2015/09/04

Significado de Jeremias 5

Significado de Jeremias 5 

Significado de Jeremias 5



Jeremias 5

5.1-9 — Esses versículos trazem uma descrição da iniquidade. A profundidade da iniquidade de Jerusalém fez com que ela estivesse pronta para receber o julgamento de Deus. A desintegração da vida social, moral e ética da cidade é a justificativa para a destruição que a espera.

5.1 — Semelhante ao pedido de Abrão para que Sodoma fosse poupada por causa dos poucos fiéis que havia entre seus habitantes (Gn 18.16-33), Jeremias também conclamou o povo a procurar, na cidade de Jerusalém, pessoas justas e retas. Que pratique a justiça descreve uma pessoa que fazia o que era correto perante Deus e os homens.

5.2 — Utilizada várias vezes pelos profetas nos dias de Jeremias para introduzir os oráculos divinos ou por pessoas em juramentos (Jr 4.2), a expressão Vive o Senhor invoca o nome de Deus e Seu caráter.

Falsamente. Esse termo é bastante utilizado em Jeremias (3.23; 7.9) e resume o colapso do relacionamento entre Deus e Israel. Em vez de jurar com justiça, verdade e retidão, o povo jurava falsamente.

5.3 — Deus sempre procura a verdade (Jr 5.1) e a fidelidade. Quando a verdade não pode ser encontrada em Judá, Deus pune o povo de Jerusalém por meio de uma invasão estrangeira. Entretanto, em vez de reagir com remorso e arrependimento, o povo se rebela.

O termo hebraico traduzido como correção significa castigo ou disciplina. Às vezes pode significar instrução. Os profetas geralmente se referem à tentativa de Deus de ensinar Seus filhos a serem fiéis por meio da disciplina ou do castigo (Jr 7.28). Entretanto, apesar das palavras de Jeremias e de outros profetas, Israel se recusou a aceitar a correção divina e continuou no caminho da autodestruição.

A afirmação de que endureceram as suas faces mais do que uma rocha enfatiza a atitude rebelde do povo.

5.4 — Aqui, o termo pobres é apresentado em paralelo com a palavra loucos, um termo pouco comum, utilizado por Isaías (19.13) para dizer que a nação havia sido enganada. Portanto pobres refere-se àqueles que carecem do conhecimento de Deus e se mostram insensíveis à Sua instrução, desprezando Sua vontade.

5.5,6 — A grandiosidade é alcançada não por riqueza e poder, mas por conhecimento de Deus e obediência a Ele. O verbo sabem refere-se a um conhecimento íntimo e pragmático. Aqui, o conhecimento diz respeito ao caminho do Senhor — um caminho caracterizado pela verdade, a justiça e a retidão. Jeremias descreve Judá como um boi que quebrou o jugo, vagando sem rumo pelos campos, guiado por seu próprio desejo. Por terem quebrado o jugo, estão entregues aos elementos e aos animais selvagens da floresta e do deserto. Os animais simbolizam as nações estrangeiras que fariam um cerco na cidade. As causas da devastação são as muitas transgressões, significando rebeliões, e as apostasias, ou desvios, de Judá.

5.7 — A mensagem continua sendo transmitida aos líderes de Judá (Jr 5.5). A palavra perdoaria indica o perdão que não pode ser concedido se não há arrependimento. Não são deuses. O uso dessa expressão, presente também em Jeremias 2.11 e 16.20, é equivalente à uma declaração de nulidade a respeito das divindades estrangeiras que Judá adorava. As palavras teus filhos referem-se aos filhos dos líderes, que são filhos dos homens, e não de Deus. Eu ter fartado significa que Deus satisfizera todas as necessidades do povo. Adulteraram [...] casa de meretrizes. Esse trecho refere-se ao adultério físico, embora a fonte dessa conduta sexual imoral possa ter sido a presença de prostitutas cultuais pagãs. Os profetas geralmente chamavam a prostituição cultual de adultério.

5.8 — No contexto das reformas de Josias, os homens podem-ter se afastado das prostitutas cultuais, as quais o rei havia expulsado, e passado a procurar prostitutas comuns. Insatisfeitos com os bordéis, procuraram então as esposas uns dos outros. Como cavalos bem fartos, sua lascívia era incontrolável.

