2015/11/04

Mateus 24 | Bíblia de Estudo Online




24 Quando Jesus estava saindo do templo, os discípulos chamaram-lhe a atenção para a beleza daquelas construções. 2E ele disse-lhes: “Estão vendo esta grandiosidade,[1] não estão? Pois eu vos garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra:[2] será tudo deitado abaixo.”


Sofrimento e perseguição
(Marcos 13,3–13; Lucas 21,7–19)

3 Estava Jesus sentado no Monte das Oliveiras e os discípulos aproximaram-se dele em particular [gr.: κατ̓ ἰδιαν “de forma privada”] para lhe perguntarem: “Quando será isso e qual vai ser o sinal da tua vinda e do fim do sistema mundial [αἰών (aiōn) “período de tempo usufruído em conjunto por sociedades dentro da história mundial”]?” 4 Jesus declarou: “Tenham cuidado e não se deixem enganar [πλανάω (planaō) “desviar do caminho”] por ninguém! 5 Vão aparecer muitos garantindo que sou eu e a dizerem: “Eu sou o Messias!” E vão assim enganar muita gente. 6 Vos chegarão notícias e clamores de guerras de perto e de longe, mas não fizem preocupados.[θροέω (throeō) “assustado”, “pertubado na mente”] Essas coisas têm de acontecer, contudo não quer dizer que vocês já estão no fim. 7 As nações vão entrar em guerra umas com as outras, e os países vão atacar uns aos outros. Haverá tremores de terra e fomes em muitos lugares. 8 Todos estes acontecimentos serão como as primeiras dores de parto.
9 Então hão-de entregar-vos à tortura e condenar-vos à morte, e todos os povos vos odiarão por minha causa. 10 Muitos vão abandonar a nessa altura e vão ser atraiçoeiros e odiar uns aos outros. 11 Hão de aparecer muitos falsos profetas que enganarão muita gente. 12 A maldade aumentará de tal maneira que em muitos o amor esfriará. 13 Mas aquele que se mantiver firme [na fé] até ao fim será salvo. 14 Esta boa nova do reino de Deus será pregada em todo o mundo como testemunho [gr.: μαρτύριον (marturion) “confirmação da veracidade de algo”.] para os povos. E então chegará o fim.”


O grande sofrimento
(Marcos 13,14–23; Lucas 21,20–24)

15 Jesus acrescentou ainda: “Ora quando virem no lugar santo a abominação devastadora, de que falou o profeta Daniel [em seu livro] – quem lê isto procure entender – 16 aqueles que estiverem na Judeia devem fugir para as montanhas. 17 Quem estiver no terraço não deve descer para levar seja o que for de dentro de casa. 18 E quem estiver no campo, é melhor não voltar para ir buscar a [sua] capa. 19 Ai das mulheres que estiverem grávidas naquela hora e das que estão a amamentar! 20 Peçam a Deus para que a vossa fuga não seja no Inverno nem num sábado. 21 Será um tempo de grande aflição, como nunca existiu desde o princípio do mundo, nem voltará a existir. 22 E se Deus não abreviasse [gr.: κολοβόω (koloboō) “mutilar”] esses dias, então ninguém se salvaria. Mas por causa dos seus escolhidos, Deus quis abreviá-los.
23 Se nessa altura alguém vos disser: “O Messias está aqui” ou “está ali”, não acreditem. 24 Pois vão aparecer falsos messias e falsos profetas, que hão de apresentar grandes sinais [σημεῖον (sēmeion) “um sinal, uma marca pelo qual alguém ou algo é distinguido dos demais”] e milagres [τέρας (teras) “prodígio, um avento contrário às leis da natureza”], para enganarem, se possível, os próprios escolhidos de Deus. 25 Por isso quis prevenir-vos. 26 Portanto, se vos disserem: “Ali está ele no deserto!”, não vão lá. Ou então: “Está escondido em tal lugar”, não acreditem. 27 Pois, tal como o relâmpago ilumina o céu de um extremo ao outro, assim será a vinda do Filho do Homem.
28 Onde estiver o cadáver, aí se juntam os abutres!”


