviam começado a realizar as velhas profecias respeitantes à libertação de Israel. Em suma, Ciro é apresentado, não como predição, mas como prova do cumprimento de uma predição. Se não tivesse já aparecido em cena, e em vésperas de atacar Babilônia com todo o prestígio dos seus triunfos constantes, grande parte dos capítulos 40 a 48 seria ininteligível”. Há, assim, uma data bem nítida a atribuir a esses capítulos; devem eles ter sido escritos entre 555 a.C., data do advento de Ciro e 538 a.C., data da queda de Babilônia".

Esta citação apresenta da forma mais lúcida o problema que tem de enfrentar todo aquele que estuda o livro de Isaías. Além disso, é de extrema importância assinalar os diferentes pontos de vista das duas principais divisões do livro. Nos capítulos 1 a 39, por exemplo, é evidente que o profeta se dirige à sua própria geração, levando a uma situação sua contemporânea a mensagem viva do seu Deus; mas os capítulos 40 a 66 dirigem-se a uma geração surgida século e meio mais tarde, os cativos de Babilônia. Não há dúvida de que o Espírito de Deus se poderia muito bem ter servido de Isaías para falar a uma geração vindoura e de que a predição constitui um elemento incontroverso na profecia. Todavia, aqueles que consideram estes capítulos como tendo sido escritos por um autor pertencente a uma data mais avançada afirmam que isso é forçar o critério e contrariar em grande parte o procedimento normal dos profetas de Israel, através dos quais a mensagem divina se fazia ouvir poderosamente em relação com situações vivas. Se os capítulos 40 a 48 se referem de forma tão evidente à ruína de Jerusalém e ao exílio como fatos já passados, não se deverá aceitar como provável, dizem eles, que a mensagem dirigida nesses versículos aos filhos de Israel proviesse de alguém que vivia no seu seio?

Nenhum comentário:

Postar um comentário