5.9 — O termo hebraico traduzido como castigar significa literalmente visitar, e pode ser usado para ilustrar a visitação de Deus por meio de Sua misericórdia (SI 65.9) ou Sua ira. Nesse trecho, claramente o significado é a ira.

5.10,11 — Um adversário não identificado é chamado pelo Senhor para atacar Jerusalém, mas não para destruí-la totalmente. As gavinhas (ara). O s membros infiéis e degenerados seriam podados por não pertencerem a Deus.

5.12 — O povo negava o Senhor, dizendo que Ele não estava prestes a trazer uma terrível derrota. Eles enganaram-se, convencendo-se de que Deus não iria punir Seu próprio povo e esquecendo-se dos efeitos negativos da desobediência à aliança (Dt 27; 28).

5.13 — Falsos profetas como Hananias (Jr 28.11) haviam predito um período de paz e libertação do domínio e da destruição dos inimigos. Entretanto, a palavra deles era como o vento. A própria espada (Jr 5.12) que eles negavam iria selar seu destino.

5.14 — O Deus dos Exércitos. Essa expressão lembra o ouvinte de que o verdadeiro Deus de Israel controla todas as forças no céu e na terra. Tal palavra se refere à proclamação de Jeremias, que declarava as palavras do Senhor com a intensidade de um fogo ardente.

5.15 — O profeta verdadeiro Jeremias anuncia a chegada iminente de uma nação robusta a partir de terras distantes que iria realizar o propósito divino. A nação não é mencionada, indicando que esse oráculo foi declarado antes do advento da Babilônia sob o governo de Nabopolassar e Nabucodonosor. A única informação é a de que o inimigo usava um idioma desconhecido ao povo de Jerusalém.

5.16— Aljava [...] sepultura aberta. Os arqueiros inimigos eram mortais, suas flechas traziam a morte certa ao seus adversários.

5.17 — A palavra comerão é utilizada várias vezes nesse versículo para transmitir uma imagem do inimigo consumindo campos, rebanhos e fortificações.

5.18 — Em meio a uma profecia de julgamento, Jeremias inclui uma palavra de esperança. A expressão naqueles dias indica o julgamento de Deus que cairia sobre Seu povo. Deus não iria destruí-lo, mas faria com que sofresse terrivelmente. Um dos temas notáveis da Bíblia é a doutrina do remanescente, a parte do povo que Deus preservava. Apenas o remanescente do povo após a devastação de Jerusalém por parte dos babilônios, em 586 a.C., retornaria 70 anos mais tarde. Entretanto, foi predito que haveria um remanescente para retornar (Jr 46.28).

5.19 — Em resumo, Jeremias repete duas expressões-chave, descrevendo os pecados de Judá e de Israel: deixastes (abandono) e deuses estranhos (idolatria; vejajr 1.16; 2.13). Como Judá persistiu em adorar os deuses das terras estrangeiras, Deus permitiu que o povo fosse deportado para servir a seus inimigos.

5.20-31 — Esses versículos apresentam descrições complementares e uma reiteração dos pecados de Judá. O povo era negligente, rebelde contra Deus e abusava de seus semelhantes.

5.20 — Casa de Jacó. Mesmo após a queda do reino do norte, o profeta continuou falando de Israel. Não ocorreu uma destruição completa das tribos do norte como normalmente se supõe.

5.21 — Louco. Esse termo enfatiza a ignorância do povo a respeito dos caminhos de Deus. A expressão paralela sem entendimento (ara) demonstra sua condição mental. Os olhos cegos e os ouvidos surdos de Judá foram um cumprimento da profecia de Isaías, declarada mais de um século antes (Is 6.10).

5.22,23 — Temer a Deus é reconhecer Sua majestade e se submeter à Sua vontade. A pergunta retórica negativa destaca a recusa de Judá em se submeter a Deus. Em vez disso, curvava-se aos muitos deuses estrangeiros totalmente impotentes. Deus controla o mar, o reino dos deuses cananeus mitológicos (Is 27.1). Israel temia o mar, por isso contratava os fenícios (adoradores de Leviatã) para conduzir seus navios (1 Rs 10.22). Os israelitas eram ignorantes sobre o poder que seu próprio Deus exercia sobre o mar (Sl 93).

