2015/11/13

Estudo sobre Jó 11

Estudo sobre Jó 11




Jó 11


Estudo sobre Jó 11.1
Fala Zofar (Jó 11.1-20)
JÓ É REPREENDIDO (Jó 11.1-6). Zofar repreende bruscamente Jó pela prodigalidade das suas palavras loucas e vazias. Jó não pode esperar que elas sejam escutadas em silêncio por quem tem uma percepção espiritual superior à sua. Jó pretende ser puro e reclama essa pureza tanto para a sua doutrina como para a sua vida. Mas se Deus falasse, Jó veria completamente destruídas as suas pretensões. A sua pequenina e ridícula sabedoria humana apagar-se-ia ante a perfeição e a vastidão da sabedoria divina; e Jó acabaria por descobrir quão leve era o castigo da sua iniquidade.

Estudo sobre Jó 11.7
ZOFAR EXALTA A SABEDORIA DIVINA (Jó 11.7-12). Certo tradutor dá-nos assim o sentido e a força desta memorável passagem: “Poderás tu desvendar os profundos desígnios de Deus? Alcançarás tu a vastidão da sabedoria do Todo-Poderoso? Mais alta é do que os céus-que és tu perante ela? Mais profunda é do que a morte-como a medirás tu? É maior do que a terra e mais larga que o mar” (7-9). É essa sabedoria que julga o homem na sua vaidade e o seu juízo é infalível. Submeta-se Jó ao processo que a divina sabedoria deseja levar a efeito nele, e haverá esperança de um fim feliz; isto, apesar da sua falta de entendimento que, tal como a de outros homens, é semelhante à da cria do jumento montês.

Estudo sobre Jó 11.13
UM APELO AO ARREPENDIMENTO (Jó 11.13-20). Zofar exorta agora Jó a lançar para longe de si o seu pecado e passa a descrever as maravilhosas recompensas do arrependimento. Um dos resultados será poder olhar para o mundo de cabeça levantada, sem temor e sem pejo. Compare-se o vers. 15 com Jó 10.15. O arrependimento levá-lo-á também ao esquecimento da miséria passada cuja escuridão será inteiramente vencida pela radiosa luz do presente (16-17); conduzi-lo-á à segurança e à esperança (18-19; cf. Jó 7.6). Mas sem arrependimento só uma esperança lhe resta: dar o seu último suspiro.

Estudo sobre Jó 11.18
Olharás em volta e repousarás seguro (18). A expressão sugere-nos o chefe de uma tribo que, antes de se recolher, olha em volta da sua tenda para se certificar de que nenhum perigo o ameaça.
Zofar é o dogmatista intolerante por excelência. Nele encontramos os dois defeitos característicos dos homens do seu tipo. Em primeiro lugar, tem demasiada confiança na sua posição religiosa. Não descobrimos quaisquer indícios de um reverente “não sei”. Tem razão ao afirmar-se em contacto com a verdade (ver, por exemplo, a majestosa passagem Jó 11.7-11 em que ele fala da ímpar e transcendente sabedoria de Deus). Mas erra ao supor estar de posse de toda a verdade. A razão dos sofrimentos de Jó é, para ele, tão desconhecida como para o próprio Jó. Em segundo lugar, falta-lhe humildade. Apressa-se a exortar Jó a ajoelhar e a admitir a limitação da sabedoria humana. Mas ao falar a Jó numa atitude de superioridade esquece-se de que a sua mente, que assim esquadrinha o sofrimento alheio, é igualmente limitada. Sem que o perceba, as suas deduções acerca da miséria de Jó ostentam maior estupidez-a estupidez da cria do jumento montês-que os mais agonizantes gritos do sofredor.

Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário