Significado de Isaías 36

Significado de Isaías 36
Significado de Isaías 36

Isaías 36

36.1—39.8 — Essa ponte histórica entre os cap. 1—35 e 40—66 consiste de duas partes:
(1) a fé de Ezequias diante da ameaça assíria (cap. 36 e 37);
(2) a fé vacilante de Ezequias em face da doença (cap. 38 e 39).

36.1—37.38 — Essa seção do livro confirma as previsões de Isaías de que o Senhor:
(1) destruiria Judá por meio da Assíria (Is 36.1);
(2) sitiaria Jerusalém (Is 36.2-22);
(3) salvaria os remanescentes fiéis (Is 37.1-35) e destruiria os assírios (Is 37.36-38).

Isaías proclama que o pecado e a confiança depositada no lugar errado são causa de derrota; em contrapartida, o arrependimento e a fé no Senhor trazem a salvação (2 Rs 18.13— 19.37; 2 Cr 32.1-23).

36.1 — O décimo quarto ano do reinado solo do rei Ezequias foi 701 a.C. Todas. Em seus anais, Senaqueribe menciona ter atacado 46 cidades.

36.2 — Rabsaqué pode ter sido o conselheiro pessoal do rei. Grande exército. Leia sobre a derrota desse destacamento em Isaías 37.36. Cano. Veja uma referência semelhante em Isaías 7.3.

36.3 — Eliaquim[...] Sebna. Saiba mais acerca desses dois homens em Isaías 22.15-23.

36.4,5 — Somente o líder assírio é chamado rei aqui, e não Ezequias. Isso indica como os assírios se julgavam importantes.

36.6 — Judá não deu crédito aos insistentes avisos de Isaías quanto à inutilidade de confiar noEgito (Is 19.14-16; 30.3,7; 31.3). Agora ouvem a mesma advertência da boca do inimigo.

36.7 — Tirou. Ezequias destruiu os altares e plataformas idólatras que seu pai, Acaz, havia construído (2 Rs 18.1-5; 2 Cr 31.1-3).

36 .8 — Cavaleiros. Miqueias menciona os soldados de Jerusalém como um simples esquadrão (Mq 5.1) comparado com o enorme exército misto da Assíria (Mq 4-11).

36 .9 — A um só príncipe dos mínimos. Judá não tem esperança de derrotar as tropas que os cercam.

36.10 — O Senhor mesmo me disse. Os antigos conquistadores do Oriente Médio gostavam de alegar que os deuses dos inimigos derrotados haviam passado para o lado dos vencedores (2 Cr 35.21). Essas palavras a respeito do Senhor, contudo, não passam de bravata.

36.11,12 — O siríaco era a língua diplomática internacional da época.

3 6 .1 3 ,1 4 — Rabsaqué fala em judaico de propósito, para provocar o povo. Ele quer que suas palavras sejam entendidas pelos cidadãos de Jerusalém.

Não vos engane. Rabsaqué estruturou seu discurso de forma a desanimar rapidamente quem o ouvisse.

36.15-17 — E vos leve. Os assírios tinham o costume de exilar os povos que conquistavam (2 Rs 15.29; 17.6).

36.18-21 — Rabsaqué está presumindo que, em Samaria, não são adorados os mesmos deuses que em Jerusalém. Assim, repete alguns dos sentimentos expressos pelo rei assírio em Isaías 10.10,11.

36.22 — As palavras do inimigo deixam Ezequias descontente. Os vestidos rasgados indica que os mensageiros lhe trouxeram más notícias (37.1).