2015/11/13

Estudo sobre Jó 4

Estudo sobre Jó 4


Estudo sobre Jó 4.1
         Fala Elifaz (Jó 4.1-5.27)
ELIFAZ ACONSELHA JÓ (Jó 4.1-11). JÓ quebrou o silêncio, Elifaz profere então palavras de conforto, de ânimo, de aviso. Espera que, fazendo-o, não ofenda o amigo. Fala movido pelo amor à verdade, constrangido por um sentido de dever para com o seu amigo, as suas convicções e o seu Deus (2).

Estudo sobre Jó 4.3
Começa por lembrar a Jó a missão que lhe coubera no passado e da qual ele se desempenhara brilhantemente. Jó conhecera o ministério aos abatidos, praticara-o com ardor. Soubera amparar os que trilhavam a via dolorosa. Agora que se encontrava no mesmo caminho, aplicasse a si as palavras de conforto que dirigira aos outros (3-5). Devia refugiar-se na consolação que lhe dava a sua religião e uma consciência tranquila.

Estudo sobre Jó 4.7
Depois de se referir ao magnífico ministério de Jó junto dos necessitados, Elifaz dá então expressão aos pensamentos que lhe sugere a lamentação de Jó, esse terrível grito de angústia ainda presente na sua mente e no seu coração. Jó revelara um ardente e apaixonado desejo-o desejo de ser consumido pela morte. Mas, lembra Elifaz a morte repentina e inesperada é a porção dos maus, jamais a porção dos inocentes (7-11). Cf.. Jó 5.26.

Estudo sobre Jó 4.12
RESPOSTA À CRÍTICA DE JÓ (Jó 4.12-5.7). Elifaz replica às palavras que Jó proferira e nas quais estava implícita uma crítica a Deus, à forma como Deus procedera para com ele. Como pode o frágil e imperfeito homem mortal atrever-se a criticar as ações do seu Criador? Fortalece o seu argumento narrando, de forma impressiva, a visão que uma vez tivera (13). Aqui surgem divergências de interpretação quanto às circunstâncias em que se deu a visão: não é possível determinar se Elifaz estava adormecido ou acordado. A misteriosa voz demonstrara claramente todo o absurdo da pretensão do homem mortal: ser justo perante o seu Deus. A versão mais justo do que Deus (17) é gramaticalmente possível mas menos fiel à ideia. Jó nunca pretende ser mais justo do que Deus-pretensão absurda da parte de qualquer homem. Apenas lamentara uma miséria da qual pensava não ser merecedor. Mas quando os próprios servos celestiais de Deus são incapazes de O servirem de uma forma absolutamente perfeita, quando até esses falham, como ousa o homem na sua fragilidade e efemeridade, na sua sempre imperfeita busca de sabedoria, como ousa o homem insinuar pela sua conduta e pelas suas atitudes, a sua completa justiça, a sua intocável dignidade?

Estudo sobre Jó 4.19
Como a traça (19) ou “mais depressa do que a traça”. Adote-se, para o versículo 21 a seguinte versão: “Não se arreia, dentro de si, a corda da sua tenda?” A morte é comparada ao levantar de uma tenda.


Nenhum comentário:

Postar um comentário