2015/09/25

Jó 1 — Comentário de Matthew Henry


Jó 1 — Comentário de Matthew Henry

Jó 1 — Comentário de Matthew Henry



Jó 1

Versículos 1-5: A piedade e a prosperidade de Jó; 6-12: Satanás consegue permissão para provar a Jó; a perda das propriedades de Jó e a morte de seus filhos; 20-22: A paciência e a piedade de Jó.

Vv. 1-5. Jó era rico e, não obstante, piedoso. Ainda que difícil e incomum, não é impossível que um rico entre no reino dos céus, pois pela graça de Deus podemos vencer as tentações das riquezas deste mundo. O relato da piedade e prosperidade de Jó antecede a história de suas grandes aflições, e mostra que nada o salvará dos problemas. Ainda que Jó contemplasse com satisfação a harmonia e o bem-estar de seus filhos, seu conhecimento sobre o coração humano o fazia temer por eles. Ele os enviava e sacrificava por eles, a fim de lembrar-lhes que deveriam examinar-se a si mesmos, confessarem seus pecados, procurar o perdão e, como quem espera atenção da parte de Deus através do Salvador prometido, ele oferecia um holocausto para cada um deles. Percebemos o seu cuidado para com seus filhos, seu conhecimento sobre o pecado e sua dependência total da misericórdia de Deus, da maneira que Ele tem designado.

Vv. 6-12. As aflições de Jó começaram pela maldade de Satanás, com a permissão do Senhor para propósitos sábios e santos. O inimigo de Deus e de toda a justiça procura continuamente tirar do caminho e, se possível, destruir os que amam a Deus. Não sabemos até aonde a sua influência pode ir; porém, provavelmente muita instabilidade e infelicidade dos cristãos podem ser atribuídas a ele. Enquanto nos encontramos na terra, estamos ao seu alcance. Por isso, cabe a nós estar sóbrios e sempre atentos (1 Pe 5.8).

Observe aqui como Satanás censura a Jó. Esta é a maneira pela qual os caluniadores comumente agem; eles sugerem algo do qual não têm motivo, para fazer pensar que a sua mentira é verdade. Assim como devemos abominar a hipocrisia, também não podemos ser contados e chamados de hipócritas. Nada há de mal em colocar os nossos olhos na recompensa eterna de nossa obediência; porém, é mau colocá-la nas vantagens terrenas de nossa religião.

O povo de Deus e todos os que a Ele pertencem estão sob a sua proteção especial. A bênção de Deus enriquece, e o próprio Satanás admite isso. Foi Deus quem permitiu que Jó fosse provado. Nosso consolo é saber que Deus aprisionará o Diabo (Ap 20.1,2). Ele não tem poder para forçar os homens a pecar, a menos que estes o permitam; nem tampouco tem meios para afligir os homens, se estes não vierem do alto. Tudo isto está aqui escrito para nós, conforme a maneira dos homens. A Escritura fala dessa forma para nos mostrar que Deus dirige todos os assuntos da humanidade.

Vv. 13-19. Satanás ocasionou os transtornos na vida de Jó em um dia em que os filhos deste patriarca começavam suas festas. Todos os problemas recaíram sobre ele de uma só vez; enquanto um mensageiro de más noticias falava, outro chegava. As possessões mais valiosas e queridas de Jó eram os seus dez filhos, e trazem-lhe a notícia que estes estão mortos. Foram arrebatados quando Jó mais necessitava deles para o consolar pelas outras perdas. somente em Deus encontramos ajuda real em todos os momentos.

Vv. 20-22. Jó se humilhou debaixo da mão de Deus. Ele argumenta a partir do estado comum da vida humana, coisa que descreve. Nenhum dos bens que possuímos trouxemos ao mundo; trabalhamos por eles ou os recebemos de outras pessoas. Jó se encontra reduzido ao seu primeiro estado por causa de todas as suas perdas. Ele está justamente onde deveria encontrar-se no final, e somente é despojado, ou melhor, descarregado um pouco antes do que esperava. A pessoa que se despe muito antes de ir dormir sente-se menos confortável do que quem veste o seu pijama pouco antes de se deitar. Da mesma forma, o que o deu também o tirou. veja como Jó olha por cima dos instrumentos e mantém seus olhos fixos na causa principal. As aflições não devem nos desviar da fé, mas nos estimular a ela. se olharmos para o Senhor em todos os nossos problemas, Ele nos sustentará.

O Senhor é justo. Tudo o que possuímos é por sua dádiva; podemos perdê-la por causa do pecado, e não deveríamos nos queixar se Ele nos tira uma parte. O nosso descontentamento e impaciência tornam-se uma acusação contra o Senhor. Jó vigiou-se cuidadosamente contra eles, e assim devemos também fazer quando reconhecemos que Deus tem agido sabiamente. Que a maldade e o poder de Satanás tornem mais precioso para nós este Salvador, que veio destruir as obras do Diabo. AquEle que, por nossa salvação, sofreu por parte desse inimigo muitíssimo mais do que sofreu Jó, ou do que podemos pensar.






Nenhum comentário:

Postar um comentário