Significado de Isaías 52

Significado de Isaías 52

Significado de Isaías 52


Isaías 52

52.1 — O duplo clamor ao Senhor — desperta, desperta — também é ouvido em Isaías 51.9,17. A cidade santa (Is 48.2) contrapõe-se à Babilônia, lugar incircunciso e imundo. Ordena-se que Jerusalém (1.8; 40.1,9) desperte porque ela está livre para sempre de seus opressores desprezíveis. Sião. Os exilados são identificados de acordo com a cidade de origem (Is 40.1,9). A fortaleza de Sião é como vestes formosas que adornam uma rainha-mãe (Is 61.10). As hordas babilônicas não só serão expulsas da terra (Is 49.17), como também nunca mais entrarão em Sião (Na 1.15; Ap 21.27; 22.14,15).

52.2,3 — A ordem levanta-te e assenta-te evoca a imagem de uma rainha subindo ao trono. Solta-te. Veja outras imagens de cativos libertados em Isaías 42.7; 48.20; 51.14.

52.4 — Para peregrinar lá. A frase sugere que Israel depende da hospitalidade egípcia, mas o texto presume que os egípcios traíram essa confiança. Sem razão não significa que Israel não tenha pecado (Is 42.23-25), e sim que não havia feito mal nem ao Egito nem à Assíria.

52.5 — Aqui é uma referência à Babilônia. A justiça de Deus requer que os que fazem Israel dar uivos sejam castigados e que Israel será libertado. O meu nome é blasfemado. Veja uma acusação semelhante em Isaías 37.23,24.

52.6 — O meu povo são os exilados remidos. Saberá o meu nome alude a Êxodo 3.13,14; 6.2. O Senhor glorifica Seu nome prevendo o cumprimento da promessa de redenção do v. 3.

52.7 — A visão é dos pés daquele que foge do campo de batalha pelos montes em direção à cidade ansiosa por notícias (2 Sm 18.26). As gloriosas boas-novas desse mensageiro falam de salvação, no sentido de libertação vitoriosa (Is 49.8). E o anúncio do bem. A ideia também aparece no Novo Testamento como espalhar as boas novas do evangelho. A declaração: O teu Deus reina! é amparada pela história: o Senhor controla todos os poderes da terra.

52.8 — Os teus atalaias são os que anseiam pela salvação (Is 21.11; 62.6).

52.9,10 — O Senhor desnudou o seu santo braço para poder lutar com mais eficácia (Is 40.10; 51.9; Êx 6.6). Os confins da terra. Veja expressões semelhantes em Isaías 45.22; 48.20.

52.11 — Retirai-vos, retirai-vos. Veja outra ocorrência de ordem duplicada em Isaías 51.9,17. Não toqueis coisa imunda. Veja outras passagens sobre consagração: 2 Coríntios 6.17; Hebreus 12.14; 13.13; 1 Pedro 2.1-12; Apocalipse 18.4. No primeiro êxodo, Israel levou ouro e prata do Egito; no segundo, a nação virtuosa levará os utensílios feitos desses metais preciosos (2 Rs 25.14,15; Ed 1.7-11; 5.14,15).

52.12 — Diante e retaguarda aludem à coluna de nuvens e fogo que protegeu Israel em sua fuga do Egito (Is 42.16; 49.10; 58.8; Êx 13.21,22; 14.19,20).

O Senhor [...] o Deus de Israel. A coluna de nuvem e fogo representava, na verdade, o próprio Senhor (Êx 33.9-11).

52.13—53.12 — O quarto Cântico do Servo forma a unidade central dos cap. 44—66, prevendo a morte do Servo pelos pecados de Seu povo. Essa divisão do livro consiste de três seções: (1) o Pai elogia a obra do Servo (52.13-15); (2) Israel confessa tê-lo desprezado (53.1-9); (3) a profecia continua, explicando o significado da morte do Servo (53.10-12). Essa passagem é muito citada no Novo Testamento, onde o Servo é identificado como Jesus Cristo (Lc 22.37; 24-27,46; 1 Co 15.3; IPe 1.11).

52.13 — Engrandecido, e elevado, e mui sublime podem ser três ocorrências sucessivas: a ressurreição do Servo, Sua ascensão e Sua glorificação (Rm 4.24,25); ou as três expressões podem estar simplesmente ressaltando a grande exaltação do Servo do Senhor (Fp 2.9-11).

5 2.14 — A sua aparência estava tão desfigurada [...] mais do que a dos outros filhos dos homens. O povo ficará aterrorizado diante da aparência do Servo. Ele estará tão desfigurado que nem parecerá humano.

52.15 — As nações são representadas por seus reis. Eles fecharão a boca em sinal de respeito e admiração.