domingo, agosto 12, 2018

Apocalipse 12:1 – Comentário de MacArthur

Apocalipse 12:1 – Comentário de MacArthur

Apocalipse 12:1 – Comentário de MacArthur

A Bíblia adverte que “o orgulho vem antes da destruição, e um espírito altivo antes de tropeçar” (Provérbios 16:18). A ilustração mais notória e trágica desse princípio, aquela com as consequências mais abrangentes, foi a rebelião orgulhosa de Satanás contra Deus. Por isso, Lúcifer, tendo caído do céu como um raio (Lucas 10:18), foi expulso de sua exaltada posição como o “querubim ungido que cobre” (Ezequiel 28:14). Ele perdeu seu lugar como o mais elevado ser criado e se tornou o supremo inimigo de Deus. A rebelião de Satanás desencadeou uma guerra cósmica por todo o universo - uma guerra que ofusca qualquer outra guerra na experiência humana. A guerra de Satanás contra Deus é uma guerra de duas frentes. Ao liderar um motim contra Deus entre os anjos, Satanás tentou, sem sucesso, destruir o paraíso do céu. Ao liderar um motim contra Deus entre os homens, Satanás destruiu o paraíso terrestre do Jardim do Éden, mergulhou toda a raça humana em decadência e corrupção, e usurpou (temporariamente) o papel de “governante deste mundo” (João 12:31). 16:11).

A campanha de abertura da guerra de Satanás das eras ocorreu no céu. Quando ele se rebelou (Isaías 14:12-15; Ezequiel 28:12-17), um terço dos anjos atirou louca e perversamente com eles (veja a discussão do verso 4). Nenhum deles poderia saber quais seriam as consequências eternas de sua escolha. Querendo ser como Deus, eles se tornaram tão diferentes quanto ele. Esses anjos caídos (ou demônios) tornaram-se os soldados da tempestade de Satanás, fazendo o lance de seu comandante maligno. Eles lutam contra o propósito divino, fazendo guerra com os santos anjos e a raça humana.

Quando Adão e Eva mergulharam na corrupção, escolhendo ouvir as mentiras de Satanás e desobedecer a Deus, a raça humana se envolveu na guerra cósmica dos séculos. De fato, desde a queda, a Terra tem sido o principal teatro em que a guerra foi travada. Embora já tenham caído, todos os membros da raça humana têm a mesma escolha que os anjos fizeram na eternidade passada: lutar do lado de Deus ou de Satanás. Permanecer neutro não é uma opção, pois em Mateus 12:30, Jesus declarou: “Aquele que não é comigo é contra mim; e quem não ajunta comigo, espalha.”

As batalhas finais da longa guerra de Satanás contra Deus ainda estão para ser travadas. Eles acontecerão no futuro, durante a última metade do período de sete anos da tribulação, a época em que Jesus chamou a Grande Tribulação (Mt 24:21). Naquele tempo, Satanás, auxiliado pela ausência da igreja arrebatada e pela presença de hordas de demônios aumentadas (9:1-11), realizará seus mais desesperados ataques contra os propósitos de Deus e Seu povo. Mas, apesar da fúria selvagem com a qual esses ataques serão realizados, eles não terão sucesso. O Senhor Jesus Cristo esmagará sem esforço Satanás e suas forças (19:11–21) e o enviará ao abismo pela duração do reino milenar (20:1–2). Depois de liderar uma rebelião final no final do Milênio, Satanás será consignado ao castigo eterno no lago de fogo (20:3, 7–10).

O som da sétima trombeta proclamará a vitória triunfante do Senhor Jesus Cristo sobre o usurpador, Satanás: “Então o sétimo anjo tocou; e havia vozes altas no céu, dizendo: “O reino do mundo tornou-se o reino de nosso Senhor e do seu Cristo; e ele reinará para todo o sempre.”” (11:15). Haverá alegria no céu porque Cristo derrotou Satanás e estabeleceu Seu reino eterno. Assim, o resultado da guerra entre Satanás e Deus não está em dúvida. O triunfo final de Cristo é certo.

Embora o capítulo 11 registre o som da sétima trombeta, os efeitos que produz não são descritos até os capítulos 15–18. A sétima trombeta soará perto do final da Tribulação, lançando os breves, mas finais e devastadores juízos da taça pouco antes do retorno de Cristo em poder e glória. Os capítulos 6–11 descrevem os eventos da tribulação até o soar da sétima trombeta; os capítulos 12-14 recapitulam esse mesmo período, descrevendo eventos do ponto de vista de Satanás. Além disso, a última seção leva o leitor de volta à rebelião original de Satanás (12:3–4). A narrativa cronológica dos eventos da Tribulação então recomeça no capítulo 15.

A Tribulação contará com os julgamentos sem precedentes da ira escatológica de Deus e a fúria desesperada dos esforços de Satanás para frustrar os propósitos de Deus. Essa combinação mortal fará da Tribulação o período mais devastador da história humana (Mt 24:21-22). Durante esse tempo, eventos horripilantes ocorrerão, causados pelos julgamentos de Deus e pela fúria de Satanás.

Antes de descrever a guerra final, o inspirado apóstolo João primeiro apresenta os principais personagens envolvidos: a mulher (Israel), o dragão (Satanás) e o menino (Jesus Cristo).

Aprofunde-se mais!


Fonte: MacArthur, J. (2000). Revelation 12-22 (p. 1). Chicago, Ill.:Moody Press.