2015/09/04

Significado de Jeremias 11

Significado de Jeremias 11 

Significado de Jeremias 11




Jeremias 11

11.1-17 — Essa seção evidencia o conhecimento de Jeremias sobre o concerto descrito em Deuteronômio e as determinações a respeito de bênçãos e maldições. Um concerto é um tratado legal ou um relacionamento entre indivíduos, entre nações, ou — como no caso de Israel — entre uma nação e seu Deus. O concerto determinava direitos, obrigações e responsabilidades das partes que realizavam o acordo.

A estrutura da passagem é a seguinte:
(1) exortação à obediência (Jr 11.1-7);
(2) desobediência de Judá (Jr 11.8-10);
(3) julgamento de Judá (Jr 11.11-14); e
(4) rejeição da amada do Senhor (Jr 11.15-17).

Provavelmente, essa passagem foi registrada nos primeiros anos do reinado de Jeoaquim, por volta de 609—605 a.C., quando o povo deixou de obedecer à aliança mosaica.

11,1,2 — A mensagem de Jeremias, vinda do Senhor, nesse trecho está fortemente associada ao livro de Deuteronômio. O termo traduzido como palavras é o nome hebraico do livro de Deuteronômio; também é utilizado para se referir aos termos do concerto.

11.3 — Maldito sugere os aspectos negativos da aliança resumidos em Dt 27.26 (Dt 27 e 28 na íntegra).

11.4 — Fornalha de ferro. Essa terminologia é retirada diretamente de Dt 4.20, apresentado em um contexto de uma advertência contra a adoração a ídolos. Fazei conforme. A obediência é a chave para as bênçãos (Dt 27.10; 28.1-14).

11.5,6 — Para que confirme o juramento. A bênção da terra, como prometida a Abraão, dependia da lealdade à aliança por parte do povo. As palavras Judá e Jerusalém representam uma maneira padronizada de se referir a toda a nação de Israel.

Ouvi [...] e cumpras. Esses termos demonstram a reação correta em relação à Lei de Deus.

11.7,8 — A forma enfática da expressão em hebraico deveras protestei destaca o histórico sobre os clamores contínuos e urgentes da parte de Deus — madrugando — para que sua nação lhe fosse fiel, desde o êxodo até o presente. A mensagem tem sido a mesma desde o início. Obedecer. Dai ouvidos também significa obedecer. O termo hebraico traduzido como propósito significa teimosia ou obstinação.

11.9,10 — Conjuração é uma trama com intenção vil. Tornaram. O povo voltara aos caminhos de seus primeiros pais, que se haviam rebelado contra Deus e a aliança. Andar após significa servir ou adorar. Os reinos do norte e do sul tinham praticado a idolatria e violado o primeiro dos Dez Mandamentos.

11.11 — Pelo fato de o coração da nação ser maligno, Deus iria trazer mal sobre o povo. A justiça de Deus é inevitável quando o pecado é algo intrínseco ao caráter de alguém. Ainda que o povo clamasse em desespero, Deus não ouviria.

11.12,13 — Em vez de aceitar a punição de Deus e se arrepender de seus maus caminhos, a nação preferiu clamar a outros deuses em busca de libertação. Os altares de incenso (Jr 1.16; 7.9) e os sacrifícios se tornariam objetos de vergonha.

11.14 A condição de Judá estava determinada. A oração de Jeremias não daria resultado (Jr 7.16; 14.11).

11.15,16Minha casa. A nação não tinha o direito de adorar no templo de Deus enquanto se curvava diante de outros deuses.

11.17 — O termo traduzido como plantou remete ao tema de 2.21, a ideia de que Deus havia estabelecido Israel como sua melhor videira. No entanto, o contexto fala de um mal iminente resultante da maldade praticada pelo povo de Deus.

11.18-23 — A desobediência e a obstinação da nação são exemplificadas pelos habitantes da cidade natal de Jeremias. O profeta fiel, rejeitado por seus compatriotas, revela um paralelo na expulsão de Jesus da cidade de Nazaré (Mt 13.53- 58). Nessa seção, Jeremias tipifica a vida de nosso Senhor. O profeta responde com um oráculo de julgamento contra o povo de Anatote. O oráculo é seguido pelas palavras de desespero de Jeremias (12.1-6).

11.18,19 — O Senhor mo fez saber. Deus revelou a Jeremias um plano que estava sendo tramado contra sua vida.

Como um manso cordeiro, que levam à matança. Essa ilustração remete a Is 53.7 e ao sacrifício de Jesus Cristo. Os habitantes de Anatote haviam imaginado projetos para o assassinato do profeta do Senhor.

Destruamos [...] cortemo-lo [...] não haja mais memória do seu nome. A trama é apresentada por meio de três expressões, algo típico do estilo literário de Jeremias. A rejeição por parte dos amigos e a ameaça de assassinato são motivos para uma profunda depressão.

11.20 — Jeremias apelou para a vingança de Deus, por ser Ele o único Juiz justo. Pensamentos, literalmente os órgãos internos do corpo, era a maneira de se referir à base das emoções humanas. Coração diz respeito à base do intelecto e da vontade.

Vingança descreve a fúria e a ira de Deus contra o pecado que exige punição.

11.21-23 — As ameaças de morte que os homens de Anatote fizeram contra Jeremias devem ter sido bastante preocupantes ao profeta, pelo fato de Anatote ser sua terra natal. Portanto, ele foi traído provavelmente por pessoas íntimas. Os homens de Anatote insistiram que Jeremias não profetizasse no nome do Senhor. Se Jeremias tivesse aceitado essa exigência, estaria repudiando seu chamado, sua própria identidade e seu Deus. A ameaça de morte a Jeremias foi respondida por meio da punição dos jovens, bem como das crianças. A previsão de morte por meio de fome cumpriu-se quando a cidade foi cercada pelos babilônios nos dias de Zedequias.

Índice: Jeremias 1 Jeremias 2 Jeremias 3 Jeremias 4 Jeremias 5 Jeremias 6 Jeremias 7 Jeremias 8 Jeremias 9 Jeremias 10 Jeremias 11 Jeremias 12 Jeremias 13 Jeremias 14 Jeremias 15 Jeremias 16 Jeremias 17 Jeremias 18 Jeremias 19 Jeremias 20 Jeremias 21 Jeremias 22 Jeremias 23 Jeremias 24 Jeremias 25 Jeremias 26 Jeremias 27 Jeremias 28 Jeremias 29 Jeremias 30 Jeremias 31 Jeremias 32 Jeremias 33 Jeremias 34 Jeremias 35 Jeremias 36 Jeremias 37 Jeremias 38 Jeremias 39 Jeremias 40 Jeremias 41 Jeremias 42 Jeremias 43 Jeremias 44 Jeremias 45 Jeremias 46 Jeremias 47 Jeremias 48 Jeremias 49 Jeremias 50 Jeremias 51 Jeremias 52

Nenhum comentário:

Postar um comentário