2016/04/26

Obadias 1 — Explicação das Escrituras

Obadias 1 — Explicação de Obadias

Obadias 1 — Explicação de Obadias

(Explicação das Escrituras)

1 Obadias. Quer dizer “servo do Senhor”, nome comum na Bíblia. Assim diz o Senhor Deus. Esta é uma expressão que indica a autoridade divina da profecia inteira. Edom. Esta nação, composta dos descendentes de Esaú, irmão de Jacó (que veio a ser chamado Israel), repetidas vezes estava em guerra contra a nação irmã, Israel. O caso mais terrível desta inimizade, entretanto, revelou-se quando os babilônios destruíram a cidade de Jerusalém juntamente com o templo em 586 a.C., oportunidade aproveitada pelos edomitas para depredar o que restava da cidade e das fazendas abandonadas.
2 A mensagem para Edom começa neste versículo, depois da introdução que descreve o assunto e a situação.
3 Habitas nas fendas das rochas. Refere-se à capital de Edom, a grande cidade de pedra esculpida, na rocha sólida e por isso mesmo chamada Sela (“rocha” em hebraico) e Petra (“rocha” em latim). Alta morada. A maior parte de Edom era rochosa e alta; o que resta de Sela mostra quão seguros os edomitas podiam se sentir. Aliás, os vv. 6 e 7 dão a entender que só uma traição podia abrir o caminho àquela fortaleza.
6 Esaú. Pai de todos os edomitas, e irmão gêmeo de Jacó, ao qual odiava por causa da profecia de que Esaú serviria a Jacó (Gn 25.23, 30). Esta rivalidade contra Israel foi herdada pelos edomitas (2 Cr 21.8-17; Nm 20.14-22). Esquadrinhados. Talvez haja aqui uma dupla referência: 1) Obra de um espião a revelar os segredos da fortaleza; e 2) Obra dos soldados invasores, nada deixando de valor na cidade assaltada.
7 Na época de Obadias, a infiltração dos árabes na direção de Edom já havia começado, mas foi apenas no século V a.C. que a capital caiu em suas mãos, da maneira aqui profetizada. Por outro lado, porém, parece que o mesmo Nabucodonosor que destruiu a Jerusalém, invadiu a Edom alguns anos mais tarde, isto é, no ano 581 a.C.
11-14 Este trecho relembra o que os edomitas tinham feito depois da destruição de Jerusalém, fazendo por merecer, assim, posteriormente, um fim semelhante.
15 O Dia do Senhor. Heb yôm yehõwâh, o dia no qual Deus julga abertamente, publicamente, sem haver escape (Sf 1.14-18). Todos os “dias do Senhor” são apenas prelúdios do grande período final do julgamento, preeminentemente o Dia do Senhor descrito em Apocalipse, caps. 6 até 20, que começa com o derramamento dos julgamentos sobre a terra, e tem por clímax a volta pessoal de Cristo, a destruição dos inimigos de Deus (Ap 19.11-21) e o estabelecimento do Seu reino (Ap 20.1-6).
16 Bebestes. Refere-se à ira de Deus.
17 Livramento. Um meio de escape. É possível que aqui se profetize a vinda do Salvador que, no monte Sião, em Jerusalém, viria a oferecer-se como libertação do pecado e das suas conseqüências eternas.
18 Ninguém mais restará. Não existe mais nenhum edomita no mundo de hoje.
20 Sefarade. Uma cidade que ficava, entre Tiro e Sidom, mencionada em 1 Rs 17.9 e Lc 4.26 sob o nome de Sarepta.
21 Salvadores. Os próprios judeus aplicam esta palavra ao Messias e aos Seus servos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário