Interpretação de Jeremias 32

Interpretação de Jeremias 32

Interpretação de Jeremias 32






Jeremias 32

3) Jeremias Resgata um Campo em Anatote. 32:1-44.
Por meio dessa atitude, que aconteceu durante o cerco final de Jerusalém, Jeremias provou sua fé na restauração da Palestina depois do cativeiro. A lei do resgate ordenava que se um hebreu necessitado estivesse para vender sua terra a fim de pagar suas dívidas, seu parente próximo devia resgatar a terra – isto é, comprá-la para devolvê-la ao dono. A atitude de Jeremias teve significado maior quando lembramos que Anatote já tinha caído nas mãos dos inimigos; assim, sua atitude não teria significado se não fosse pela esperança de restauração.

a) A Ordem Divina. 32:1-8.
1. Ano décimo. Jerusalém caiu no ano seguinte. Já estava enfrentando o cerco.
2. A história do aprisionamento de Jeremias foi narrada em 37:11-21.
7. Resgate. Cons. parágrafo introdutório acima; Lv. 25:23-28. Anatote. O lugar do nascimento de Jeremias (cons. 1:1, observação).

b) O Resgate da Terra. 32:9-15.
Um exemplo interessante de transação comercial daquele tempo.
9. Pesei. Considerando que não havia dinheiro em moedas, os pagamentos eram feitos pesando-se o metal precioso. Dezessete siclos. Cerca de sete onças. Provavelmente o campo era pequeno.
10. Assinei a escritura... chamei testemunhas. As testemunhas eram sempre importantes nas transações legais. Cons. uma transação imobiliária anterior, onde não houve escritura, Rute 4:1-12.
11. Duas cópias da escritura eram tiradas, provavelmente em papiro. Uma era enrolada e lacrada para evitar falsificação, e a outra ficava à disposição dos interessados.
12. Baruque. A primeira menção do secretário de Jeremias, que escreveu grande parte do livro de Jeremias sob a orientação do profeta.

c) A Reação de Dúvida de Jeremias. 32:16-25.
A compra foi feita, mas uma onda de dúvidas tomou conta do profeta e ele orou com o espírito angustiado. Sua oração é um tanto parecida com a oração dos levitas registrada em Ne. 9:6-38.
18. Misericórdias. Veja observação referente a 9:24.
20. Sinais e maravilhas na terra do Egito. Cons. Êx. 7:8 - 12:36. Até ao dia de hoje. Provavelmente esta frase modifica a declaração que se segue.
24. Trincheiras (do cerco). Caldeus. Veja observação referente a 21:4.
25. A oração irrompe quando o profeta sente a incongruência de sua atitude tão inconsistente com a situação da terra que está sendo perdida para os babilônios. Contudo ele não vai se estender mais detalhadamente sobre as suas dúvidas.

d) A Misericordiosa Resposta de Deus. 32:26-44.
O Senhor conforta e tranquiliza o seu profeta dizendo-lhe que embora a cidade venha a cair como ele esteve profetizando, haverá uma restauração, quando o povo tornará a comprar e vender na terra de Judá.
27. Com grande delicadeza Deus insiste com Jeremias a que tenha mais fé, retomando a declaração do próprio profeta (v. 17), como se lhe perguntasse: "Jeremias, você realmente crê no que disse?"
34. Abominações; isto é, ídolos. Havia ídolos até mesmo no Templo de Jerusalém (cons. Ez. 8: 3-11).
35. Veja observações a 7:29, 31; 19:13.
38-40. Veja observações referentes a 31:31-34.
44. Região montanhosa. Veja observações referentes a 17:26. Planícies. O Sefelá (cons. 17:26, observação). Sul. O Neguebe. (Cons, 13:19, observação). Porque lhes restaurarei a sorte. Veja observação referente a 29:14.

Índice: Jeremias 1 Jeremias 2 Jeremias 3 Jeremias 4 Jeremias 5 Jeremias 6 Jeremias 7 Jeremias 8 Jeremias 9 Jeremias 10 Jeremias 11 Jeremias 12 Jeremias 13 Jeremias 14 Jeremias 15 Jeremias 16-17 Jeremias 18 Jeremias 19 e 20 Jeremias 21-22 Jeremias 23 Jeremias 24-25 Jeremias 26 Jeremias 27 Jeremias 28-29 Jeremias 30 Jeremias 31 Jeremias 32 Jeremias 33-34 Jeremias 35-36 Jeremias 37-38 Jeremias 39-40 Jeremias 41, 42 e 43 Jeremias 44-45 Jeremias 46 Jeremias 47-48 Jeremias 49 Jeremias 50 Jeremias 51-52