2019/08/26

Interpretação de Sofonias 3

Interpretação de Sofonias 3

Interpretação de Sofonias 3


Sofonias 3
A Terra de Judá e a Cidade de Jerusalém. 3:1-8.
1. Cidade opressora . . . rebelde e manchada. Como resultado da adoração de Baal e Moloque, Jerusalém ficou degenerada. Os líderes religiosos viviam em adultério, e ofereciam seus filhos como sacrifício humano a fim de obter o favor dos deuses da natureza (Jr. 19:5; 23:13, 14; 32:35). Jeremias tinha dificuldade em descobrir um homem justo em Jerusalém (Jr. 5:1). Seus líderes civis e religiosos estavam do lado da idolatria e não agiam como porta-vozes de Deus.
2. Não atende a ninguém. Jerusalém fora advertida. Os profetas insistiram com o povo, mas toda a sua insistência para que houvesse arrependimento foi ignorada. A ruptura entre o povo e o Senhor alargava-se com o passar de cada dia (cons. Jr. 22:21).
3. Os seus príncipes são leões rugidores. As pessoas que tinham autoridade e poder não davam importância à verdade e à justiça. Seus arrogantes rugidos eram os de animais selvagens. Seus juízes são lobos do cair da noite. Os juízes rasgavam em tiras qualquer vestígio de justiça. Eles se esgueiravam pelas sombras, prontos a aceitarem subornos. Praticavam a violência e a opressão predatória dos animais selvagens (Ez. 22 : 27 ; Mq. 3 : 9-1 1).
4. Os seus profetas são levianos, homens pérfidos. Os profetas já não possuíam a seria convicção e integridade dos homens santos. Eles enganavam as almas cegas. Os seus sacerdotes profanam o santuário. Os sacerdotes violaram a Lei oferecendo animais com manchas e defeitos. Os sacrifícios eram destituídos de conteúdo espiritual (cons. Jr. 23:11, 32).
5. O SENHOR é justo, no meio dela. O Senhor continuava presente e mantinha um registro das perversidades deles. A bondade seria a porção do justo, mas o castigo seria certo para o perverso (cons. Dt. 32:4).
6. Exterminei as nações. Evidentemente Síria e Israel são as aludidas. Era profético o que o Senhor estava executando. Ninguém que as habite. Todos os lares seriam desarraigados. Certamente me temerás. O Senhor tinha razão para esperar o arrependimento e a obediência depois do castigo intermitente imposto a Jerusalém, mas o povo persistia em seus maus caminhos. Finalmente, a destruição total veio pelas mãos dos babilônios.
8. A minha resolução é ajuntar as nações. A misericórdia do Senhor é dirigida a todos os povos e nações. Até Nínive arrependeu-se com a pregação de Jonas. Mas, do mesmo modo, o juízo virá sobre todos aqueles que abandonam o Senhor. O julgamento pelo fogo está sempre associado com o castigo das nações através da guerra.
IV. A Promessa de Bênçãos Futuras. 3:9-20.
A. A Promessa de Conversão. 3:9-13.
9. Então darei lábios puros aos povos. Esta é uma referência ao período quando os judeus abandonariam a blasfêmia da idolatria e prefeririam louvores ao Senhor (cons. Joel 2:28; Atos 2:16-21). Lábios puros talvez se refira à forma do culto religioso que praticarão. Eram idólatras; agora Deus prometia restaurar o seu culto entre eles.
10. Dalém dos rios da Etiópia. Após o julgamento o Senhor traria o Seu povo de volta de todas as regiões para onde foram levados prisioneiros. Até mesmo a remota terra da Etiópia experimentaria este ato de graça soberana.
11. Naquele dia não te envergonharás. O castigo teria um fim para aqueles que se arrependessem. Um remanescente seria purificado da idolatria e retornada. Tirarei do meio de ti. Os perversos líderes teriam o seu destino. E tu nunca mais te ensoberbecerás. Falso orgulho se converteria em humildade.
12. Um povo modesto e humilde. O cativeiro reduziria muitos dentre o povo à pobreza. Na verdade, muitos dentre os pobres reagiram diante da liberação de Ciro, enquanto os ricos ficaram escondidos. A profecia também vê além do retorno da Babilônia para o tempo quando os pobres e os humildes finalmente aceitarão o Messias – "E os do povo o ouviam com prazer" (Marcos 12:37).
13. Os restantes de Israel. Após o cativeiro da Babilônia um remanescente limpo e purificado retornaria. Jamais tornariam a se inclinar diante dos deuses pagãos (cons. Mq. 4:7).
B. A Promessa da Restauração. 3:14-20.
14. Canta, ó filha de Sião. Um tempo de regozijo viria quando o remanescente tornada novamente a adorar no Templo reconstruído. Haveria também um tempo de regozijo num futuro mais distante quando Israel aceitasse o seu Messias.
15. O Rei de Israel, o SENHOR, está no meio de ti. Esta é uma antecipação profética do dia quando o Rei Messias as governar. Israel não teve mais um rei davídico no trono desde a morte de Zedequias.
16. Não temas. No glorioso dia do Messias, todos os cativeiros e aflições nacionais serão removidas.
17. O SENHOR teu Deus. Este é o ponto alto da profecia de Sofonias. O SENHOR . . . Deus é o Ser divino e auto-existente que permanecerá no meio de Israel. Poderoso. Ele é o Herói conquistador. Este é o caráter que Isaías dá ao Messias (Is. 9:6). Ele salvará o Seu povo. Ele se deleitará em ti. Após salvá-los, o Messias encontrará no Israel redimido seu motivo de alegria (cons. João 15:11).
18. Os que estão entristecidos . . . eu os congregarei. Um remanescente se arrependerá dos seus pecados, e novamente se reunirá em Jerusalém para ver o seu grande esplendor restaurado. Sobre os quais pesam opróbrios. O povo judeu não tem podido desfrutar de sua religião nas terras de sua dispersão por causa do opróbrio acumulado sobre ele pelos vizinhos pagãos (cons. Sl. 137).
19. Procederei contra todos os que te afligem. Aqueles que puniram Judá serão punidos.
20. Eu vos farei voltar. Eles tomarão a possuir a sua terra e serão restaurados no favor do Senhor. Finalmente, todas as nações da terra serão abençoadas pelos judeus através do seu Rei Messiânico, o Senhor Jesus (cons. Is. 11:12; Ez. 28:25; 34:13; Amós 9:14).

Índice: Sofonias 1 Sofonias 2 Sofonias 3

Um comentário:

Crismacleiton disse...

Um ótimo estudo como sempre

Postar um comentário