Vinda do Filho do Homem
(Marcos 13,24–27; Lucas 21,25–28)

29 Jesus disse mais: “Logo depois daqueles dias de aflição, o Sol ficará escuro e a Lua deixará de brilhar. As estrelas cairão do céu e os poderes celestes irão estremecer.
30 Neste momento é que aparecerá no céu o sinal do Filho do Homem. E todos os povos da Terra irão romper em choro e verão o Filho do Homem que vem sobre as nuvens com poder e grande glória. 31 Ele mandará então os seus anjos, ao som de uma grande trombeta, para reunirem os escolhidos [de Deus] dos quatro cantos do mundo desde um extremo ao outro dos céus.”


A lição da figueira
(Marcos 13,28–31; Lucas 21,29–33)

32 “Aprendam a lição que a figueira vos dá”, disse ainda Jesus. “Quando ela já tem os ramos tenros e as folhas novas começam a nascer, veem logo que o verão está próximo. 33 Do mesmo jeito, quando virem acontecer estas coisas [que mencionei], fiquem sabendo que o tempo já está próximo, mesmo à portaa. 34 Garanto-vos que todas estas coisas irão acontecer antes de desaparecer esta geração. 35 O Céu e a Terra terão fim, [παρέρχομαι (parerchomai) “passar, em sentido cronológico, não mais presente, algo que não tem mais efeito”] mas as minhas palavras não!”


Ninguém sabe o dia nem a hora
(Marcos 13,32–37; Lucas 17,26–30.34–36)

36 “Sobre o dia e a hora destes acontecimentos é que ninguém sabe: nem os anjos no céu, nem o Filhob. Só o Pai é que sabe.
37 Como aconteceu no tempo de Noé, assim vai acontecer com a vinda do Filho do Homem. 38 De fato, naqueles dias antes do dilúvio, as pessoas comiam e bebiam e casavam-se, até ao dia em que Noé entrou na arca. 39 Não se aperceberam de nada, até que veio o dilúvio e os levou a todos. Com a vinda do Filho do Homem acontecerá a mesma coisa. 40 Nessa altura, dois andarão no campo: um será levado e outro será deixado. 41 Estarão duas mulheres moendo trigo: uma será levada e outra deixada.
42 Estejam alerta! Porque não se sabe em que dia o vosso Senhor virá. 43 Lembrem-se disto: se o dono da casa soubesse a que horas vinha o ladrão, ficava de guarda e não deixava que lhe assaltassem a casa. 44 Portanto, procurem também estar preparados, porque o Filho do Homem virá quando menos o esperam.”


Deveres no trabalho
(Lucas 12,41–48)

45 Jesus acrescentou mais: “Como poderá mostrar-se fiel e prudente o empregado a quem o patrão deixou a tomar conta dos outros para lhes dar a comida a horas? 46 Feliz aquele servo que o seu senhor, ao regressar a casa, encontra agindo [exatamente] assim! 47 Garanto-vos que o fará administrador de todos os seus bens. 48 Mas que acontecerá se aquele servo for mau e disser para consigo: “O meu senhor ainda vai demorar”, 49 e começar a maltratar os colegas e a comer e a beber com os bêbedos? 50 Quando o senhor chegar, num dia em que este menos espera e numa hora que ele desconhece, 51 vai castigá-lo severamente, dando-lhe o destino dos mentirosos. Ali haverá choro e ranger de dentes.”





[1] Esta tradução é geral, uma busca a um correspondente em português.
[2] Expressão idiomática, significa “destruição completa”.
a 24,33 Outra tradução possível: Ele (o Filho do Homem) está próximo.
b 24,36 As palavras nem o Filho são omitidas em alguns manuscritos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário