quarta-feira, julho 11, 2018

Livro de Eclesiastes

Livro de Eclesiastes
O Livro de Eclesiastes é o terceiro dos cinco rolos (Megilloth) nos Escritos, a terceira divisão do cânon hebraico. Livro em que estão registrados os pensamentos do “Sábio” (NTLH; RA e RC, “Pregador”), um homem que meditou profundamente sobre a vida humana, com suas injustiças e decepções, e concluiu que “tudo é vaidade” (NTLH, “ilusão”). Nesse livro fala muitas vezes um cético, isto é, alguém que duvida de tudo. Para ele, Deus está distante, ausente. Deus não acusa esse homem, mas deixa que ele fale dos seus sucessos e insucessos, do seu pessimismo e otimismo, da sua esperança e desespero. Mas esse homem se volta para Deus e descobre verdades consoladoras. O “Sábio” aconselha os jovens a se lembrarem do Criador nos dias da sua mocidade, antes que a morte chegue (12.7). E no final do livro está a chave que o interpreta:é preciso obedecer a Deus porque ele pede contas de tudo a todas as pessoas (12.13-14).


Título

Eclesiastes é a tradução inglesa (emprestada da Vulgata latina) do gr. ekklēsiastēs, o título dado ao livro na LXX. Representa uma tentativa de tradução do título hebraico do livro, extraído do pseudônimo do autor, Qoheleth (alternativamente Koheleth; hebr. qōheleṯ), que significa uma pessoa que fala no qāhāl, a assembléia ou congregação, e assim alguém que realiza uma reunião ou reúne em torno de si um círculo de ouvintes. Habitualmente traduzida como “o pregador”, a palavra hebraica é um particípio feminino, uma forma usada para designar um ofício ou posição de dignidade, bem como a pessoa que ocupa o ofício (cf. Esdras 2:55, 57; Ne 7:57).

Significado: Eclesiastes 1 Eclesiastes 2 Eclesiastes 3 Eclesiastes 4 Eclesiastes 5 Eclesiastes 6 Eclesiastes 7 Eclesiastes 8 Eclesiastes 9 Eclesiastes 10 Eclesiastes 11 Eclesiastes 12

Autor e Data

Tradição rabínica, seguindo a representação do autor em chs. 1–2 e a inscrição de um editor posterior em 1:1 atribui o livro a Salomão, o sábio mestre. No entanto, diferentemente das obras pseudepigráficas, o autor não credita especificamente o livro a Salomão ou mesmo usa esse nome; a designação do editor dele como um “filho” de Davi (1:1) poderia ser tomada no sentido de um “seguidor” ou discípulo. Muito possivelmente, o “pregador” aludiu à tradição salomônica (e, portanto, ajudou a ganhar status canônico para o livro), a fim de fortalecer sua avaliação da sabedoria humana (1:12-18) e prazer (2:1-11). De fato, o livro contém muitas declarações que não se encaixam na perspectiva ou estilo de vida de um monarca (por exemplo, 4:1, 13; 5:8 [MT 7]; 7:19; 8:2–4; 9:14–15 10:4-7). Além disso, a estrutura de linguagem e sentença tem muitas semelhanças com o Hebraico Mishnaico, e tanto os motivos de sabedoria altamente desenvolvidos quanto o questionamento de crenças e valores tradicionais apontam para a composição pós-exílica. Consequentemente, os eruditos desde a época de Martinho Lutero reconheceram a obra como a de um professor de sabedoria judaico anônimo que vive em Jerusalém em algum momento do terceiro século a.C.

Conteúdo

Firmemente enraizado na tradição da sabedoria, o livro de Eclesiastes combina observação empírica e reflexão racional para buscar o próprio sentido da vida e avaliar os limites da satisfação humana. O estilo altamente repetitivo do autor, que é tipicamente semítico, dificulta o esboço do livro. Em essência, Eclesiastes representa uma tentativa de demonstrar a conclusão primária do pregador (1:2–3), o contraste básico entre Deus e a humanidade como evidenciado pelos limites do conhecimento humano - particularmente com relação aos caminhos de Deus - um contraste ainda mais severo pela simplificação da sabedoria tradicional e sua avaliação presunçosa da capacidade humana. Ao longo do livro, esta conclusão é reiterada, ilustrada, reforçada e entrelaçada com “palavras de conselho”, um segundo tema mais positivo, de que as pessoas devem ter prazer nas simples bênçãos da vida, mesmo agora, ao aderirem fielmente à vontade de Deus. (2:24–26; 3:12–15, 22; 5:18–20 [& MT; 17–19]; 8:15; 9:7–10; cf. 11:9–12:1).

O tema das limitações da existência humana é tratado em quatro seções. Em 1:4-2:26 o autor ilustra a situação humana em termos da própria natureza da vida, as inadequações de sabedoria e prazer, o destino comum da humanidade e a futilidade do trabalho. Em 3:1-4:16 ele aponta para o controle de Deus sobre os eventos humanos, a inevitabilidade da morte, a prevalência da opressão, a solidão da riqueza e a efemeridade do prestígio. Em 5:13 (MT 12) -6:12 ele mostra a insaciabilidade da busca pela riqueza e incapacidade humana de conhecer ou mudar o futuro. Finalmente, em 8:10–9:12 ele demonstra as injustiças da retribuição para o bem e o mal, a misteriosidade dos caminhos de Deus, a certeza da morte e a incerteza básica da vida.

Entre as palavras de conselho para o aqui e agora, o pregador oferece advertências para honrar a Deus através da adoração pura e fiel cumprimento dos votos, para antecipar a corrupção no governo e para manter uma perspectiva adequada sobre a riqueza (5:1-12 [MT 4 :17–5:11]). Em 7:1-8:9 ele apresenta uma série de aforismos em defesa da “boa vida” - salientando honra, sobriedade, cautela, compromisso, sabedoria com riqueza e moderação, em vez de devoção excessiva, bem como desconfiança das mulheres. Uma coleção final de conselhos (9:13-12:8) contém uma parábola sobre as inadequações da sabedoria, vários provérbios para a vida prática e uma alegoria sobre o envelhecimento.

O livro conclui com um epílogo (12:9-14), provavelmente por um editor, que inclui comentários sobre o trabalho e as intenções do pregador, as limitações de toda a sabedoria (incluindo o livro de Eclesiastes) e uma admoestação final para aderir reverentemente aos mandamentos de Deus.

Esboço: Eclesiastes 1 Eclesiastes 2 Eclesiastes 3 Eclesiastes 4 Eclesiastes 5 Eclesiastes 6 Eclesiastes 7 Eclesiastes 8 Eclesiastes 9 Eclesiastes 10 Eclesiastes 11 Eclesiastes 12

Interpretação

Como devemos interpretar a mensagem deste livro? O leitor logo fica impressionado por pontos de vista evidentemente contraditórios. Uma teoria persistente defende que o livro é um diálogo com perspectivas contraditórias apresentadas por personagens diferentes. Se este ponto de vista for aceito, a expressão frequentemente repetida “vaidade de vaidades” seria o veredicto do autor num panorama que se restringe apenas ao mundo presente. Outra abordagem favorita tem sido associar a perspectiva consistentemente pessimista ao autor inicial e explicar pontos de vista contraditórios como inserções de autores posteriores que tentaram corrigir afirmações exageradas com o propósito de tornar o livro mais coerente com os ensinamentos religiosos em vigor na época. O livro de fato apresenta oscilações entre confiança e pessimismo. Mas elas não precisam nos instigar a abandonar a convicção na unidade e integridade de Eclesiastes. Tais oscilações não seriam uma consequência natural da luta entre a fé, por um lado, e os interesses pelos assuntos mundanos, por outro, tanto no coração do próprio Salomão como na vida centrada na terra que o livro retrata? Barton escreve: “Quando um homem contemporâneo percebe quantos conceitos diferentes e estados de humor ele pode ter, descobre menos autores em um livro como Qoheleth”. Se este livro representa a luta de uma alma com dúvidas sombrias, também revela o comportamento de um homem que notou o lado positivo das coisas. Apesar de sua atitude pessimista, a vida é tão preciosa quanto um “copo de ouro” (12.6), e a resposta final ao sentido da vida é: “Teme a Deus e guarda os seus mandamentos” (12.13). 

Organização

Eclesiastes não é um livro racional ou organizado de maneira lógica. É como um diário no qual um homem registrou suas impressões de tempos em tempos. Muitas vezes ele prefere expressar sentimentos do momento e reações emocionais a apresentar uma filosofia equilibrada sobre a vida. Geralmente o estado de espírito é de ceticismo, mas ainda assim Peterson escreve: “Teria sido uma desgraça e uma grande pena se um livro que foi escrito para ser a Bíblia de todos os homens não se referisse ou deixasse de lidar com o espírito de ceticismo que é comum a todos os homens”. A estrutura do livro faz dele um livro tão difícil de esboçar que muitos comentaristas nem tentam identificar um padrão lógico. No esboço aqui apresentado, o autor foi influenciado por Archer mais do que por qualquer outro autor. Às vezes o leitor cuidadoso irá perceber que um destaque aponta para um pensamento significativo daquela seção mais do que para um resumo de tudo que está ali. Embora ocasionalmente os parágrafos estejam relacionados apenas vagamente entre si, todos eles estão relacionados ao tema do livro — talvez isso só seja verdade porque esse tema é tão amplo quanto a própria vida! 

Teologia

Os líderes judaicos e cristãos primitivos hesitavam em atribuir ao livro o status canônico, em grande parte por causa de sua avaliação racionalista e abertamente negativa das crenças tradicionais. No entanto, Eclesiastes de fato faz uma contribuição positiva para o pensamento bíblico. Ao contrastar a magnificência de Deus, sua liberdade e sabedoria, com as limitações de tanto esforço humano, o livro concentra sua atenção nas verdades eternas e nas bênçãos derivadas de uma busca apropriada pelo sentido da existência. O autor enfatiza o escopo insondável da majestade divina ao contrastar Deus com os limites aparentes da condição humana. Com ironia exagerada, ele culpa os excessos da sabedoria hebraica padrão em comparação com as verdades simples encontradas na vida, as bênçãos da graça e da providência. Ele exorta a humanidade a viver eticamente, na sincera reverência por Deus, que é a única fonte de significado e em celebração da própria vida sem preocupação com o ganho pessoal, concentrando-se em gratidão pelos presentes simples de Deus de sustento, esforço intencional e amor por Deus. toda a criação.

Bibliografia
R. Gordis, Koheleth — the Man and His World, 3rd ed. (New York: 1968); D. A. Hubbard, Beyond Futility: Messages of Hope from the Book of Ecclesiastes (Grand Rapids: 1976); C. F. Whitely, Koheleth. BZAW 148 (1979).