2016/09/02

Estudo sobre Ester 9

Estudo sobre Ester 9

Estudo sobre Ester 9



Ester 9
Os judeus triunfam sobre os seus inimigos (9.1-15)
O dia 13 de adar, o dia que havia sido designado como da destruição deles, tornou-se o dia do seu triunfo sobre os seus inimigos. O povo os teme, e os governantes os ajudam. Eles matam os seus inimigos, incluindo os dez filhos de Hamã, mas não os saqueiam. Depois de receber um relato dos eventos do dia em Susã, Xerxes concede o pedido a Ester de mais um dia para a luta em Susã e do enforcamento público dos filhos de Hamã. Nos outros lugares, os judeus descansam e celebram no dia 14 de adar.

a) Os judeus destroem os seus inimigos (9.1-10)
v. 1. mas aconteceu o contrário: o autor propositadamente evita a menção de Deus. v. 2. os que buscavam a sua destruição: a retaliação estava limitada àqueles que estavam de fato tentando matar os judeus, estavam com medo deles-, os judeus agora desfrutavam do favor da corte, e Mardoqueu tinha grande autoridade. Por isso, os oficiais do governo os apoiavam, v. 6. Na cidade de Susã está numa posição enfática. Parece que os quinhentos homens mencionados aqui foram mortos na acrópole, e não na cidade principal, v. 7-10. Os nomes dos filhos de Hamã parecem de origem persa. Enquanto estivessem vivos, os filhos de Hamã representariam um perigo constante para os judeus, v. 10. não se apossaram de seus bens: o autor repete esse comentário três vezes. Embora os bens dos inimigos resultantes do saque tivessem sido concedidos aos judeus, o autor evidentemente quer ressaltar que eles estavam lutando pela sobrevivência, e não por lucros materiais. Os judeus não eram os agressores, mas estavam se defendendo dos seus inimigos.

b) Uma extensão em Susã (9.11-15)
v. 12. qual é o seu pedido?: evidentemente Xerxes percebe que Ester não está completamente satisfeita. Ele não parece preocupado com a morte dos seus súditos, v. 13. também amanhã: a razão de Ester ter pedido mais um dia para a matança em Susã não está clara. Talvez haja a intenção de mostrar o contraste entre a acrópole de Susã, em que houve luta no primeiro dia, e a cidade principal, em que houve luta no segundo dia. Possivelmente os seus inimigos haviam sido bastante resistentes na acrópole, e só no segundo dia os judeus conseguiram derrotar os seus inimigos na cidade principal. A intenção era a exposição pública dos filhos de Hamã como advertência e intimidação aos seus inimigos.

3) A festa do Purim é instituída
Depois do resumo dos eventos dos dias 13 e 14 de adar, são descritos os passos dados por Mardoqueu e Ester para estabelecer o Purim.

a) Um resumo dos eventos dos dias décimo terceiro e décimo quarto de adar (9.16-19)
v. 16. setenta e cinco mil parece um número bastante alto e pode sugerir que o anti-semitismo era muito forte no século V a.C. Talvez o decreto de Hamã tivesse incendiado a hostilidade contra os judeus. Muitos dos inimigos dos judeus provavelmente tiveram a esperança de destruí-los e saqueá-los, mas foram completamente derrotados, não se apossaram dos seus bens: mais uma vez, destaca-se o fato de os judeus se negarem a saquear os seus inimigos, v. 19. vilas e povoados-, implica a diferença entre os que moravam em cidades muradas e os outros, enquanto os dois versículos anteriores fizeram a diferença entre os que moravam em Susã e os outros, a não ser que todos os que viviam fora da capital estivessem incluídos entre os “aldeões”, presentes-, a troca de iguarias e presentes tornou-se uma das características principais do Purim.

b) Mardoqueu ordena a celebração do Purim (9.20-28)
v. 20. Mardoqueu registrou esses acontecimentos-, isso pode estar se referindo à história toda ou mais provavelmente apenas aos eventos mais recentes que eram a razão dos dois dias de celebração, v. 27. todos os que se tomassem judeus-, i.e., todos os futuros convertidos ao judaísmo, não deixariam de comemorar. há uma forte ênfase para que judeus em todos os lugares comemorem esses dias. Isso parece sugerir que havia considerável relutância por parte de alguns de celebrar o Purim.

c) Ester também ordena a celebração dessa festa (9.29-32)
v. 29. a rainha Ester, obviamente a carta de Mardoqueu ordenando a celebração do Purim não foi totalmente bem-sucedida, de modo que Ester também escreveu uma carta para estimular a sua observância, uma segunda carta-, isso provavelmente se refere à carta da rainha Ester em que ela confirma a primeira carta de Mardoqueu. v. 30. desejando-lhes paz e segurança-. Ester escreve na tentativa de persuadir e não de ordenar ou coagir o seu povo a celebrar o Purim. v. 31. tempos de jejum e lamentação-. tornou-se costume fazer um jejum no dia 13 de adar antes dos dois dias de festa, v. 32. nos registros-, “escrito num livro” confirma a possibilidade de que o autor de Ester tenha se baseado em registros escritos para escrever o seu relato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário