2015/09/04

Significado de Jeremias 13

Significado de Jeremias 13 

Significado de Jeremias 13




Jeremias 13

13.1,2 — Cinto de linho. Essa peça de vestuário era como uma saia curta utilizada pelos homens. Jeremias não deveria lavá-la.

13.3-5 — Jeremias foi ordenado a levar seu cinto de linho até o rio Eufrates e escondê-lo entre as rochas. Como essa era uma longa viagem de algumas centenas de quilômetros — uma jornada que levaria dois ou três meses — alguns teólogos sugerem que o local, geralmente traduzido como Eufrates, ficasse na Palestina. [Alguns estudiosos acreditam que, em vez de a cabeceira do rio Eufrates, tratava-se da vila de Pará, traduzida usualmente como Eufrates, pois no hebraico soletram-se da mesma maneira Parah e Eufrates. Além disso, essa vila ficava a cerca de 5 km a nordeste de Anatote. Contudo, isto é uma conjectura.]

13.6,7 — Pelo fato de o cinto de Neemias estar sujo e ter ficado exposto às intempéries, tinha apodrecido e para nada prestava.

13.8-11 — Assim como o cinto de Jeremias foi arruinado (Jr 13.7), a soberba de Judá apodreceria. Soberba aqui descreve uma conduta de autopromoção que caracterizava Israel em seu amor por ídolos. Essa soberba é explicada por meio de três expressões verbais.

Recusa a ouvir [...] caminha segundo o propósito do seu coração [...] anda após deuses alheios. O cinto de Jeremias no versículo 1 simbolizava o Judá preservado nos primeiros dias de sua devoção a Deus, firmemente preso a ele por meio da aliança. Entretanto, como esse cinto apodreceu próximo do rio Eufrates, assim também Judá se prejudicou ao fazer alianças com a Assíria, a Babilónia e os deuses estrangeiros.

13.12 — A citação de Jeremias de um provérbio bastante conhecido sobre a bênção de abundância de vinho seria rebatida com uma resposta depreciativa. O jarro (ara) era uma vasilha de barro utilizada para guardar vinho, água e óleo.

13.13 — A bênção se tornou em dissolução entre os líderes e cidadãos de Jerusalém. A relação de reis, sacerdotes, profetas e habitantes é um meio de retratar a religião e a política da nação listando suas diferentes partes constituintes.

13.14 — Os jarros de vinho da ira de Deus seriam esmagados e rompidos, a descrição de uma nação devastada. O trio de sinônimos para misericórdia — perdoar, poupar e compadecer — reforça a situação desesperadora de Judá.

13.15 — Ensoberbeçais aqui refere-se à autopromoção do povo e ao desprezo pela palavra falada por Deus.

13.16 — Dar glória a Deus significa exaltá-lo ou adorá-lo. Esse versículo adverte sobre as consequências de fracassarmos em glorificar a Deus. Vários sinônimos em hebraico para trevas estão presentes nesse versículo, aprofundando a impressão do desgosto divino em relação ao Seu povo. Nos montes tenebrosos que dominavam o território de Judá, onde caminhar na escuridão era perigoso, nenhuma esperança ou luz podia ser vista.

13.17 — Jeremias foi instruído a não orar pelo povo rebelde de Judá (Jr 7.16; 11.14; 14.11), porém, ele expressou em lugares ocultos seu profundo lamento pelo rebanho do Senhor, que fora levado para o exílio.

13.18,19 — O rei e a rainha são Joaquim e sua mãe, Neústa, que foram exilados por Nabucodonosor (2 Rs 24.8-12) após apenas três meses no trono de Jerusalém.

Humilhai-vos. Jeremias aconselhou a família real a submeter-se à Babilônia. Judá havia criado várias fortalezas no sul que serviam como uma importante linha de defesa desde os dias de Salomão até Zedequias. Elas eram uma fonte de orgulho para o exército, mas foram destruídas pelos assírios e, de novo, pelos babilônios.

13.20 — Os que vêm do norte refere-se aos babilônios.

13.21 — Sobre ti como cabeça [...] os ensinaste. Esse versículo parece indicar que Judá havia cooperado com seus inimigos à medida que eles passaram a dominar a nação. A metáfora do parto apresenta Judá colhendo frutos de seu trabalho em sofrimento e angústia.

13.22 — Descobriram-se as tuas fraldas. Judá seria envergonhada por seus conquistadores da mesma maneira que uma prostituta era exposta publicamente.

13.23 — A pergunta retórica negativa confirma a inabilidade de Judá de mudar seus próprios caminhos. A nação havia reforçado seu hábito de fazer o mal (Jr 4.22) por tanto tempo que agora não sabia como fazer o bem.

13.24,25 — A consequência da contínua rebelião de Judá seria a dispersão de seus habitantes como palha ou restolho soprado pelo vento do deserto. A palavra traduzida como mentiras é um dos termos-chave que Jeremias utiliza para se referir à adoração falsa a divindades estrangeiras.

13.26,27 — Descobrirei as tuas fraldas refere-se à exposição pública (Jr 13.22). Como Judá havia procurado relacionamentos adúlteros com deuses e deusas estrangeiras, Deus iria expor e trazer sua vergonha. Adultérios literalmente significa pecados contra o matrimônio. Aplicado a Israel, esse termo descreve um envolvimento com os deuses de outras nações. Rinchos refere-se a animais no cio procurando acasalar. Enormidade da tua prostituição descreve tanto a prostituição física como espiritual.

Índice: Jeremias 1 Jeremias 2 Jeremias 3 Jeremias 4 Jeremias 5 Jeremias 6 Jeremias 7 Jeremias 8 Jeremias 9 Jeremias 10 Jeremias 11 Jeremias 12 Jeremias 13 Jeremias 14 Jeremias 15 Jeremias 16 Jeremias 17 Jeremias 18 Jeremias 19 Jeremias 20 Jeremias 21 Jeremias 22 Jeremias 23 Jeremias 24 Jeremias 25 Jeremias 26 Jeremias 27 Jeremias 28 Jeremias 29 Jeremias 30 Jeremias 31 Jeremias 32 Jeremias 33 Jeremias 34 Jeremias 35 Jeremias 36 Jeremias 37 Jeremias 38 Jeremias 39 Jeremias 40 Jeremias 41 Jeremias 42 Jeremias 43 Jeremias 44 Jeremias 45 Jeremias 46 Jeremias 47 Jeremias 48 Jeremias 49 Jeremias 50 Jeremias 51 Jeremias 52

Nenhum comentário:

Postar um comentário