sexta-feira, agosto 10, 2018

Estudo sobre Salmo 78

Estudo sobre Salmo 78

Salmo 78
Quantas vezes eles se rebelaram

O Salmo 78 considera o sofrimento de Israel de outro ângulo. Era verdade que os inimigos de Israel eram pessoas perversas cujo triunfo era desconcertante, mas a maioria do povo de Israel dificilmente poderia alegar ser vítimas inocentes. Eles provocaram a Deus e trouxeram desastre para si mesmos por sua persistente desobediência e idolatria.

O salmo 78 foi aparentemente escrito para celebrar o estabelecimento da dinastia de Davi em Jerusalém, porque esse evento levou à construção do templo. Mais tarde na história de Israel, este salmo serviria a um duplo propósito. Durante os anos de idolatria e rebelião no reino dividido, seria um aviso contra a repetição da loucura dos anos do deserto e o tempo dos juízes. Então, durante o cativeiro, ofereceria um raio de esperança, lembrando aos israelitas que um dos momentos mais brilhantes de seu passado surgira das profundezas do desastre e que a história poderia se repetir.

A estrutura poética deste salmo é complexa, com muitos desvios do paralelismo estrito e com muitas linhas longas. (Algumas das seguintes linhas são divididas com base no comprimento em inglês, em vez de nos acentos em hebraico).

Salmos 78: 1–8
Um maskil de Asafe.

Esta introdução enfatiza a profundidade e a relevância permanente da revelação de Deus para Israel. A profundidade da revelação é enfatizada pelas palavras “parábolas” e “coisas ocultas” (versículo 2). Os ensinamentos deste salmo estão “ocultos” porque podem ser conhecidos e compreendidos somente através da revelação do Espírito Santo. A palavra traduzida por “parábolas” refere-se a qualquer tipo de mensagem que requer estudo cuidadoso e comparação com as próprias situações dos ouvintes antes que eles possam entendê-la corretamente e aplicá-la corretamente. Tais mensagens podem ser expressas em linguagem figurada, como os provérbios de Salomão ou as parábolas de Jesus, ou podem tomar a forma de uma revisão da história passada, como neste salmo ou no sermão de Estevão em Atos, capítulo 7.

Em ambos os casos, os ouvintes devem pensar cuidadosamente sobre o significado do dito e aplicar a verdade que ele expressa às suas próprias situações. Em Mateus 13:35, esse versículo é citado em conexão com as parábolas de Jesus. Isso é apropriado, uma vez que todo o ensinamento de Jesus, seja figurativo ou literal, serviu exatamente o mesmo propósito que este salmo - advertiu Israel contra a insensatez de repetir os pecados de seus ancestrais.

A relevância permanente e duradoura da Palavra de Deus é mostrada pela ênfase em passá-la de uma geração para outra. O livro de Deuteronômio enfatiza a importância de transmitir a experiência do êxodo e da conquista às gerações vindouras. Essa mensagem é tão proeminente em Deuteronômio que as palavras “Não se esqueça” poderiam ser usadas como o tema desse livro. Este salmo ecoa o tom de um capítulo como Deuteronômio, capítulo 6.

A importância prática de tal ensinamento é mostrada pelo aviso de que as crianças só podem escapar ao julgamento se aprenderem com a triste experiência de seus ancestrais e não repetirem seu pecado. Em 1 Coríntios capítulo 10, Paulo nos diz que as histórias do êxodo servem ao mesmo propósito para nós como fizeram para Israel: “Se você pensa que está firme, tenha cuidado para não cair!” (Verso 12) .

A rebelião
Salmos 78: 9–11

É difícil ver qualquer razão pela qual a tribo de Efraim seria criticada por seu comportamento durante o êxodo ou a conquista. Eles não assumiram a liderança nas rebeliões dos anos do deserto. Eles não tinham uma reputação de covardia em batalha. Eles provavelmente são escolhidos por causa de sua liderança posterior na secessão do reino do norte de Israel sob Jeroboão. Esta referência provavelmente pretende comparar sua secessão com a rebelião liderada por Coré durante os anos do deserto e colocar sua idolatria na mesma categoria dos anos do deserto. A comparação é adequada porque, em ambos os casos, vemos a mesma rejeição dos líderes escolhidos por Deus e a mesma adoração dos deuses dos bezerros como a representação do Senhor.

