2019/09/19

Estudo sobre Ester 4

Estudo sobre Ester 4

Estudo sobre Ester 4 



Ester 4
Ester concorda em interceder (4.1-17)
Quando Mardoqueu recebe a notícia do decreto, ele recruta a ajuda um tanto relutante de Ester. A rainha, mesmo depois de cinco anos, ainda está muito insegura da sua posição diante do rei e sente que qualquer aproximação dele está repleta de perigos. Mas parece que ela aceita a sugestão de Mardoqueu de que é providencial que ela seja rainha num tempo desses e concorda em interceder, com a condição de que antes toda a comunidade judaica jejue por ela.

a) Mardoqueu inicia um lamento (4.1-3)
v. 1. Quando Mardoqueu soube de tudo o que tinha acontecido: de que forma Mardoqueu descobriu todos os detalhes da transação, inclusive a quantia prometida, e não somente o decreto publicado? Possivelmente por intermédio de amigos na corte, vestiu-se de pano de saco, cobriu-se de cinza-, rasgar a própria roupa, vestir pano de saco e cobrir-se de cinzas eram expressões normais do lamento. Esse lamento podia ser profundamente religioso, como em Dn 9.3 e Ne 1.4. v. 2. ninguém vestido de pano de saco tinha permissão de entrar. aparentemente estar vestido de pano de saco tornava a pessoa cerimonialmente impura e, por isso, impossibilitada de entrar na corte, v. 3. grande pranto-, o pranto geral descrito aqui deve ter sido para a maioria dos judeus um ato religioso que normalmente era acompanhado de orações. Que nem a oração nem Deus sejam mencionados aqui certamente é propositado por parte do autor, que, de forma coerente, omite toda e qualquer referência a qualquer idéia ou ato religioso.

b)  Mardoqueu convence Ester a interceder (4.4-17)
v. 4. mas ele não quis aceitá-las\ Mardoqueu se negou a parar o seu lamento. Por quê? Possivelmente Mardoqueu quis mostrar que o seu pranto não era simplesmente acerca de um problema pessoal, mas de significado muito maior em uma calamidade sem precedentes. v. 6. na praça da cidade-, um lugar comum e tradicional para o lamento, v. 7. quanta prata\ mencionar a quantia indicava a seriedade da crise. A ganância pessoal de Xerxes acrescentava uma dimensão nova e amedrontadora à briga particular de Hamã.
v. 10. que dissesse, o autor muda para o discurso direto no restante do diálogo entre Ester e Mardoqueu, assim realçando o efeito dramático, v. 11. somente uma lei-, aparentemente Deioces, o primeiro rei dos medos, instituiu essa lei que os persas preservaram (cf. Heródoto i. 96-101). Essa lei não admitia exceção alguma, mais de trinta dias\ ela teme que não tenha mais todo aquele prestígio com o rei. Por que ela não solicitou uma audiência, visto que ainda faltavam 11 meses para o massacre? Talvez porque temesse que o pedido fosse rejeitado, v. 13. não pense-, não se trata necessariamente de uma ameaça a Ester; antes, de um lembrete real do perigo comum a que todos os judeus estavam expostos. v. 14. de outra parte, uma alusão a Deus. Veja a Introdução, para uma discussão mais ampla, morrerão-. Mardoqueu provavelmente está pensando em castigo divino se Ester desobedecer a Deus, e não em alguma vingança dos judeus, para um momento como este. Mardoqueu claramente conclui que a ascensão dela ao trono foi providência divina.
v. 16 . jejuem em meu favor. Ester aceita a missão e agora toma a iniciativa. Ao ordenar um jejum, Ester está buscando a ajuda divina. Ela está pedindo à comunidade judaica que interceda diante de Deus a favor dela. três dias e três noites-, esse deveria ser um jejum muito rígido, observado durante a noite e durante o dia. O jejum durou entre 40 e 44 horas, visto que Ester foi à presença do rei no terceiro dia. Podemos ter uma idéia da seriedade com que Ester se empenhou na sua tarefa com base no fato de que ela desafiou o povo a um jejum exatamente na época da Páscoa — 15 de nisã. se eu tiver que morrer, morrerei-. Ester ainda tem temores naturais, mas ela está disposta a fazer tudo mesmo assim. Como bem acrescenta Moore, “o homem impetuoso age sem medo, o homem valente apesar do medo”, v. 17. retirou-se. lit. ”ele cruzou”. Provavelmente refere-se ao rio Ab-karka, que separava a acrópole do restante da cidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário