2015/09/04

Significado de Jeremias 50

Significado de Jeremias 50 

Significado de Jeremias 50




Jeremias 50

50.1—52.64 — O último oráculo é contra a grande nação da época, a Babilônia de Nabucodonosor. Esse longo trecho é composto de várias proclamações poéticas curtas contra a nação que, de um lado, era usada como servo do Senhor (Jr 25.9), e, de outro, atuava como arqui-inimiga do povo de Deus.

O capítulo anterior enfocou o papel da Babilônia como servo do Senhor no julgamento das nações. Estes dois falam sobre: (1) a ruína iminente da Babilônia e a derrota de seus muitos deuses, principalmente Marduque, o deus padroeiro da cidade e da nação; e (2) a restauração dos judeus à sua terra natal.

50.1 — Os caldeus, ou babilônios, foram vassalos da Assíria até a revolta de Nabopolassar, que obteve o controle da Babilônia em 626 a.C. N a bucodonosor, filho de Nabopolassar, que sucedeu seu pai no trono em 605 a.C., foi o monarca caldeu mais forte e que reinou por mais tempo. Após a morte de Nabucodonosor, a nação sofreu um grande declínio. Em 539 a.C., foi conquistada por Ciro, aparentemente sem muito esforço.

50.2,3 — Bei era um título como Baal, que significava senhor, utilizado para Merodaque, outro nome da divindade padroeira da Babilônia, Marduque. ídolos [...] deuses. O oráculo começa com uma difamação aos deuses da Babilônia. O termo traduzido como deuses significa fezes de animais. Os profetas hebreus falavam abertamente contra os ídolos, usando de bastante sarcasmo. Do Norte. A nação invasora não é mencionada, no entanto com base em registros históricos sabemos que Ciro atacou a Babilônia a partir do norte após derrotar a cidade de Sipar.

50.4,5 — Israel e Judá seriam restaurados se buscassem o Senhor em arrependimento, requisitando auxílio para voltarem para casa. Eles teriam um concerto eterno com o Senhor de quem não mais se esqueceriam e quem não rejeitariam outra vez (Ez 16.60).

50.6,7 — O termo pastores refere-se aos príncipes, sacerdotes e profetas da nação que estimularam o povo a pecar contra o Senhor, sua verdadeira fonte de esperança e sustento (Jr 23.1-4).

50.8-10 — O discurso volta-se para os judeus, que iriam fugir da Babilônia como carneiros de um rebanho.

50.11-13 — O saque na Babilônia seria a punição por aquele reino ter apreciado a destruição de Judá e o abuso para com a herança de Deus. A grande Babilônia será a última das nações. Difamação, seca, devastação, desolação e escárnio seriam o destino da Babilônia (Jr 18.16; 19.8; 49.17).

50.14-16Cercar [...] rodear. Os inimigos atacariam por todos os lados, à medida que aquela que havia sido instrumento de Deus se tornasse objeto de sua ira.

50.17-20 — O Senhor havia utilizado a Babilônia para punir a Assíria por deportar Israel; agora utilizaria outro inimigo vindo do norte para trazer o castigo sobre a Babilônia. O resultado seria a restauração de Israel e de Judá e o perdão de suas iniquidades e pecados, o motivo de sua ruína (Jr 5.25; 16.10,18; 31.34; 33.8).

50.21-28 — Inteiramente destrói. A situação mudaria para a Babilônia, o martelo estava prestes a ser quebrado e destruído de todo. O Senhor Jeová dos Exércitos havia lançado suas armas de vingança sobre a cidade através de seu servo, Ciro (2 Cr 36.22, 23; Is 45.1).

50.29-34 — O governante sábio e justo iria pleitear a causa dos filhos oprimidos de Judá e garantiria sua redenção. O redentor era a pessoa que assegurava a liberdade de um parente, protegendo os direitos familiares. Aqui Deus, o Redentor de Israel (Is 47.4), oferece-se para garantir a libertação de seu povo do cativeiro.

50.35-46 — A espada de Deus iria destruir todos os elementos da grandeza da Babilônia — seus líderes, suas armas e suas riquezas. Cairá a seca sobre as suas águas. A Babilônia foi construída em ambos os lados do Eufrates, e a região ao sul da Mesopotâmia era recortada por canais de irrigação. O Senhor iria lançar seu julgamento contra a Babilônia como havia feito nos dias de Elias.

Um comentário:

Unknown disse...

achei muito boa este esboço, acredito que ficaria melhor versículo por versículo isso é que eu acho.

Postar um comentário