2014/10/14

Comentário de Apocalipse 5:1-13 (J. W. Scott)

Comentário de Apocalipse 5

APOCALIPSE 5, COMENTÁRIO, ESTUDO, LIVROO vidente continua a descrever o que ele via: concernente ao livro selado com sete selos (vers. 1), escreve Zahn, "A própria palavra biblion permite várias interpretações, porém, para os leitores de então, foi designado além da possibilidade de erro pelos sete selos da parte de fora. Da mesma maneira como na Alemanha, antes da introdução de ordens de dinheiro, todo o mundo sabia que continha dinheiro a carta que era selada com cinco selos, assim o membro mais simples das igrejas asiáticas sabia que um biblion segurado com sete selos era um testamento. Quando um testador morria, era trazido o testemunho e, quando possível, aberto na presença das sete testemunhas que o selaram; isto é, era desselado, lido em voz alta e executado... O documento com sete selos é o símbolo da promessa de um futuro reino. A disposição há muito tempo ocorreu e era documentada e selada, porém ainda não era executada... Quanto à abertura dos selos, o ponto de comparação não é tanto que ninguém sabia do conteúdo da vontade de Deus, como ele ainda aguardava a concretização. Ninguém é autorizado a abrir o testemunho senão o Cordeiro; o Cristo que há, de voltar abrirá o testemunho de Deus e executá-lo-á" (Introduction to the New Testament, Vol. III, págs. 393 e segs.). O anjo precisa ser forte (2), desde que a sua voz tem que ser ouvida através do céu, da terra e da esfera dos mortos (3). Debaixo da terra significa Hades (cfr. Ef 4.9; Fp 2.10). O Leão da tribo de Judá (Gn 49.9), a raiz de Davi (Is 11.1-10), ganhou a vitória para todo o tempo, em virtude da sua morte e ressurreição, a fim de abrir o livro e desatar os seus sete selos (5). A redenção feita por Cristo tinha em vista o estabelecimento em poder do reino de Deus. A descrição do Cordeiro (6) combina dois usos mui diferentes desta figura no pensamento hebraico. Ele estava como havia sido morto e assim nos lembra do cordeiro imolado de Is 53.7; Jesus é o Servo; sofrendo em inocência por causa dos homens. Por outro lado, o cordeiro tem sete pontas; uma ponta no Velho Testamento simboliza poder (Sl 75.4-7) e dignidade real (Zc 1.18); Jesus tem poder real em medida completa (O significado de sete); pela sua vitória Ele cumpre a esperança do Judaísmo que um Cordeiro-Guerreiro se erguesse e redimisse a Israel dos seus inimigos (ver Tes. Simeão 19.8). A natureza da vitória redentora de Cristo, contudo, era muito diferente das expectações correntes dos judeus. Observa-se que o Cordeiro uma só vez imolado possui os sete Espíritos de Deus enviados a toda a terra (6). Cfr. Jo 16.7 e segs. No Velho Testamento os sete olhos (significando onisciência) pertencem a Jeová (Cfr. Zc 4.10). Ainda que os quatro seres viventes se prostrem em adoração com os vinte e quatro anciãos, parece que somente estes têm as harpas e salva de ouro cheias de incenso (8). A natureza angélica dos anciãos é confirmada pela descrição do seu oferecimento das orações dos santos; no Judaísmo esta tarefa é feita pelos arcanjos (ver Tobias 12.15; Test. Levi 3.7). Os seres viventes e os anciãos cantam um novo cântico (9), porque Cristo abriu uma nova era pela sua obra redentora e dentro em breve consumará a sua vitória no reino triunfante de Deus, Cfr. Is 42.9-10, que fala do novo cântico num contexto semelhante. A redenção é vista como uma compra, ao preço da vida de Cristo, uma redenção do poder escravizador e hostil do pecado. Não devemos insistir na figura a ponto de responder, ou mesmo postular, a pergunta, "A quem foi pago o preço?". Não era para se fazer nunca aquela pergunta. Note-se nos vers. 9 e 10, "... compraste para Deus homens... e os fizeste reis e sacerdotes...". Ser "um reino e sacerdotes" era a vocação de Israel (Êx 19.6), um privilégio dado também à Igreja (1Pe 2.9). Uma versão segue a mais difícil, e por conseguinte a mais provável, interpretação da segunda parte de vers. 10, "eles reinam (não reinarão) sobre a terra". Possivelmente isto sugira a noção que cristãos, não dignidades imperiais, são os verdadeiros soberanos da terra até mesmo nesta dispensação. Mais provavelmente seja uma referência proléptica ao reino milenário dos santos (ver Ap 20.4-6), e nesse caso errôneo é considerar o milênio como o reino de somente os mártires ressurretos, pois esta referência abrange a Igreja toda. As multidões angélicas agora levantam suas vozes no cântico de louvor ao Cordeiro (11-14; cfr. Dn 7.10). A doxologia se refere ao poder e às bênçãos recebidas por Cristo no início do seu reino messiânico (ver Ap 11.17). Toda a criação no céu, na terra, no mar e no hades (13) unem suas vozes à hoste de anjos e arcanjos. Eles cantam o louvor, não somente do Cordeiro, nem de Deus somente, mas de Deus e do Cordeiro conjuntamente. A posição exaltada de Cristo em relação a Deus e ao universo não podia ser mais claramente defendida.






Apocalipse 1:1-20 Apocalipse 2:1-28 Apocalipse 3:1-22 Apocalipse 4:1-11 Apocalipse 5:1-13 Apocalipse 6:1-17 Apocalipse 7:1-17 Apocalipse 8:1-13 Apocalipse 9:1-23 Apocalipse 10:1-11 Apocalipse 11:1-19 Apocalipse 12:1-18 Apocalipse 13:1-18 Apocalipse 14:1-20 Apocalipse 15:1-8 Apocalipse 16:1-21 Apocalipse 17:1-18 Apocalipse 18:1-24 Apocalipse 19:1-21 Apocalipse 20:1-15 Apocalipse 21:1-27


Veja também...

O Filho do Homem Glorificado no Apocalipse
Apocalipse e a Simbologia das Sete Igrejas
Parábolas do Livro de Apocalipse
O Livro de Apocalipse no Novo Testamento

Interpretação de Apocalipse 1
Interpretação de Apocalipse 2-3
Interpretação de Apocalipse 4-5
Interpretação de Apocalipse 6
Interpretação de Apocalipse 7 e 8
Interpretação de Apocalipse 9, 10 e 11
Interpretação de Apocalipse 12 e 13
Interpretação de Apocalipse 14, 15 e 16
Interpretação de Apocalipse 17, 18 e 19
Interpretação de Apocalipse 20 e 21
Interpretação de Apocalipse 22


Nenhum comentário:

Postar um comentário