5.24,25 — O temor ao Senhor é associado aqui com a criação do mundo natural. Nosso Deus. Esse título indica a intimidade da aliança entre o Senhor e Seu povo, o que infelizmente estava faltando no coração e na mente dos israelitas. Que dá chuva. No culto de fertilidade dos cananeus, Baal era tido como aquele que enviava chuvas para enriquecer o solo e garantir a produtividade (lR s 17.1). A vitória de Elias contra Baal e Aserá no monte Carmelo demonstrou que o Deus de Israel era o verdadeiro provedor (lRs 18).

Temporã. As primeiras chuvas chegavam no outono, de setembro a outubro. As chuvas tardias, na primavera, que durava até março ou abril. Pelo fato de não haver chuva nos meses de verão na Palestina, a água era um bem precioso. Semanas. O termo hebraico implícito também é o nome de um festival de peregrinação comemorado sete semanas após a Páscoa. A Festa das Semanas (conhecida também como Tabernáculos e Trigo Novo) servia como um período para que o povo celebrasse as ricas bênçãos de Deus por meio da colheita. No ritual da Páscoa, feixes de cevada eram balançados perante o Senhor. Na Festa das Semanas, os feixes de trigo recém colhidos eram apresentados perante o Senhor como sinal de Sua misericórdia com as plantações. Infelizmente, os ímpios não reconheciam o Senhor; haviam-se enamorado dos deuses dos assírios e dos moabitas (tais como Baal e Aserá). O Deus vivo das Escrituras não pode ser um entre vários; somente Ele é Deus (Dt 6.4).

5.26-29 — ímpios. Os responsáveis por garantir o bem-estar de toda a população tinham abusado de sua posição, explorando os menos afortunados da sociedade israelita. A ilustração fala de pássaros, ou dos pobres, sendo engaiolados por homens engrandecidos que acumulavam riquezas à custa dos órfãos e dos necessitados (Dt 10.18).

5.30,31 — Jeremias descreve a depravação moral dos líderes de Judá como uma coisa espantosa e horrenda. A deterioração da liderança alcançou até os profetas e sacerdotes, que deveriam dar exemplo de justiça. Os profetas foram encarregados de proclamar a verdade, a justiça, a retidão e a vontade de Deus. Os sacerdotes eram os mestres da lei, bem como os supervisores dos sacrifícios. Ambos haviam sucumbido à tentação do abuso de poder, rejeitando a responsabilidade como mensageiros e servos do Senhor.

Índice: Jeremias 1 Jeremias 2 Jeremias 3 Jeremias 4 Jeremias 5 Jeremias 6 Jeremias 7 Jeremias 8 Jeremias 9 Jeremias 10 Jeremias 11 Jeremias 12 Jeremias 13 Jeremias 14 Jeremias 15 Jeremias 16 Jeremias 17 Jeremias 18 Jeremias 19 Jeremias 20 Jeremias 21 Jeremias 22 Jeremias 23 Jeremias 24 Jeremias 25 Jeremias 26 Jeremias 27 Jeremias 28 Jeremias 29 Jeremias 30 Jeremias 31 Jeremias 32 Jeremias 33 Jeremias 34 Jeremias 35 Jeremias 36 Jeremias 37 Jeremias 38 Jeremias 39 Jeremias 40 Jeremias 41 Jeremias 42 Jeremias 43 Jeremias 44 Jeremias 45 Jeremias 46 Jeremias 47 Jeremias 48 Jeremias 49 Jeremias 50 Jeremias 51 Jeremias 52

Um comentário:

Missionária Cleide Rodrigues Cleidinha disse...

A quem escreve estes textos, Deus seja louvado por sua(s) vida(s), sempre esclarecendo a Palavra de Deus, assim crescemos na graça e no conhecimento. Que o Senhor continue o(S) usando e abençoando :)

Postar um comentário