2015/11/13

Estudo sobre Jó 13

Estudo sobre Jó 13




Estudo sobre Jó 13.1
JÓ REJEITA O CONSELHO DOS AMIGOS (Jó 13.1-12). De novo Jó ataca os amigos-ataque impaciente e cauterizante. Eles são inventores de mentiras (4), fúteis e inúteis médicos da alma, procurando justificar os caminhos de Deus com máximas de cinzas e argumentos de lodo (12). Acusa-os de serem, não genuínos aliados de Deus, mas servis aduladores e parasitas deformando argumentos apenas para fazer valer uma causa que apóiam por simples amor à pele. Podemos compará-los a um homem que defendesse a causa dum tirano, não porque lhe interessassem os aspectos da justiça ou injustiça em questão, mas pura e simplesmente por medo do homem. Os amigos falaram muito da onisciência divina, daquele olhar ao qual nem o mínimo gesto de Jó podia escapar. Mas estarão eles lembrados de que esse mesmo olhar se fixa sobre eles perscrutando os motivos que estão na base da sua atitude, da sua defesa de Deus? Que farão eles quando tiverem de responder perante a majestade e a onisciência de Deus? Os vers. 9-11 sugerem-nos, de maneira notável, que uma oposição a Deus, quando sincera, será menos grave que uma adesão insincera.

Estudo sobre Jó 13.13
4. JÓ DIRIGE-SE A DEUS ( Jó 13.13-28). Certo Jó de que é inútil recorrer aos amigos, Jó volta-se para Deus. Ele está consciente do grave risco que corre mas não pode deixar de se defender. Ainda que Ele me mate, nele esperarei (15). Segundo outra versão, “Vede: Ele matar-me-á; espero por Ele”. O texto hebraico é ainda suscetível de uma outra interpretação: “Não esperarei” ou “não tenho esperança”. Nos versículos que se seguem a fé desponta, subitamente, na certeza de que o veredito lhe será favorável. Só os ímpios têm motivo para recear a presença de Deus. Impetuosamente, clama por alguém que possa pôr em causa a sua inocência. Se essa pessoa se apresentasse ele nada mais teria a dizer (19).

Estudo sobre Jó 13.20
Prossegue suplicando a Deus que o atenda e o escute. Mas para isso será preciso que Deus desvie a Sua mão dele e o liberte daquela paralisante e aterradora sensação da Sua divina majestade (20-21). Satisfeitas estas condições, Jó assumirá com alegria qualquer dos papéis: o de acusador ou o de acusado (22). Mas na presente situação Jó ignora a culpa que lhe é atribuída. Pede a Deus que lhe diga claramente a razão da Sua hostilidade que resultou numa tão dura sentença. Será que Deus o está fazendo pagar as irreflexões e as irresponsabilidades da sua juventude (23-26)? Seja qual for a razão, é inegável a realidade: Deus impõe -lhe as mais drásticas restrições. Marcas os sinais dos meus pés (27). É preferível esta versão: “Descreves uma linha em volta da sola dos meus pés”. Todavia, quem é o objeto de tamanha inimizade divina? Uma humilde criatura, sacudida pela vida, trazendo em si a marca da corrupção.


Índice: Jó 1 Jó 2 Jó 3 Jó 4 Jó 5 Jó 6 Jó 7 Jó 8 Jó 9 Jó 10 Jó 11 Jó 12 Jó 13 Jó 14 Jó 15 Jó 16 Jó 17 Jó 18 Jó 19 Jó 20 Jó 21 Jó 22 Jó 23 Jó 24 Jó 23 Jó 24 Jó 25 Jó 26 Jó 27 Jó 28 Jó 29 Jó 30 Jó 31 Jó 32 Jó 33 Jó 34 Jó 35 Jó 36 Jó 37 Jó 38 Jó 39 Jó 40 Jó 41 Jó 42

Nenhum comentário:

Postar um comentário