As seções seguintes do salmo contrastam a repetida rebelião de Israel com a duradoura graça de Deus. Ao ler, observe os contrastes indicados por palavras como “mas” e “ainda”.

A Bondade de Deus no Deserto
Salmos 78: 12–20

O salmo entrelaça dois temas. A bondade de Deus em guiar Israel de Zoã (sua morada no Egito) a Sião (o lar permanente do templo) é contrastada com a persistente ingratidão de Israel. Há muita repetição neste salmo porque já durante os anos do deserto houve muita repetição dos mesmos pecados. Para uma ilustração disso, compare Êxodo, capítulos 15 a 17, com os capítulos 11, 16 e 20 de Números.

Com que rapidez os israelitas esqueceram o poder de Deus no Egito e sua promessa da terra à frente deles! Portanto, Deus de fato enviou severos julgamentos de castigo durante os anos do deserto, mas ele também continuou a prover as pessoas ingratas com a comida de que precisavam, assim como ele ainda hoje provê alimento para o bem e o mal, para o agradecido e o esquecido.

O maná, maravilhoso como era, poderia ser chamado de “pão do céu” apenas em um sentido limitado. Aparecia sem esforço ou esforço humano e poderia prolongar a vida terrena, mas não poderia fazer mais. O maná testou a fé e a confiança de Israel em Deus, mas um teste mais urgente estava chegando. Esse teste dizia respeito ao verdadeiro pão do céu. João capítulo 6 nos conta como Jesus alimentou cinco mil homens com alguns pães. Aqueles que viram o milagre ficaram brevemente excitados com o pão, mas não queriam participar do verdadeiro Pão da Vida. Sua reação ao dom de Deus foi como a de Israel no deserto.

No deserto, o povo de Israel às vezes demonstrava arrependimento, mas geralmente era superficial e de curta duração. Como o orvalho na grama, desapareceu no calor do sol. A triste história foi repetida de novo e de novo durante os anos do deserto. Sua incredulidade foi especialmente chocante porque Deus havia provado plenamente seu poder no Egito.

O poder de Deus exibido no Egito (Êxodo 5–14)

Poderíamos pensar que uma vez que Israel fosse estabelecido em sua própria terra, a rebelião dos anos do deserto terminaria. Mas em vez de agradecer a Deus pela generosidade de sua terra, os israelitas deram crédito aos ídolos da terra e os serviram no lugar do Senhor.

A destruição do tabernáculo em Shiloh aparentemente ocorreu quando os filisteus capturaram a arca da aliança durante os dias de Eli (1 Samuel 4–6). Demorou muitos anos para Israel se recuperar desse desastre. Ao longo dos dias de Samuel e Saul, Israel não tinha um santuário central, embora houvesse um tabernáculo em Gibeão. Foi somente nos dias de Davi que a arca foi trazida para Jerusalém e os preparativos foram feitos para construir o templo como o único santuário central.

Misericórdia na terra
Salmos 78: 65–72

Deus quebrou o poder dos filisteus através das vitórias de Davi. Em Davi, ele deu ao povo um pastor fiel como Moisés. Se os israelitas tivessem se levantado dos dias sombrios de Eli para os dias brilhantes de Davi, eles poderiam ressurgir da escuridão do cativeiro na Babilônia até o alvorecer do dia em que o Messias viria. Ele seria um pastor muito maior que Moisés ou Davi. Mesmo assim, o triste ciclo continuaria. Assim como muitos rejeitaram Moisés e Davi, muitos rejeitariam o Pastor quando ele viesse. Quão triste é que a história se repete, mas quão maravilhoso é que, ao longo da história, a graça de Deus nunca falha.

Aprofunde-se mais!

Fonte: Brug, J. F. (2001). Psalms: Psalms 73-150 (2nd ed.). The People’s Bible (p. 35). Milwaukee, Wis.: Northwestern Pub. House.