2015/11/13

Estudo sobre Jó 20

Estudo sobre Jó 20



Estudo sobre Jó 20.1
O segundo discurso de Zofar (Jó 20.1-29)
O discurso versa a efemeridade da prosperidade do ímpio e a inevitabilidade da condenação-discurso igualmente cruel e desprovido de interesse para o caso de Jó. Os pensamentos expõem-se com força, calor e impetuosidade. Todo o discurso se deve interpretar à luz da observação feita no versículo 2 “eu me apresso”. A precipitação pode estar na base de uma visão incorreta do homem (cf. Sl 116.11) e de uma visão incorreta ou imperfeita de Deus. “Está na pressa a explicação da sua teologia”, observa certo comentador referindo-se a Zofar. Tivera ele tempo de observar e de refletir, a sua conclusão seria: “alguns sofredores são santos”; tivera ele ainda mais tempo, poderia ter acrescentado: “e alguns são salvadores”. Jó, o sofredor, aparece a uma luz falsa como Jó, o pecador. E a luz falsa que ilumina o homem, resulta de uma visão deturpada de Deus. O Deus de Zofar surge-nos como um Juiz impaciente, tão impaciente como o próprio Zofar. Diz o comentador atrás referido: “quando o zelote atribui às suas opiniões e aos seus sentimentos a estatura da divindade, o deus que vemos no trono do universo não passa de um Zofar infinitamente ampliado”. Os seus ossos cheios do vigor da sua juventude (11). A morte prostra-o quando ele se encontra ainda em plena virilidade. Veneno de áspides sorverá (16). Estas palavras pareciam sugerir -nos o ímpio mordido por serpentes cujo veneno é absorvido pelo seu corpo. No seu ventre (20); segundo outra versão, “na sua sofreguidão”; a sua sofreguidão leva-o a uma atividade sem descanso. No versículo 22 a Septuaginta e a Vulgata vertem: “toda a força da miséria virá sobre ele”. Arrancará o dardo do seu corpo (25). Num esforço desesperado para salvar a vida ele arranca o dardo que lhe traspassou o corpo mas apenas para encontrar os esmagadores terrores da morte. Um fogo não assoprado (26) é uma tortura que se situa fora do plano humano, um fogo não acendido pelo homem. Cf. Jó 1.16.

Nenhum comentário:

Postar um comentário