2016/04/30

Êxodo 10 — Explicação das Escrituras

Êxodo 10 — Explicação de Êxodo

Êxodo 10 — Explicação de Êxodo



Êxodo 10 

10.1 Disse o Senhor. O fiel servo de Deus recebe a orientação divina para cada transe da sua luta contra as forças do mal.
10.2 Para que contes. De fato, durante toda subsequente história de Israel, o motivo básico para toda a vida religiosa do povo era esta história de como Deus tinha salvo e resgatado um povo particularmente Seu, que reconhecia Sua soberania. Saibas. O israelita não quis ter teorias vãs acerca de Deus, mas sim, uma verdadeira experiência religiosa de andar com Deus.
10.3 Humilhar-te. Quem não se humilha, Deus o humilhará completamente.
10.4 Gafanhotos. Esta oitava praga já é mais severa: mesmo as invasões normais no oriente formam nuvens de gafanhotos que devoram em poucas horas toda espécie de alimento em área de quilômetros quadrados. Mas esta invasão foi excepcional (6; cf. Jl 2.1-11).
10.7 Os oficiais. Assim como os magos já se retiraram da luta (9.11), agora são os oficiais que estão se rendendo à evidência, chegando a se opor abertamente à política louca de um rei totalitário.
10.8 Porém. A obediência a Deus dos não sinceramente convertidos contém sempre um ”porém” significativo. Este porém é a condenação dos ímpios, porque, na realidade, é rebeldia contra Deus, como se vê no v. 11, em que a restrição não foi aceita por Moisés. Nota-se que, pela primeira vez, discutiu-se sobre os termos da obediência, antes de chegar outra praga, indício de que Faraó estava aprendendo a temer o poder de Deus. 
10.10 Seja o Senhor. Um emprego blasfemo do nome de Deus para rejeitar um pedido feito em nome do Senhor. Faraó já quis ditar o lugar do sacrifício (8.25) e agora quis limitar o número dos participantes no culto solene. • N. Hom. V. 12 nos ensina que a sequência ao pecado é o julgamento divino, que é inevitável, quando não imediato. A terra inteira sofreu as consequências, pois o pecado sempre traz grandes danos até para terceiros inocentes. Nota-se também o poder absoluto de Deus sobre todas as forças da natureza, assim demonstrando que ele é o Deus e os ídolos (deuses imaginários) nenhum poder tinham.
10.15 Se escureceu. O tamanho das nuvens de gafanhotos, muitas vezes, esconde inteiramente a luz do sol na região invadida.
10.16 Pequei. Uma ideia muito fraca sobre o pecado é de quem antevê as consequências do seu erro, e quer se livrar delas. Faraó teme os poderes manifestos em Moisés, mas não teme ao poder de Deus. Como todo pecador, pensa que se trata de um erro esporádico (esta vez ainda) e não percebe o abismo em que se precipita sem possibilidade de se salvar sozinho.
10.19 Nem ainda um só. Deus faz sua parte com perfeição, em resposta à oração da fé do seu servo obediente. Mas nem esta prova graciosa serviu para Faraó, uma vez passado o perigo.
10.21 Trevas. Esta praga veio sem prévio aviso. Resposta imediata à perfídia de Faraó, mencionada no v. 20. Não se sabe qual foi a causa imediata das trevas, talvez uma tempestade areia ou umas nuvens espessas de cinzas, vindas de uma erupção vulcânica da região da Grécia; sabe-se somente que eram limitadas, não chegando ao lugar dos israelitas, v. 23.
10.24 Faraó chamou. Chamou para oferecer seu quarto “acordo amistoso” (os demais se acham em 8.25, 8.28 e 10.11). Vê-se cada vez mais forçado a conceder algo mais, sem nunca lhe vir à mente a necessidade da obediência; tão somente o interessava a própria autoridade real, não aprendendo que o Altíssimo tem autoridade sobre o reino dos homens (Dn 4.32; Ap 19.16).
10.26 Nem uma unha. Moisés já aprendeu a lição de obediência completa à vontade de Deus, e sabe que o alívio momentâneo de algum compromisso com as exigências do mundo, comprometeria a plenitude de alegria da vitória, na sua comunhão com Deus. O ser humano tem de comparecer perante Deus, com seus bens, com seu tempo, com seu caráter, oferecendo a plenitude do seu ser em sacrifício vivo e aceitável a Deus (Rm 12.12). Não se pode saber de antemão o que há em nós que Deus quer usar, e por isso devemos permanecer numa atitude perpétua de oração.
10.28 Retira-te. Ordenar a retirada do profeta de Deus era a maneira de tentar excluir Deus da vida de Faraó. Mas Deus não pede audiências aos homens e nenhuma pessoa que tenta cerrar os ouvidas à voz dos crentes irá por isso ser poupada da decisão final que todos enfrentarão: aceitar a salvação que Deus oferece, ou receber a eterna punição.
10.29 Nunca mais. Era o fim da missão de Moisés para com aquele rei egípcio. Em 12.31, Moisés apenas atende ao rei para ouvir sua confissão de derrotado, sem lhe pedir audiência, pois quem persuadiu a Faraó com a praga final fora o próprio Deus.

Índice: Êxodo 1 Êxodo 2 Êxodo 3 Êxodo 4 Êxodo 5 Êxodo 6 Êxodo 7 Êxodo 8 Êxodo 9 Êxodo 10 Êxodo 11 Êxodo 12 Êxodo 13 Êxodo 14 Êxodo 15 Êxodo 16 Êxodo 17 Êxodo 18 Êxodo 19 Êxodo 20 Êxodo 21 Êxodo 22 Êxodo 23 Êxodo 24 Êxodo 25 Êxodo 26 Êxodo 27 Êxodo 28 Êxodo 29 Êxodo 30 Êxodo 31 Êxodo 32 Êxodo 33 Êxodo 34 Êxodo 35 Êxodo 36 Êxodo 37 Êxodo 38 Êxodo 39 Êxodo 40

Nenhum comentário:

Postar um comentário