2015/11/13

Estudo sobre Jó 12

Estudo sobre Jó 12

Jó 12

         Jó responde aos seus amigos (Jó 12.1-14.22)
A SUPOSTA ONISCIÊNCIA DOS AMIGOS ESCANDALIZA-O (Jó 12.1-12). Até aqui Jó pouca atenção deu aos sentimentos dos amigos. Mas agora resolve resistir à sua fácil e pretensiosa atitude opondo-lhes as suas próprias faculdades de crítica e recorrendo ao sarcasmo e à lógica. Quão fácil lhes é a eles abrir a boca e fazer ecoar os seus muitos lugares comuns nesse mundo ainda seguro, ainda aprazível, em que se encontram! “No pensamento do que está descansado há desprezo pela miséria; um desprezo pronto a visar aquele cujos pés vacilam” (outra versão do vers. 5). Fora ele salteador e não um homem religioso, talvez os homens o respeitassem mais. Nas suas mãos Deus lhes põe tudo (6). É de interesse a versão que, como alternativa se pode adotar: “os que trazem o seu Deus na mão”. O único deus que esses salteadores adoram é o poder, simbolizado pela espada que com mão forte empunham.

Estudo sobre Jó 12.7
Jó mostra-se familiarizado com tudo que os amigos disseram acerca da sabedoria e do poder de Deus. Os próprios animais do campo o conhecem. A natureza o proclama em voz vibrante e uníssona (7-9). Também ele sabe que toda a vida está nas mãos de Deus (10). O problema que o angustia e que os amigos se recusam a enfrentar relaciona-se com a forma como Deus utiliza o Seu poder. Que espécie de caráter dirige e orienta a operação desse poder? Jó não pode aceitar, sem as examinar e digerir, as opiniões dos outros; que lhe importam as mais respeitáveis tradições se elas se não impuserem ao seu paladar moral e espiritual? O vers. 12 pode ser uma alusão ao respeito de Bildade pela sabedoria das gerações passadas (Jó 8.8-10).

Estudo sobre Jó 12.13
UMA DESCRIÇÃO DO PODER DIVINO (Jó 12.13-25). Jó imagina o poder de Deus como força arbitrária, irresistível e devastadora, responsável pelas terríveis calamidades da terra; uma força que destrói a influência dos sábios, dos poderosos e dos respeitados; que os guia ao poder apenas para dele os fazer cair; que amarra os homens a chefes que os não sabem conduzir porque são como cegos tateando na escuridão ou como ébrios a quem o vinho obscureceu o entendimento. Procuramos em vão um princípio no qual se integre a atuação divina descrita por Jó e sentimos que se pretende que concluamos que, para Jó, nessa hora, esse princípio era inexistente. A atadura dos reis (18) é o grilhão com que eles escravizam o povo. É difícil de determinar o sentido exato do vers. 22. É possível que seja uma referência ao absoluto conhecimento de Deus dos mais recônditos segredos do coração humano. Cf. Is 29.15.



Nenhum comentário:

Postar um comentário